24 de mai de 2016

Saiu a segunda edição do "Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia"

Nova edição: Para saber mais: fontes de informação em ciência e tecnologia
Por que se deve fazer uso regular de artigos de periódicos, patentes, bases de dados, índices e outras fontes de informação científica e tecnológica (ICT)? A premissa básica deste livro, agora numa nova edição aumentada e revisada, é que o conhecimento e o uso regular e efetivo das fontes apropriadas, impressas ou eletrônicas, são as chaves para se alcançar o sucesso na pesquisa, desenvolvimento e inovação, como também em quaisquer atividades ligadas à ciência e tecnologia.
Seu objetivo principal é servir de guia para estudantes universitários, professores e pesquisadores das diversas áreas da ciência e tecnologia, para se orientarem na vasta literatura especializada.
Detalhes no URL:



19 de mai de 2016

Acervo defasado diminui interesse por bibliotecas

Fonte: G1. Data: 19/05/2016.
URL: http://g1.globo.com/educacao/noticia/acervo-defasado-diminui-interesse-por-bibliotecas-diz-pesquisa.ghtml
Pesquisa foi feita pelo Ibope, sob encomenda do Instituto Pró-Livro. Levantamento mostra evolução do total de leitores no Brasil.
Locais de estudo e pesquisa, frequentados eventualmente por estudantes e com acervos defasados. Esse é um panorama que os números da pesquisa Retratos da Leitura no Brasil 2016 traçam sobre as bibliotecas no Brasil. Os três pontos aparecem no levantamento feito pelo Ibope sob encomenda do Instituto Pró-Livro.
A pesquisa apontou que o número de leitores no Brasil cresceu 6% entre 2011 e 2015, e que o total de livros lidos nos três meses anteriores à pesquisa foi de 2,54 obras.
De acordo com a pesquisa, 37% do público que frequenta as bibliotecas do Brasil não é estudante. E do seu público frequentador, 73% as consideram espaço para estudo e pesquisa. As bibliotecas escolares ou universitárias são as mais citadas. Quando questionado sobre o tipo de biblioteca que frequentava, 55% citaram esses espaços, enquanto 51% disseram frequentar bibliotecas públicas.
Apenas 19% dos leitores costumam ler livros em bibliotecas.
"Outros usos e associações que esse espaço poderia ter, o que concorreria para a ampliação de seu público frequentador, tiveram percentuais baixos de menções", aponta a análise dos especialistas que avaliaram os dados da pesquisa.
Quando questionados sobre a avaliação das bibliotecas que frequentam, 41% dos leitores disseram não encontrar os livros que gostariam. Para os entrevistados, o interesse aumentaria com a renovação das prateleiras: 32% afirmaram que teriam maior interesse pelas bibliotecas se elas tivessem mais livros ou título novos, e 22% disseram esperar títulos mais interessantes.
Considerando os dados nacionais, mais da metade (55%) dos entrevistados disse que havia biblioteca pública no bairro, outros 33% disseram que não e 9% não souberam responder.
Quarenta por cento dos entrevistados disseram não ir a bibliotecas por falta de tempo. Apenas 5% dos entrevistados disse ir sempre a uma biblioteca. Outros 66% responderam que não frequentavam, 14% disseram que visitavam raramente, 15% costumavam ir às vezes.
Metodologia
A edição 2016 é a quarta edição da pesquisa, que teve também outras publicações referentes a dados coletados nos anos de 2000, 2007, 2011. A pesquisa teve abrangência nacional, com 5012 entrevistas pessoais, feitas nos domicílios dos entrevistados entre 23 de novembro e 14 de dezembro de 2015. Foram ouvidos brasileiros a partir de 5 anos, alfabetizados ou não.
Perfil da amostra
Entre os ouvidos pela pesquisa em 2015, 8% se declarou "não alfabetizado" ou que "não frequentou escola formal". Outros 21% disseram ter ensino fundamental I (1º ao 5º ano), 25% declararam ter o fundamental II (6º ao 9º ano), 33% o ensino médio e 13% o ensino superior.
Responsável pela pesquisa, o Instituto Pró-Livro (IPL) foi criado em 2006 pelas entidades do setor do livro – Associação Brasileira de Livros Escolares (Abrelivros), Câmara Brasileira de Livros (CBL) e Sindicato dos Editores de Livros (SNEL). É mantido por contribuições dessas entidades e de editoras, com o objetivo principal de fomento à leitura e à difusão do livro.
Desde a segunda edição o Instituto adotou metodologia que considera as orientações do Centro Regional de Fomento ao Livro na América Latina e no Caribe (Cerlalc), da Unesco, e pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI). O objetivo foi buscar um padrão internacional de medição que permita eventuais comparações e estudos sobre a questão da leitura nos países da região.

