6 de jun de 2017

Com 90 mil títulos, Biblioteca Monteiro Lobato tem bonecos gigantes do Sítio do Pica Pau Amarelo e atividades especiais para a criançada



Fonte: São Paulo para crianças. Data: 3/6/2017.
Para quem curte fazer programa cultural com os pequenos, a Biblioteca Infantil Monteiro Lobato, localizada dentro da Praça Rotary, no centro da cidade é uma das opções gratuitas que a cidade oferece! Escondida bem no coração da Vila Buarque, ali ao lado do Minhocão, a biblioteca é a instituição de leitura destinada ao público infantil mais antiga do Brasil. Ela foi idealizada por Mário de Andrade na década de 1930, mas só em 1955 recebeu o atual nome para homenagear o escritor que encanta gerações.
Por ser coberto, o local é uma opção de passeio principalmente para aqueles dias chuvosos, já que alia diversão e conhecimento para a garotada aprender enquanto brinca. Lá tem um espaço para crianças, um para o público infanto-juvenil, outro para leitura de revistas e jornais e uma gibiteca (só nessa área são mais de 7 mil exemplares, entre gibis, álbuns, RPG e Mangás).
Ao entrar, o visitante se depara com uma exposição permanente sobre o “Sítio do Picapau Amarelo”. Para as crianças que estão cursando o ensino fundamental, essa experiência por si só já vale a visita. É uma delícia para os pequenos poder explorar o universo que até então era conhecido apenas nos livros.
Bonecos gigantes de personagens como Emília, Saci e a Cuca, que estão expostos no saguão do prédio são atrativos para os menores, que mesmo sem entender do que se trata, se divertem com seu tamanho e cores. Dica: não saia de lá sem tirar antes uma selfie com a criançada.
Ainda no piso térreo, uma outra exposição permanente conta a história do autor. Algumas de suas relíquias, como escrivaninha e vestimentas, estão expostas no local. Atração para os adultos e crianças mais velhas.
No espaço destinado à criançada, livros são expostos em estantes na altura dos pequenos leitores, que podem sentar em cadeiras para ler ou se acomodar em tatames no chão. Os livros não são muito novos, mas garantimos que os baixinhos não irão se importar.
A maior parte deles, no entanto, se destina aos pequenos que já sabem ler. A biblioteca abriga um acervo de mais de 90 exemplares, mas ainda não há terminal eletrônico de consulta para o usuário.
Para alugar um livro, basta fazer a carteirinha, que fica pronta na hora, para isso é necessário apresentar um documento com foto e um comprovante de residência. Ela pode ser usada em outras bibliotecas municipais. É possível alugar até quatro livros por 15 dias. A renovação deve ser feita no local.
A biblioteca ainda conta com uma interessante programação. Mensalmente são realizadas contações de história, apresentações de peças e oficinas, mas antes de sair de casa sempre vale ligar lá para se confirmar.
Se o tempo estiver bom, vale sair e aproveitar o passeio com uma volta na Praça Rotary, onde sempre tem alguém jogando futebol na quadrinha e de tempos em tempos grupos de maracatu e outros ritmos musicais se reúnem para ensaiar.

Biblioteca Parque do Centro de Niterói será municipalizada



Autoria: Leonardo Sodré.
Fonte: O Globo. Data: 4/06/2017.
A prefeitura de Niterói assinará amanhã um convênio com a Secretaria Estadual de Cultura municipalizando a gestão da Biblioteca Pública que funciona num edifício histórico na Praça da República, no Centro. O município investirá R$ 1,7 milhão, por ano, na manutenção do espaço e pretende reabrir o equipamento terça-feira.
Fechada há mais de dois meses, a biblioteca funcionou durante todo o ano passado sob gestão da Organização Social Instituto de Desenvolvimento e Gestão (IDG), contratada pelo estado e paga com repasses da prefeitura que totalizaram R$ 1,6 milhão. De acordo com o prefeito Rodrigo Neves, o modelo de convênio para a manutenção do local foi proposto para evitar interrupções no funcionamento do equipamento por conta de entraves na prestação de contas do estado, como ocorreu em fevereiro.
— Foi uma medida extrema, mas necessária porque vimos que a transferência de recursos para o estado não estava dando certo. Agora, a biblioteca será administrada pela prefeitura, através da FAN (Fundação de Artes de Niterói), até 2020 — diz.
De acordo com a prefeitura, a biblioteca começará a funcionar terça-feira, e seguirá aberta de segunda a sexta, das 11h às 19h. A sede da Academia Fluminense de Letras também permanece no local.

