31 de mai de 2013

Brincadeiras com texto melhora a alfabetização

Fonte: UOL Educação. Data: 27/05/2013.
Autoria: Cristiane Capuchinho.
Incluir exercícios com letras e números na educação de crianças a partir dos três anos melhora o desenvolvimento na alfabetização, afirmam especialistas. A prática, conhecida como letramento, não é novidade em escolas particulares. No entanto, na rede pública, a educação infantil ainda se resume ao cuidado e a brincadeiras sem intenção didática.
A proposta não é a de transformar creches em escolas, mas a de colocar as crianças em contato com textos, letras e conceitos como preparação para a alfabetização, explica a psicóloga Tarciana de Almeida, especialista em psicologia cognitiva.
`Assim as crianças podem chegar ao final do 3º ano [do ensino fundamental] como leitoras, escritoras e falantes de sua língua cada vez mais competente, afirma a pedagoga Patrícia Moura Pinho, professora da Universidade Federal do Pampa.
`É a escola pública que não faz isso com a alegação de que se está `escolarizando a educação infantil. Isso só aumenta a desigualdade, estamos reduzindo as chances dos alunos de escola pública, pontua Angela Dannemann, diretora executiva da Fundação Victor Civita.
Para as especialistas, as críticas ao letramento infantil não são pertinentes. Desde sempre a criança está inserida no mundo da escrita. Tudo depende de como a questão for trabalhada, podemos, por exemplo, trabalhar textos de forma muito rica, sem que a criança seja necessariamente alfabetizada, considera Tarciana.
Ampliando horizontes
De maneira lúdica, os professores podem tornar familiar as letras, diferentes formas de apresentação de texto ou conceitos. `A comparação entre tamanhos de sapatos ou alturas pode ajudá-las a entender o sistema métrico e até mesmo a compreender dezenas e centenas`, exemplifica Angela.
A leitura de diferentes tipos de textos, como livros, cartas e jornais, apresenta a diversidade de registros possíveis para a escrita. Esta é uma forma de trabalhar linguagem em uso real e não descontextualizada e sem sentido, como a escola costuma fazer acrescenta Tarciana.
Os pais têm importante papel na introdução das crianças ao mundo das letras, lendo histórias e apresentando os diferentes mundos da escrita. No entanto, é também aí que mora o problema. As crianças que moram em casas em que os pais têm o hábito de leitura já saem na vantagem e a escola pública não ajuda a mudar esse quadro, critica Angela.
Educação infantil no país
Em 2012, a educação infantil reunia 7,3 milhões de crianças matriculadas no Brasil, segundo o Censo da Educação Básica. Dessas, 4,7 milhões estavam na pré-escola e os outros 2,5 milhões em creches.
Para inserir o letramento nesse período escolar, no entanto, é necessária a capacitação dos professores, que não têm conhecimento didático, afirma Angela. Segundo o Censo Escolar de 2012, 35% dos professores da educação infantil têm apenas o ensino médio.
Idade certa
O Senado aprovou o PNAIC (Pacto Nacional para a Alfabetização na Idade Certa), que prevê uma série de ações envolvendo União, Estados e municípios para garantir a alfabetização dos alunos da rede pública de ensino até os oito anos de idade até 2022.

O Pnaic prevê o apoio do governo federal para financiar a formação continuada dos professores; as bolsas oferecidas aos profissionais e outras atividades voltadas ao cumprimento dos objetivos do pacto. A estimativa é que sejam investidos cerca de R$ 3 bilhões até 2014.

Cresce o uso de computadores nas escolas públicas brasileiras

Os computadores portáteis estão mais presentes nas escolas públicas brasileiras, mas a velocidade de conexão limita o uso das tecnologias de informação e comunicação (TICs) nessas instituições. Setenta e quatro por cento das escolas públicas possuíam computador portátil em 2012, em comparação com os 67% de 2011 e 49% de 2010.

Detalhes na pesquisa no URL: www.cetic.br/educacao/2012.

Casa de José Américo inicia processamento técnico do acervo de cordel

Fonte: Governo da Paraíba. Secretaria de Cultura.
O projeto “Acervo Inicial de Literatura de Cordel Leandro Gomes de Barros”, desenvolvido pela Fundação Casa de José Américo, órgão vinculado à Secretaria de Estado da Cultura, encontra-se no final da quarta etapa, que corresponde ao processamento técnico do acervo adquirido. O projeto tem o objetivo de formar um acervo especializado em literatura de cordel e obras literárias afins, para preservar a memória da cultura popular regional e disponibilizá-lo ao público.
Elaborado pela equipe da Biblioteca Dumerval Trigueiro Mendes e do Departamento de Pesquisa, ambos os setores da Fundação Casa de José Américo, o projeto foi iniciado em julho do ano passado e está sendo desenvolvido em cinco etapas sucessivas: pesquisa, seleção, aquisição, processamento técnico e elaboração de um catálogo.
A etapa atual, que é o processamento técnico, é a parte da indexação ou identificação do assunto dos folhetos. A coordenadora do projeto e diretora da Biblioteca Dumerval Trigueiro Mendes, Nadígila Camilo, explicou que ela é realizada através da leitura textual para definir o assunto de cada folheto. Os folhetos adquiridos se encontram em variados formatos, tanto nos tradicionais, como também, em forma de revista em quadrinhos, livros de literatura infantil, para o incentivo do hábito de leitura.