18 de mai de 2016

Biblioteca digital luso-brasileira

Fonte: Agência Brasil. Data:10/05/2016.
Autoria: Isabela Vieira.
Conhecer o acervo da Biblioteca Nacional de Portugal, incluindo originais da Torre do Tombo, que guarda arquivos históricos das navegações e da chegada dos portugueses ao Brasil, em Lisboa, já é possível sem precisar cruzar o Oceano Atlântico.
Por meio de uma parceria com a Biblioteca Nacional, o acervo das duas instituições está sendo digitalizado e colocado à disposição do público na internet. São milhares de títulos dos dois países, incluindo jornais e revistas, que podem ser acessados a qualquer hora do dia, de qualquer lugar do mundo. A expectativa é atrair cerca de 100 mil acessos por mês.
O material está reunido no portal Biblioteca Digital Luso-Brasileira, disponível a partir de hoje (10), com mais de 2 milhões de documentos, sob domínio público, de várias épocas e gêneros. Entre eles, a primeira edição de Os Lusíadas, de Luís de Camões, de 1572, e a Carta de Abertura dos Portos, de 1808, assinada pelo príncipe regente, Dom João de Bragança, quatro dias após a chegada da família real à Salvador.
“É a primeira iniciativa a reunir coleções de língua portuguesa, preservando o material – porque, no momento que você digitaliza, você evita o manuseio do original – e o mais importante, democratizando o acesso”, disse a coordenadora da biblioteca, Angela Bettencourt.
O acervo da Biblioteca Luso-Brasileira conta também com obras de 30 instituições de Portugal e mais 20 do Brasil, incluindo o Real Gabinete de Leitura, fundado por imigrantes portugueses no Rio, em 1837. O prédio é tombado pelo Instituto do Patrimônio Estadual.
Esta é a primeira vez que bibliotecas de países de língua portuguesa se juntam para disponibilizar seus acervos conjuntamente e buscam se igualar a outras iniciativas mundiais. Na Europa, a Biblioteca Digital Europeia – Europeana, tem o maior acervo digital do mundo, com mais de 53 milhões de títulos entre livros, desenhos, pinturas, mapas, vídeos e fotos.
De acordo com a coordenadora, o próximo passo é integrar acervos de países de língua portuguesa de outros países e o primeiro deve ser Moçambique. “Eles já vieram aqui fazer um estágio e, provavelmente, serão os primeiros a se juntar nesta iniciativa”. A Biblioteca Digital Luso-Brasileira foi concebida em software livre.

Detalhes no URL: http://bdlb.bn.br/

E-book será vendido por capítulos

Fonte: E-Book News. Data: 13/05/2016.
URL: http://ebooknews.com.br/no-brasil-ebooks-academicos-serao-vendidos-por-capitulo/
A brasileira Minha Biblioteca, consórcio formado pelas editoras acadêmicas Grupo A, Grupo Gen, Manole e Saraiva, passará a vender mais de 3.000 ebooks acadêmicos por capítulos ou artigos. Usuários poderão mixar as obras e montar seleções de capítulos, criando ebooks personalizados contendo apenas os trechos que lhes interessam de cada obra. O serviço estará disponível em um novo site, PastadoProfessor.com, atualmente disponível em versão beta para usuários convidados.
A novidade estará online oficialmente no segundo semestre de 2016. Editoras podem solicitar um convite para participar da fase beta, pelo email sales@slicebooks.com.
A tecnologia por trás do site vem da companhia norte-americana Slicebooks, que desenvolveu alguns anos atrás um sistema automatizado, que pega um ebook “inteiro” e o quebra em partes, geralmente capítulos, permitindo a comercialização de fragmentos das obras cadastradas
Segundo o CEO da Minha Biblioteca, Richardt Rocha Feller, “PastadoProfessor.com (…) é um exemplo formidável de como proporcionar liberdade, a estudantes e professores, para obter o conteúdo que eles precisam, como e quando precisarem”.
Esta é uma tremenda inovação no mercado digital em geral, mas especialmente no mercado brasileiro e nos ebooks acadêmicos. O livro digital, que muitos julgavam estar “comendo poeira” para o mercado impresso, parece mais ativo do que nunca.