Projeto de lei prevê o funcionamento da Biblioteca Mário de Andrade 24h por dia – Biblioo



Fonte: Boa Informação. Data: 5/06/2017.
A Biblioteca Municipal Mário de Andrade, localizada no Centro de São Paulo, deverá permanecer aberta ao público em período integral, ou seja, 24 horas por dia, durante todos os dias da semana. Isso é o que prevê um projeto de lei (PL 01-00305/2017) da vereadora Sâmia Bomfim (PSOL).
Pela proposta, os serviços ofertados pela Biblioteca deverão contemplar a diversidade de frequentadores do espaço — entre eles, estudantes, trabalhadores, portadores de necessidades especiais, imigrantes, população em situação de rua, comunidade LGBT e outros —, a partir de estudos de usuários e da formação de equipe consultiva com a Secretaria Municipal de Assistência Social da Prefeitura de São Paulo.
Dentre os propósitos do projeto estão os de estimular o acesso universal à leitura e à cultura na cidade de São Paulo; consolidar a Biblioteca Municipal Mário de Andrade como biblioteca pública provedora de horários alternativos de funcionamento, possibilitando o atendimento e frequência de diversos públicos, bem como reconhecer o bibliotecário como profissional capacitado para a gestão e organização da biblioteca e de seu acervo.
Se aprovada, a lei deve contribuir para o cumprimento do Plano Municipal do Livro. Leitura, Literatura e Biblioteca (PMLLLB/SP) do Município de São Paulo, instituído pela Lei Municipal 16.333/2015, cumprindo a meta de curto prazo de criação de horários alternativos de funcionamento das bibliotecas para ampliar o acesso, conforme determina o PMLLLB/SP.
Visando combater a ameaça de terceirização da mão de obra nas bibliotecas municipais paulistanas, o projeto também prevê que somente funcionários públicos de carreira da Prefeitura Municipal de São Paulo, com todos os direitos trabalhistas garantidos, poderão exercer a função de bibliotecário, em qualquer dos turnos de funcionamento da Biblioteca, em conformidade com a Lei Federal 4084/1962, que regudeplora o exercício da profissão do bibliotecário e suas atribuições.
“Acreditamos que o fortalecimento da Biblioteca Mário de Andrade deve servir de exemplo para que toda a rede de bibliotecas públicas da cidade de São Paulo, em todas as regiões da cidade, seja fortalecida, com base na real valorização da leitura como um direito da população. Para tal é condição primordial a valorização dos bibliotecários de carreira, pertencentes ao quadro de funcionários públicos do município, que devem contar com adequadas condições de trabalho, remuneração justa e respeito à sua formulação intelectual e exercício pleno da profissão”, diz a justificativa do projeto.
A vereadora explica no projeto que a atual defasagem de bibliotecários no quadro funcional da Biblioteca Mário de Andrade dificulta a concretização dos trabalhos e pode ser rapidamente sanada, tendo em vista, segundo ela, que há profissionais aguardando a nomeação do concurso homologado em março de 2016 para o cargo de analista de informações, cultura e desporto – biblioteconomia.
“Apesar de reconhecermos o avanço e a importância da inovação colocada em prática em 2015, percebemos limitações como: a ausência, nos horários alternativos, do bibliotecário e do serviço de referência que visa facilitar o acesso dos frequentadores à informação, contribuindo para a aprendizagem contínua: uso de mão de obra terceirizada para a manutenção dos horários alternativos: e oferta insuficiente de atividades culturais e de formação de mediadores de leitura”, destaca a vereadora.

Planária

Na Planária em Defesa das Bibliotecas Públicas e do Centro Cultural São Paulo, a ser realizada no próximo dia 13, na Câmara Municipal, o PL será apresentado pela vereadora à comunidade.

Histórico

Fundada em 1925 sob o nome de Biblioteca Municipal de São Paulo, a Mário de Andrade passou a funcionar 24h em outubro de 2015 e em junho de 2016 passou a oferecer empréstimos durante a madrugada por meio de totens. Mas desde 24 de abril deste ano a Biblioteca não funciona mais 24h, sendo seu novo horário de 8h às 22h, de segunda a sexta-feira, e aos sábados e domingos, das 8h às 20h. [...]