Nadígila explicou que o formato de livro é usado como instrumento pedagógico no ensino de várias disciplinas: Português, História, Geografia e outras. Acrescentou que como objeto de estudo científico, o cordel vem sendo pesquisado nas diversas áreas do conhecimento. Segundo ela, até agora já foram processados tecnicamente 3.048 folhetos e catalogados 554 autores das diversas regiões do Brasil. Foram adquiridos folhetos antigos considerados clássicos e raros e também de novos autores. (...)

Benefícios da tecnologia nas bibliotecas públicas

Portugal, por meio da Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB), foi um dos 17 países europeus convidados, pela Fundação Bill & Melinda Gates, a participar no estudo para aferir as percepções dos usuários sobre os benefícios das TIC nas bibliotecas públicas.
Os objetivos do Estudo foram compreender, do ponto de vista de quem frequenta as bibliotecas públicas municipais, o impacto que as mesmas têm na sua vida e de que modo o acesso às Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), através das bibliotecas públicas, pode apoiar a aplicação das políticas específicas de crescimento, educação, e coesão da Estratégia Europa 2020 da União Europeia.
Pretende-se ainda que o Estudo seja um instrumento de defesa da necessidade de investimento nas TIC nas bibliotecas públicas, tendo em atenção o papel decisivo das mesmas na vida dos cidadãos, nas diferentes áreas analisadas.
Detalhes no URL:

30 de mai de 2013

Bibliotecas de universidades usam redes sociais

Fonte: Noticias Br. Data:
URL: www.noticiasbr.com.br/bibliotecas-de-universidades-publicas-usam-redes-sociais-106294.html
A nova funcionária da biblioteca da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP), Giseli Adornato, com 33 anos de idade publicou em sua tese que as universidades não aproveitam o potencial das redes sócias para divulgar e tornar simples os processos dentro de suas bibliotecas.
Isso explica o motivo dela criar em 2009 um perfil no Twitter da biblioteca onde trabalha, com o nome de bibliotecafea. Os seguidores da bibliotecafea na rede social, atualmente são nada mais nada menos que 3,4 mil alunos da instituição. Para Giseli as bibliotecas precisam de outras formas de se comunicar com os seus novos usuários, e, analisando o perfil destes jovens universitários, o que os caracteriza é o uso frequente de redes sociais como meio de comunicação.
Com o sucesso da participação do órgão na rede social Twitter, em 2011, a bibliotecária e seus colegas de trabalho resolveram entrar na blogosfera e lançaram o bibliotecafea.com, um blog como novo meio de comunicação. O uso do blog complementa o uso da rede social, o Twitter. Para o blog são separadas as notícias sobre produtos e também serviços, as aquisições da biblioteca de novos livros e tutoriais.
Hoje, a bibliotecária Giseli Adornato atua na biblioteca da FEA Universidade de São Paulo como chefe da seção de atendimento ao usuário.
Gisele procurava em trabalhos acadêmicos da área em que ela formou se, Biblioteconomia, a respeito de mídias sociais e não obteve nenhum resultado, ninguém ainda havia pesquisado o tema. Foi assim que ela decidiu o tema para defender em seu mestrado, sua dissertação ganhou o nome de Uso das Ferramentas de Redes Sociais em Bibliotecas Universitárias: Um Estudo Exploratório na Unesp, Unicamp e USP. Ela apresentou sua tese apenas em 2012 para a bancada da Escola de Comunicação e Artes (ECA) da USP.
Durante o levantamento de dados para sua monografia, Gisele descobriu que cerda de 50% das 101 bibliotecas espalhadas pelas universidades paulistas tem presença e está usando está redes sociais como ferramentas de comunicação, especialmente nas mídias Facebook e Twitter.

De acordo com ela existem sim desvantagens ao usar estas ferramentas, porém, para ajudar na interação com seu público elas cumprem um papel bem eficiente em comunicação. Afinal através de sua comunicação comumente mais informal e de caráter dinâmico, acabam por atrair visitas que podem se tornar novos usuários da biblioteca.

Descoberto inédito de Eça de Queirós

Fonte: RTP. Data: 22/05/2013.
URL: www.rtp.pt/noticias/index.php?article=653346&tm=4&layout=121&visual=49

O libreto da opereta A Morte do Diabo, obra humorística co-escrita por Eça de Queirós e Jaime Batalha Reis, foi encontrado na Biblioteca Nacional pela investigadora Irene Fialho. Encontrava-se entre o espólio do compositor Augusto Machado. Absolutamente inédito, estará à venda a partir de 4 de junho.

A partitura não faz menção ao título nem aos seus autores mas mostra, alegam os seus estudiosos Irene Fialho, Mário Vieira de Carvalho e José Brandão, uma faceta pouco conhecida de Eça de Queirós, a do verso cómico.
A Morte do Diabo foi composta em 1896 por Augusto Machado e era até agora apenas conhecida por referências em textos dispersos dos seus libretistas.

A Editorial Caminho vai colocar o inédito à venda a partir de quatro de junho, na Feira do Livro de Lisboa e em todas as livrarias.

