29 de dez de 2016

Novo número: Informação e Informação

A revista Informação & Informação acaba de publicar nova edição, disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao.

Informação & Informação, v. 21, n. 2 (2016).
Sumário

Editorial
Data Science: Ciência orientada a dados (1-4). Renata Gonçalves Curty,   Brígida Maria Nogueira Cervantes
Artigos
Ciência aberta: dimensões para um novo fazer científico (5-39). Adriana Carla Silva de Oliveira, Edilene Maria da Silva.
Produção Internacional Sobre Ciência Orientada a Dados: análise dos termos Data Science e E-Science na Scopus e na Web of Science (40-67). Leilah Santiago Bufrem, Fábio Mascarenhas e Silva, Natanael Vitor.
Sobral, Anna Elizabeth Galvão Coutinho Correia
Comunicação científica e atenção online: em busca de colégios virtuais que sustentam métricas alternativas (68-89). Ronaldo Ferreira de Araujo, Ariadne Chloe Mary Furnival.
Algumas considerações sobre os repositórios digitais de dados de pesquisa (90-115). Luis Fernando Sayão, Luana Farias Sales.
Ciclo de vida dos dados: uma perspectiva a partir da ciência da informação (116–142). Ricardo César Gonçalves Sant’Ana.
Curadoria digital: proposta de um modelo para curadoria digital em ambientes big data baseado numa abordagem semi-automática para a seleção de objetos digitais (143–169). Moisés Lima Dutra, Douglas Dyllon Jeronimo de Macedo.
Descoberta de conhecimento em artigos digitais em ciências biomédicas. (170–216). Carlos Henrique Marcondes, Leonardo Cruz da Costa, Sergio de Castro.
Martins
Web Semântica e Ontologias: um estudo sobre construção de axiomas e uso de inferências (217–244). Jose Eduardo Santarem Segundo, Caio Saraiva Coneglian.
Um estudo bibliográfico sobre ligação de entidades (245–291).     Eduardo Habib Bechelane Maia, Marcello Peixoto Bax.
Bibframe: modelo de dados interligados para bibliotecas (292–306). Rogério Aparecido Sá Ramalho.
A formação em ciência de dados: uma análise preliminar do panorama estadunidense (307–328). Renata Gonçalves Curty, Jucenir da Silva Serafim.

Detalhes no URL:

23 de dez de 2016

Feliz Natal para os nossos leitores


Evento: Congresso de Biblioteconomia



27º CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA E DOCUMENTAÇÃOCBBD 2017
Acontecerá em Fortaleza, CE
Período: 16 a 20 outubro de 2017
Tema: “Agenda 2030 do desenvolvimento sustentável: como as bibliotecas podem contribuir com sua implementação”.
Fonte: FEBAB.

Uma biblioteca pioneira para a fotografia no Brasil



O IMS Paulista chega em julho de 2017 com foco em artes visuais, música e tecnologia digital
Fonte: El Pais. Data: 21/12/2016.
O que já era bom fica melhor. Abre as portas em julho de 2017 mais um centro cultural na avenida Paulista, que abriga uma das maiores ofertas em cultura e entretenimento de São Paulo e – palco emblemático dos vários protestos ao longo do ano –, se consolida como um dos espaços mais pulsantes da cidade. É o novo endereço paulistano do Instituto Moreira Salles, entidade privada especializada em literatura, música e artes visuais que detém um dos maiores acervos fotográficos do país. Seguindo o talento da casa, a novidade inclui uma biblioteca dedicada a publicações sobre fotografia e com acesso livre ao público que é a primeira do país, com 230 m² e 30.000 itens.
Além da biblioteca, o novo IMS Paulista chega prometendo uma ampla oferta de atividades ligadas sobretudo a foto, cinema, vídeos e tecnologias digitais. Serão sete andares, dos quais três se voltam exclusivamente às exposições, com um auditório para exibição de filmes, palestras e shows, salas de aula para cursos, um café e um restaurante. “Será um museu 100% voltado ao público, que atraia as pessoas e crie uma relação franca com a rua”, afirmou o diretor do IMS, Flávio Pinheiro, na coletiva
Segundo Lorenzo Mammì, que será o diretor do museu, a curadoria de conteúdo seguirá quatro eixos principais: “Teremos a fotografia como principal objeto, o investimento na realização de exposições próprias, a articulação para diferentes usos do espaço e a integração com o entorno territorial onde a nova sede estará instalada”, adiantou o músico, filósofo e crítico de arte que organizou, entre outros, o livro de ensaios 8X fotografia.
Dos hits da biblioteca, comprados do acervo pessoal do fotógrafo húngaro Thomas Farkas (1924-2011), fazem parte os 135 números da revista Novidades Fotoptica e os 100 da Revista de Fotografia, entre outros títulos. Também as mais de 1.000 obras que pertenceram à fotógrafa polonesa Stefania Bril. Tanto Farkas como Bril, que se radicaram no Brasil, são nomes centrais para a fotografia nacional. [...]

MIT pretende transformar sua biblioteca em “biblioteca global”



Fonte: Universia. Data: 12/12/2016.
Ideia é permitir que comunidade acadêmica global possa acessar a biblioteca da universidade
Bibliotecas parecem ser um daqueles lugares que permanecem atemporais, não é mesmo? Como se, independente da tecnologia lá fora, elas continuassem as mesmas. Bem, não é assim que pensa o Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Em um relatório preliminar, elesfalam sobre transformar a sua em uma plataforma global de conhecimento e comentam qual é o “Futuro das Bibliotecas”.
Baseando-se na própria biblioteca, o instituto pensou em propostas para melhorar o acesso ao conteúdo. A ideia é transformar o local em uma plataforma global aberta, promovendo o conhecimento e o levando a gerações futuras. A força tarefa que vem conduzindo o estudo visou na seguinte questão: trata-se de uma biblioteca global para uma universidade global.
O diretor do MIT, Chris Bourg, vê nisso uma oportunidade de levar os conhecimentos da universidade além. “Imaginamos o tipo de biblioteca que precisamos para uma instituição que visa melhorar o mundo. É uma chance de crescer, liderar o caminho, aproveitando as experiências únicas que o MIT tem”, diz.
Para isso, foi criada, em outubro de 2015, uma força tarefa para discutir a questão e apresentar propostas. Foram estabelecidos quatro pilares: Comunidade e Relacionamentos, para tratar sobre a interação da biblioteca com a comunidade local e global; Descoberta e Uso, sobre o fornecimento de informações; Administração e Sustentabilidade, envolvendo o controle e proteção dos recursos e Pesquisa e Desenvolvimento, abordando as necessidades e práticas das bibliotecas.
O grupo, que ainda está desenvolvendo práticas e meios, propõe aproximar os usuários e ter uma abordagem mais flexível, que sirva a alunos, ex-alunos, a comunidade acadêmica global, funcionários e etc. Outra ideia é levar as pesquisas do MIT para além do campus, aumentando ainda mais o seu alcance. Um relatório final, com ideias mais concretas, ainda será lançado. Não há data, no entanto, para isso acontecer por enquanto.