A Pasta do Professor, na versão atual, já disponibiliza trechos de obras para alunos e professores – porém, apenas na forma impressa. O portal pastadoprofessor.com.br permite que as editoras disponibilizem os seus conteúdos de forma fracionada e que os professores criem pastas-do-professor virtuais com a seleção de conteúdo das bibliografias de cada disciplina. Alunos e leitores podem comprar os conteúdos que estão nestas pastas de acordo com a sua necessidade, incluindo ou não outros conteúdos também disponíveis na plataforma. Os valores pagos incluem os direitos autorais e editoriais e os custos de impressão da seleção de conteúdo. É uma alternativa à pirataria, já que permite o consumo de trechos de livros, remunerando autores e editoras.

Mato Grosso é processado por falta de biblioteca escolar

Juiz abre prazo para resposta do governo de Mato Grosso
Fonte: Só Notícias. Data: 7/05/2016.
URL: www.sonoticias.com.br/noticia/geral/estado-e-processado-por-falta-de-bibliotecas-juiz-abre-prazo-para-resposta-do-governo
A Justiça de Mato Grosso abriu prazo de 5 dias para manifestação das partes numa ação em que o Ministério Público Estadual (MPE) pede que o Estado seja condenado e obrigado a instalar bibliotecas em 100 % das escolas estaduais. Ambos os envolvidos, autor e réu, depois de notificados, deverão informar se pretendem produzir provas. Em caso positivo, especificando com objetividade quais são justificarem a pertinência das mesmas.
O despacho é do juiz Luís Aparecido Bortolussi Júnior, responsável pela ação impetrada em março de 2015, na gestão do governador Pedro Taques (PSDB). O processo tramita na Vara Especializada de Ação Civil Pública e Ação Popular.
O Ministério Público pleiteou liminar para que o Estado fosse obrigado a apresentar em 60 dias um cronograma máximo de 2 anos para sua execução para instalar bibliotecas em 100% das Escolas Estaduais, dotadas de infraestrutura e com a garantia de espaço adequado, mobília, acessibilidade às pessoas com deficiência e informatização, especificando a ordem em que as escolas serão contempladas, com os respectivos prazos.
Pediu que fosse determinada multa diária no valor de R$10 mil para cada escola não contemplada ou outro valor a ser arbitrado pelo magistrado, caso a decisão fosse descumprida de modo que a quantia deveria ser bloqueada das contas destinadas à publicidade institucional. No entanto, o pedido de liminar foi negado no dia 3 de junho de 2015, pois o magistrado não viu a necessidade de urgência e optou por apreciar o caso de forma mais aprofundada para embasar melhor sua decisão.
Na inicial, o Ministério Público também pede que seja determinado ao estado de Mato Grosso, a imediata deflagração de concurso público para o cargo de biblioteconomista para atender toda a rede estadual de ensino, bem como, durante o prazo de conclusão do certame público, excepcionalmente, a adotar medidas necessárias para contratar um profissional com registro profissional no Conselho Regional de Biblioteconomia, para cada biblioteca da rede estadual de ensino.

Depois que a liminar foi negada o Estado foi notificado e apresentou contestação em agosto do ano passado que foi impugnada pelo MPE em setembro. Os argumentos utilizados pelo Estado não foram publicados no site do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Agora, o magistrado vai aguardar as partes se manifestarem sobre a necessidade, ou não, de produção de provas.

Evento: Repositórios digitais

I Fórum Nacional de Repositórios Digitais
Data: 8-10 de setembro 2016.
O I Fórum Nacional de Repositórios Digitais, promovido pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte através do Departamento de Ciência da Informação e da Biblioteca Central Zila Mamede. Será realizado em Natal/RN no período de 16 a 18 de novembro de 2016 com o objetivo de promover um espaço de discussão teórica e prática através de mesas redondas, relatos de experiência e minicursos congregados em quatro eixos temáticos: Gestão e Políticas para Repositórios Digitais; Metadados em Repositórios Digitais; Tecnologias para Repositórios Digitais e Preservação em Repositórios Digitais.

Evento: Desenvolvimento de coleções

Em nome da Comissão gostaria de divulgar a data do próximo encontro do Comitê Brasileiro de Desenvolvimento de Coleções.

A IV Reunião Nacional ocorrerá no SNBU em Manaus, no dia 15 de outubro, data reservada para os eventos paralelos: http://www.snbu2016.com/#!eventos-paralelos/ch4e


Local:    XIX SNBU
             Tropical Manaus Ecoresort
             Av. Coronel Teixeira, 1320 - Ponta Negra
             Manaus - AM

Data:  15 de outubro de 2016, sábado
Horário: 9h às 18h

Em breve divulgaremos a pauta da reunião.

Atenciosamente,

Lenise Di Domenico
Diretoria de Comunicação do CBDC
Bibliotecária do Núcleo de Aquisição - NAQ Biblioteca Central - UFRGS

(51) 3308-3411