Lorena (SP) disponibiliza acesso gratuito à internet na biblioteca

Fonte: Vale News. Data: 22/05/2013.
URL: http://valenews.com.br/geral/15988-prefeitura-de-lorena-disponibiliza-a-populacao-acesso-gratuito-a-internet-na-biblioteca-central.html
A Biblioteca Municipal de Lorena reabriu as portas para a população acessar a internet, gratuitamente, por meio do Acessa São Paulo, do governo paulista, e Inclusão Digital, do governo federal, projetos criados para combater a falta de acesso da população menos favorecida à rede mundial de computadores.
As salas estavam fechadas desde outubro de 2012 e foram reabertas este ano totalmente reorganizadas para atender a população
Trata-se de uma ação estratégica, tendo em vista a localização privilegiada do espaço, na região central da cidade.
Os interessados devem fazer um cadastro para utilizar os computadores. Basta levar um documento com foto e preencher a ficha de adesão. Menores de 11 anos devem estar acompanhados por um responsável para fazer o registro. Para se cadastrarem, maiores de 11, até completarem 18 anos, precisam ter em mãos xerox autenticada do documento de um dos responsáveis.
O serviço de internet gratuita na biblioteca municipal é oferecido de segunda a sexta-feira, das 9h às 12h e entre 13h e 16h. São 18 máquinas disponíveis para a comunidade, sendo 10 do programa estadual e o restante na sala ao lado, onde funciona o projeto do governo federal.
O serviço tem um caráter de utilidade pública, direcionado à informação e ao conhecimento.
Além do acesso à rede mundial de computadores, é possível fazer impressões de currículos, boletos, trabalhos escolares, documentos online, antecedente criminal, entre outros. Cada pessoa tem direito a três impressões. O tempo permitido para o acesso é de 30 minutos por usuário, podendo ser estendido por mais 30 minutos. Caso não haja outra pessoa esperando, o tempo poderá ser prorrogado novamente.
Endereço:
Biblioteca Municipal de Lorena
Praça Conde de Moreira Lima, s/n, no Centro

Lorena, SP

British Library recebe canções dos Beatles

Fonte: Portal Terra. Data: 23/05/2013.
URL: http://musica.terra.com.br/biografo-dos-beatles-doa-cancoes-de-lennon-a-biblioteca-britanica,298f8baa07cce310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html
O aclamado biógrafo dos Beatles Hunter Davies doou cartas e canções manuscritas por John Lennon para Biblioteca Britânica, que irá expor os escritos na galeria dos Tesouros, junto com as obras de Beethoven e Shakespeare.
Entre os documentos cedidos à nação figuram as letras de canções tão míticas do quarteto de Liverpool como "Strawberry Fields Forever", "She said she said" e "In My Life".
Davies, que conheceu os Beatles no anos 60, doou seu arquivo da popular banda através de um programa governamental que oferece vantagens fiscais para quem presenteie o Estado com patrimônio artístico.
"Enquanto trabalhava em um novo livro sobre os Beatles, decidi que a Biblioteca Britânica deveria ter a melhor coleção pública de seus manuscritos, e estou feliz que graças a este programa isso pôde se tornar realidade", declarou o escritor.
O diretor da Biblioteca Britânica, Roly Keating, se mostrou muito contente com o legado e afirmou que "a vitrine dedicada aos Beatles é uma das mais populares na galeria dos Tesouros".
"Os visitantes de todo o mundo se emocionam ao ver estas letras tão lendárias em suas minutas originais", acrescentou.
A coleção dos Beatles é exposta na mesma seção que o texto da Carta Magna britânica e de obras de Beethoven e William Shakespeare.
Davies, de 77 anos e autor em 1968 da única biografia autorizada do grupo, já tinha emprestado os documentos à Biblioteca, que agora os terá de forma permanente.

"Quero que minha coleção dos Beatles permaneça junta, em um lugar e exposta ao público, e a Biblioteca Britânica é o lugar perfeito", disse o escritor. 

25 de mai de 2013

Campanha: uma Biblioteca Pública Distrital

Brasília ainda não tem uma Biblioteca Pública Distrital como existem as Bibliotecas Públicas Estaduais. Quem quiser assinar a petição para que a "Biblioteca Nacional de Brasília" seja transformada em Biblioteca Pública do Distrito Federal pode consultar o sitio:



24 de mai de 2013

Palestra sobre PDF/A

A palestra do João Lima sobre PDF/A pode ser assistida no Youtube, em http://www.youtube.com/watch?v=rCGYgCGR34Y

Noticias da ABRAINFO

Nota enviada por Luiz Augusto Milanesi

Em poucos dias a ABRAINFO receberá os seus primeiros associados. Os convites serão expedidos, inicialmente, para os membros deste grupo. Por isso, peço a todos que tragam para cá os bibliotecários, arquivistas, museólogos e a vasta gama de profissionais de TIC. Em outros termos: todos que trabalham na área ou que tenham interesse por ela. Convidem essas pessoas para este grupo. A meta é chegarmos a 2.000 aqui. Esse esforço pode prenunciar o futuro da ABRAINFO: entidade feita por todos e para todos.

23 de mai de 2013

Novo livro sobre economia política da informação

Inicialmente dissertação de mestrado em Ciência da Informação (IBICT/ECO-UFRJ), a primeira versão de Trabalho com informação: valor, acumulação, apropriação nas redes do capital, do professor Marcos Dantas, data de 1994, revista em 1996 e 1999. Mas não é necessariamente um livro datado: ao contrário, escrito, na sua maior parte antes de a internet ter se transformado nesse fenômeno de massas que hoje todos vivenciamos e quando ainda quase nada se falava, no Brasil, de "sociedade da informação", "sociedade em rede" e, absolutamente nada, de "capitalismo cognitivo" ou "trabalho imaterial", o estudo antecipava alguns dos grandes problemas que se encontram na agenda social e política atual, dentre eles o conflito entre o livre acesso ao conhecimento e as leis de propriedade intelectual, assim como a real natureza do trabalho ("imaterial"?) no capitalismo contemporâneo. (...)
Em seguida, debate os conceitos de "sociedade da informação", conforme ainda eram postulados na primeira metade da década 1990, dialogando, entre outros autores, com Daniel Bell e Radovan Richta, este um dos poucos marxistas a perceber, ainda na década 1960, as transformações pelas quais passava o capitalismo e, daí, as possibilidades (afinal frustradas) do socialismo. Então, o livro avança nas questões polêmicas da atualidade, desde descrições detalhadas do trabalho informacional comandado pelo capital, até os conflitos econômicos e políticos que, já nos anos 1990, tratavam da chamada "propriedade intelectual". Simplesmente, a informação, por sua natureza (se cientificamente compreendida), não pode ser reduzida a mercadoria, sustenta Dantas. Por isso, o valor da informação (extraído do trabalho) só pode ser apropriado através de métodos violentos expressos nas leis de "propriedade intelectual" sancionadas pelo Estado (capitalista). Essa apropriação se dá na forma de rendas informacionais, fundamento do capitalismo rentista e financeiro dos nossos dias. O autor então examina algumas leis que àquela época emanavam dos Estados Unidos, precursoras dos SOPA e ACTA de nossos dias, por meio das quais o governo desse país impunha, ao resto do mundo, o monopólio do conhecimento pretendido por suas corporações transnacionais. Nesse cenário, Dantas discute o "copyright" do software, as patentes farmacêuticas, a biopirataria, os rearranjos regulatórios ("neo-liberais") nas comunicações e aponta para o destino necessariamente "proprietário", sob o capitalismo, que viriam a ter as redes digitais, quando mal nascia a internet. Só faltou falar em "jardins murados", expressão desconhecida à época em que escreveu este trabalho. (...|)
O texto completo da obra (formatos PDF ou epub) está disponível no URL:

Base de dados sobre censos demográficos

Fonte: FAPESP. DATA: 21/05/2013.
O Centro de Estudos da Metrópole (CEM) – um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (CEPID) da FAPESP – acaba de disponibilizar um vasto conjunto de bancos de dados referentes a Censos Demográficos realizados pelo IBGE ao longo de meio século e Pesquisas Nacionais por Amostragem de Domicílios (PNADs) coletadas ao longo de 35 anos. As informações podem ser acessadas no site do CEM, na área Base de Dados, e servem como fonte básica para os trabalhos de investigação de um dos novos projetos do centro, o “Projeto Censo – Quanto o Brasil mudou nos últimos cinquenta anos?”.
O visitante do site consegue ter acesso a uma enorme variedade de informações originais de pesquisas do IBGE, com a documentação completa.
De acordo com os responsáveis pelo CEM, são microdados das amostras de seis Censos (1960-2010) e de 31 PNADs (1976-2011), que não são encontrados conjuntamente para download em nenhum outro lugar. Além da abrangência na disponibilização das informações, os dados já estão prontos para serem trabalhados (abertos em formato SAV – para o Software SPSS).
Os Censos são decenais e se constituem na principal fonte de informações sociodemográficas do Brasil. Sua coleta se baseia num questionário resumido e aplicado a toda a população, bem como num conjunto estendido de perguntas, que são feitas apenas para uma amostra (de 10% a 25% do total de habitantes – cerca de 20 a 30 milhões de pessoas). Nesta divulgação, o CEM disponibiliza os microdados da amostra.
As PNADs são feitas anualmente e cobrem todo o país trazendo dados detalhados sobre diversos temas. A cada ano, o questionário das PNADs traz também um suplemento, cujo tema sempre varia: saúde, violência, programas sociais etc. Pela sua regularidade e abrangência, estão entre as principais fontes de informação quantitativa para pesquisas sociais – e preenchem todo o período intercensitário.
Com os bancos de dados (em formato SAV) de todos os Censos e PNADs, foram disponibilizados também dicionários de códigos (em formatos DOC, PDF ou XLS) e a documentação complementar original, elaborada pelo próprio IBGE. A extensão e o detalhamento dessas informações variam bastante ao longo dos anos e, por isso, para os anos mais recentes existem mais documentos, relativos a aspectos mais amplos das pesquisas.
Para as PNADs estão disponíveis também os arquivos de banco de dados originais, em formato DAT, que podem ser lidos em qualquer software estatístico com auxílio das informações de layout contidas nos dicionários de variáveis.
Os dados estão incorporados na área de Base de Dados do novo site do Centro de Estudos da Metrópole e podem ser acessados livremente. Basta preencher o cadastro, que é gratuito. Para quem já se cadastrou, basta apenas informar seu endereço de e-mail no espaço correspondente.

Brasil e China vão trocar experiências sobre preservação digital

Fonte: Monitor Mercantil.  Data: 20/05/2013
URL: www.monitormercantil.com.br/index.php?pagina=Noticias&Noticia=133511&Categoria=INTERNACIONAL
Brasil e China farão uma troca de informações sobre preservação digital de arquivos históricos. O assunto foi discutido durante encontro hoje entre o diretor- geral do Arquivo Nacional, Jaime Antunes, e do diretor-geral do Arquivo Municipal de Tianjin, na China, Rong Hua. A reunião foi na sede do Arquivo Nacional.
- O mundo é digital. É inexorável que cada vez mais registros se produzam digitalmente para você garantir que a qualquer momento que você necessite daquela informação, ela esteja disponível, senão estaríamos contribuindo para uma amnésia nacional. Teríamos preservados documentos de séculos passados e estaríamos chorando a preservação do patrimônio do século XXI - disse Antunes.
Segundo o diretor do Arquivo Nacional, a China tem uma longa tradição em preservação de arquivos, enquanto o Brasil está apenas começando.
- Por meio da preservação digital, iremos aumentar a longevidade desses materiais para que a qualquer momento essa informação possa ser vista por qualquer pessoa. Primeiro, queremos fazer o intercâmbio de informações com o Brasil. Segundo, nós queremos estabelecer um acervo de informações gerais sobre a nossa cidade. Como o Brasil teve um consulado na cidade em 1909, buscamos informações sobre esse período - destacou Rong Hua.
A estimativa do governo federal é implantar até o início de 2014 o programa de administração sem papel, dando prioridade à digitalização de arquivos, que estão sob risco de deterioração.

Ligado ao Ministério da Justiça, o Arquivo Nacional foi criado durante o reinado do imperador Pedro II para a preservação e divulgação do patrimônio documental do país. Atualmente, o órgão tem cerca de 16 milhões de páginas digitalizadas.

22 de mai de 2013

Curso: Digital Object Identifier

O DOI é um identificador que pode ser atribuído a qualquer objeto digital de propriedade intelectual. No Brasil sua atribuição tem sido feita para a produção científica publicada especialmente em periódicos. O Currículo Lattes solicita do autor do artigo o código DOI. Editores de periódicos científicos sem DOI já não conseguem submissões dos autores mais conceituados. Neste curso estaremos apresentando os conceitos, requisitos e responsabilidades para atribuição do DOI nas publicações científicas. A ênfase maior da oficina será dada aos periódicos publicados em OJS/SEER mas serão também demonstrados os procedimentos para outros tipos de publicações.
Carga horária: 30h
Docente: Profa. MSc. Claudiane Weber
Duração do curso:
O curso tem carga horária de 30 horas que poderão ser desenvolvidas em até 45 dias corridos, a partir da liberação da senha para o aluno. O curso fica disponível 24 horas, 7 dias da semana, durante os 45 dias. Os feriados nacionais não serão considerados como dias corridos e serão adicionados ao prazo de 45 dias.
Detalhes no URL:

21 de mai de 2013

CAPES obrigada a divulgar planilha completa do Qualis de Periódicos


Fonte: Open Knowledge Foundation, Brasil (BR.OKF)
Data: 21/05/2013.
Com base na Lei de Acesso à Informação, solicitei a planilha da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES), contendo os itens da avaliação Qualis que compõem a nota atribuída aos periódicos da área Interdisciplinar. Em três instâncias, foi-me negado o pedido no órgão. Em janeiro, recorri junto à Corregedoria-Geral da União (CGU), que agora exige a divulgação do documento.
O acesso público aos dados que compõem o Qualis de periódicos tem importância fundamental. É com base nesses dados que se avaliam não apenas os periódicos, mas também a qualidade da produção científica de mais de um milhão de pesquisadores. Essa avaliação também afeta decisivamente a divisão dos recursos federais junto os programas de pós-graduação, pois a aferição da qualidade da produção dos docentes tem como principal referência as notas estabelecidas pelo comitê de cada área disciplinar. Sob muitos aspectos, o Qualis é decisivo para a ciência brasileira. Qual seria o interesse em manter segredo sobre esse documento público? É de estranhar que essa informação já não esteja disponível ao escrutínio público.
Faltam três dias para esgotar o prazo dado à CAPES. E a CGU deve se pronunciar ainda nos próximos dias sobre outra solicitação igualmente denegada pela CAPES: o acesso as planilhas com os componentes das notas de todas as áreas de avaliação – são 48 no total.
A insistente negativa do órgão nos conduz à reflexão sobre o funcionamento dos comitês de área. Como são escolhidos seus membros? Como são definidos os critérios? Quem é consultado para a elaboração dos mesmos? Como é o processo de tomada de decisão? Enfim: qual é o controle e a participação das comunidades de pesquisadores sobre o processo? Se houvesse supervisão pública em todo processo, provavelmente não haveria qualquer problema na divulgação das planilhas completas. Há algum temor sobre o que pode ser revelado a partir da análise das planilhas?
A transparência é um dos mais importantes princípios republicanos. A Lei de Acesso à Informação, que neste mês completa um ano em vigor, deu efetividade a este direito, possibilitando o aumento do controle social e fazendo que as áreas de segredo na administração pública fiquem cada vez menores.
Segue abaixo a integra da ordem emitida pela CGU.
======================================================================= Número do protocolo: 23480020334201291 Data do vencimento: 14/01/2013 23:59:59 Órgão de origem: Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES Decisão final: DECISÃO DE 15 DE MAIO DE 2013
Processo nº 23480.020334/2012-91
No exercício das atribuições a mim conferidas pela Lei nº 12.527, de 16 de novembro de 2011, e pelo Decreto nº 7.724, de 16 de maio de 2012, adoto, como fundamento deste ato, Despacho nº 3958/2013, para decidir pelo provimento do recurso interposto, nos termos do art. 23 do referido Decreto, pelo Sr. Jorge Alberto Silva Machado, no âmbito do pedido de informação nº 23480.020334/2012-91, direcionado à Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior – CAPES.
O órgão/entidade deverá providenciar, após eventual comprovação de ressarcimento de despesas com cópias reprográficas, o fornecimento da informação referente aos elementos que compõem a classificação da lista Qualis-Periódicos, em formato de dados abertos passíveis de análise pelo requerente, em observância das regras e diretrizes aplicáveis a sítios na internet da Administração Pública Federal, no prazo de 10 (dez) dias a contar da notificação desta Decisão.
Brasília, 15 de Maio de 2013.
JORGE HAGE SOBRINHO
Ministro de Estado Chefe da Controladoria-Geral da União

Curso: como trabalhar com deficientes visuais


A Fundação Dorina está desenvolvendo diversas ações para estimular a leitura acessível no Brasil. Sua participação é fundamental! Para começar, promoverá Oficinas de Capacitação para bibliotecários, educadores e profissionais da leitura, ao longo de 2013.
Serão abordados temas relacionados à deficiência visual e leitura inclusiva e com uma metodologia simples aprenderão na prática como promover a leitura acessível.
As oficinas fazem parte do projeto “Ler, Incluir e Transformar!”, com o apoio do Ministério da Cultura. Além de produzir e distribuir livros acessíveis, este projeto desperta a consciência das pessoas para a causa da deficiência visual.
Sua participação é muito importante para que cada vez mais pessoas com deficiência visual no Brasil se tornem leitores!
Os participantes receberão certificado e o livro "O livro, a leitura e a pessoa com deficiência visual".
As oficinas são gratuitas e as vagas são limitadas, inscreva-se o quanto antes!


Novo número: Informação e Informação


A revista Informação & Informação acaba de publicar seu último número (v. 17, n. 3, 2012).
Sumário
Editorial. Thais Batista Zaninelli.
Artigos
  • Colaboração entre Programas de Pós-Graduação Brasileiros em Ciência da Informação: modelagem baseada em grafos (1-22). Alisson de Oliveira Silva, André Luiz Dias de França, Carlo Gabriel Porto Bellini, Guilherme Ataíde Dias, Patrícia Maria da Silva, Wagner Junqueira de Araújo.
  • Revistas Internacionais para a área de Ciência da Informação: outra visão além do sistema Qualis/Capes (23-48). Adilson Luiz Pinto, Sibele Fausto.
  • Tecnologias de Informação e Comunicação no cotidiano dos adolescentes: enfoque no comportamento e nas competências informacionais da ‘geração Google’  (49-75). Lucirene Andréa Catini Lanzi, Fernando Luiz Vechiato, Ana Maria Jensen Ferreira da Costa Ferreira, Silvana Aparecida Borsetti Gregorio Vidotti, Helen de Castro Silva.
  • Interoperabilidade entre Linguagens de Indexação como Recurso de Modelagem de Repertório Terminológico de Coordenadorias de Comunicação Social em Ambientes Universitários: uma proposta metodológica (76-101). Vera Regina Casari Boccato, Melissa Camargo Torquetti.
  • A Web 2.0 no Serviço de Referência: análise do uso nas bibliotecas das universidades federais do Nordeste brasileiro (102-124). Edinete Nascimento Pereira, Andréa Vasconcelos Carvalho.
  • Arquitetura da Informação em sites de Pró-Reitorias de Graduação: um enfoque nas Instituições Estaduais de Ensino Superior do Paraná (125-164). Fabiano Ferrari Ribeiro, Silvana Drumond Monteiro.
  • Estratégias para Disseminação do Conhecimento Organizacional: o papel da arquitetura da informação (165-180). Thiciane Mary Carvalho Teixeira, Marta Lígia Pomim Valentim.
  • A Comunicação Organizacional em Unidades de Informação (181-197). Elizabeth Andrade Duarte, Rogério Manoel de Oliveira Braga.
Relatos de Experiência
  • Biblioterapia com Crianças com Câncer (198-210). Maria Cleide Rodrigues Bernardino, Ariluci Goes Elliott, Modesto Leite Rolim Neto.
Resenhas de livros/mídia
  • A Noção de “fórmula” em Análise do Discurso: quadro teórico e metodológico (211-214). Pedro Ivo Silveira Andretta.

Acesso ao texto completo no URL:

Ônibus-biblioteca percorre escolas de Cuiabá


Fonte: O Documento. Data: 15/05/2013.
URL: www.odocumento.com.br/print.php?id=427428
Até o próximo dia 22, o Ônibus Biblioteca “Saber com Sabor” irá percorrer diversas escolas municipais e oferecer às crianças um espaço dinâmico de leitura, entretenimento e, principalmente, de divulgação da cultura.
O ônibus da Secretaria de Educação de Cuiabá é equipado com TV, DVD e notebook com internet móvel, toldo para proporcionar atividades externas com maior conforto para as crianças, leitores e visitantes, além de um acervo de aproximadamente 3.000 exemplares de livros, revistas e gibis, inclusive obras de escritores mato-grossenses.
O ambiente conta ainda com fantasias de personagens da literatura infantil, mala literária e o baú surpresa, em que a criança pode usar a imaginação para contar sua história.  (...)
Além do Ônibus Biblioteca, o projeto “Saber com Sabor” conta ainda com sete bibliotecas fixas e um acervo de aproximadamente 60 mil livros, revistas e gibis.
Todas as bibliotecas oferecem o contato com práticas saudáveis do próprio universo infantil e também a leitores do ensino fundamental e universitários. Os locais contam com acesso a internet e atividades dirigidas pelos educadores, como brincadeiras, contação de histórias, palestras, vídeos, produção de textos literários, teatro, filmes, músicas e oficinas de brinquedos. 

20 de mai de 2013

PORBASE completa 25 anos


Parabéns à Biblioteca Nacional de Portugal pelos 25 anos dessa importante base de dados bibliográficos.
Murilo Cunha

19 de mai de 2013

História da tipografia em cinco minutos


O designer gráfico Ben Barrett-Forrest gastou 140 horas animando as 291 letras recortadas que compõem 'History of Typography, an introduction'. Veja detalhes nos URL:

Igreja se transforma em livraria


Fonte: Público (Lisboa). Data: 24/04/2013.
Abrir uma livraria por estes dias já parece arriscado. Agora imagine-se abrir várias numa pequena vila com pouco mais de 3000 habitantes, a 45 minutos de carro de Lisboa. A ideia começa a ganhar força esta terça-feira com a conversão de um Igreja em livraria.
Veja o vídeo (duração: 5:15) no URL:


17 de mai de 2013

Biblioteca digital de história natural


Biodiversity Heritage Library (BHL)
A BHL é um esforço colaborativo das bibliotecas de História Natural e de jardins botânicos para digitalizar seus acervos e disponibilizá-los como uma “biodiversidade global comum”. Em 2009, ela começou a se expandir globalmente, e agora a BHL inclui mais de 53 mil títulos e 102 mil volumes, que podem ser consultados, cobrindo mais de um milhão de espécies. A BHL coleções da série Smithsonian, da Biblioteca Digital Darwin, do Museu Americano de História Natural, em Nova York; da Biblioteca de Orquídeas da Harvard University, e os livros da Academia Chinesa de Ciências. É uma ótima fonte de informação para para textos científicos raros.

Lançamento do Portal da Saúde


Fonte: Fundação Oswaldo Cruz. Data: 15/05/2013.
URL: www.ensp.fiocruz.br/portal-ensp/informe/site/materia/detalhe/32638
A produção científica brasileira na área da saúde terá um novo instrumento de divulgação a partir do dia 21 de maio: o portal LÓGICOS - Laboratório de Gestão da Informação e Comunicação em Saúde, que será lançado pela Fiocruz Brasília, Universidade de Brasília (UnB) e Ministério da Saúde no final deste mês. Com uma proposta multimídia, a partir da publicação de matérias e entrevistas em diversos formatos - áudio, vídeo e textos - que podem ser compartilhados de forma gratuita, o LÓGICOS dará mais visibilidade às pesquisas.
As três instituições são parceiras no projeto, criado em 2011, que tem como objetivo difundir e divulgar as pesquisas na área da saúde fomentadas ou apoiadas pelo Ministério da Saúde nos últimos 10 anos. O trabalho é desenvolvido pela Fiocruz Brasília e pelo Núcleo de Estudos em Saúde Pública do Centro de Estudos Avançados Multidisciplinares da UnB (Nesp/Ceam/UnB) e financiado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (Decit/MS).
No LÓGICOS, o internauta também terá acesso a um banco de dados com mais de três mil projetos de pesquisas financiados pelo MS: o Pesquisa Saúde - ferramenta eletrônica desenvolvida pelo Decit que permite ao usuário encontrar informações relacionadas às pesquisas ou temas de interesse, a partir de diversos critérios de busca: número de projetos e recursos investidos por ano, região, modalidade de fomento, edital, instituição, entre outros. O Pesquisa Saúde também fornece indicadores e permite a exportação dos resultados de busca para planilha eletrônica, de forma que o usuário possa trabalhar com as informações de acordo com a necessidade.
O LÓGICOS também inclui agenda de eventos e editais, matérias especiais sobre a produção científica em áreas temáticas prioritárias para o Ministério da Saúde e a cobertura de eventos importantes para a saúde pública.
Serviço:
Laboratório de Gestão da Informação e Comunicação em Saúde (LÓGICOS)
Data: 21 de maio, às 15 horas.
Local: Auditório Interno da Fiocruz Brasília – Av. L3 Norte, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Gleba A, SC 4
Brasília, DF

Lançado o Portal do Livro Aberto


Fonte: IBICT, Assessoria de Imprensa. Data: 16/05/2013.
O Portal do Livro Aberto em Ciência, Tecnologia e Inovação foi lançado nesta quarta-feira (15/05), em Brasília, no auditório do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT). O Portal tem o objetivo de reunir, divulgar e preservar as publicações oficiais em ciência, tecnologia e inovação, editadas por órgãos dos Poderes Executivo e Legislativo Federal.
O Portal foi lançado com 527 publicações oficiais. Sua estrutura segue os 18 temas da Estratégia Nacional da Ciência, Tecnologia e Inovação, dentre Fármacos e Complexo Industrial da Saúde; Petróleo e Gás; Biotecnologia; Nanotecnologia; Biodiversidade; Mudanças Climáticas; Oceanos e Zonas Costeiras; Popularização da C, T & I; Inclusão Produtiva e Social, além de uma coleção sobre Ciência da Informação, área temática do projeto piloto, e uma amostra representativa das obras editadas pelo IBICT, ao longo dos seus quase 60 anos de existência. (...)
O diretor do IBICT, Emir Suaiden, disse que as revistas eletrônicas são ricas em produção científica e que o Instituto tem investido muito nessa informação. "Desenvolvemos este importante produto com o apoio da FINEP, que é uma parceira muito importante para nós. Eu vejo o IBICT como um rato que ruge, ou seja, somos pequenos, temos poucos funcionários e o nosso orçamento não é o ideal, mas graças a esta garra que temos, conseguimos realizar muitos sonhos. Este Portal é um novo sonho muito importante para o nosso País e para a comunidade científica brasileira. Estamos fazendo ressurgir a convicção de que a memória do nosso patrimônio científico cultural precisa ser preservada. Só conseguiremos vencer e convencer quando dermos mais importância a esta memória e apresentarmos programas de grande impacto científico e tecnológico. Parabenizo a equipe do instituto pela devoção e agradeço também à SCUP, que sempre nos apoiou e incentivou nesta caminhada", ressaltou Suaiden.
Paula Melo, da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB), acrescentou que "não poderia ser diferente a minha presença em mais uma conquista do IBICT. Estou aqui como representante da UFRJ, membro do CTC, conselheira da CBBU, que é a Comissão Brasileira de Bibliotecas Universitárias, e eu queria destacar a relevância deste novo serviço que o IBICT oferece para o desenvolvimento da ciência brasileira. Que o lançamento desse portal seja realizado com sucesso", afirmou.
Isa Antunes, da Associação dos Bibliotecários do Distrito Federal (ABDF), agradeceu o IBICT por tomar a iniciativa do Portal, lembrando-se da obrigação dos profissionais bibliotecários de manter a memória das publicações oficiais brasileiras.
A coordenadora geral de Pesquisa e Produtos Consolidados, Maria Carmem Romcy Carvalho, destacou que o Portal é um serviço que se apoia nas diretrizes políticas para o desenvolvimento e a promoção da informação governamental de domínio público, resultado do Simpósio Internacional sobre o Acesso Livre e o Domínio Público de Dados Digitais e Informação para a Ciência, organizado pela UNESCO em 2003.
Carmem Romcy explicou que a intenção é a de que a manutenção do Portal seja feita de forma colaborativa, com a participação dos diferentes ministérios, Câmara dos Deputados e Senado Federal. Segundo ela, está em andamento a constituição do Comitê Gestor do Portal, com representantes das instituições publicadoras para orientar seu desenvolvimento. (...)

Campus de Irati da UNICENTRO terá nova biblioteca


Fonte: Diário de Guarapuava (PR). Data: 16/05/2013.
URL: www.diariodeguarapuava.com.br/noticias/regiao/17,25266,16,05,campus-de-irati-da-unicentro-tera-nova-biblioteca.shtml
A Universidade Estadual do Centro-Oeste e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação firmaram convênio no início de maio, para liberação de recursos para a construção da primeira etapa da biblioteca do Campus de Irati.
(...)
O projeto da obra, em totalidade, prevê a realização de três etapas, que serão realizadas com recursos de uma emenda orçamentária federal proposta pelo deputado Sandro Alex. Nessa primeira fase, será liberado R$ 1 milhão, destinados à estruturação física do prédio. Em sequência, uma nova emenda parlamentar pode ser liberada em 2014, para aplicação na segunda e terceira etapa da obra, que se referem à aquisição de mobiliário, equipamento, softwares biblioteconômicos e de acervo.
A Unicentro está no atual prédio desde 1994 e de acordo com o professor Edélcio Stroparo a biblioteca não conseguiu acompanhar o desenvolvimento da instituição, que na época contava com quatro cursos de graduação e atualmente possui 14, além de cinco mestrados. Para o diretor, a mudança do setor para um novo ambiente é necessária à universidade. “A biblioteca é o coração de uma instituição universitária. É o ambiente mais importante, quase um ambiente sagrado”, destacou. (...)

Biblioteca Pública Estadual do Amapá recebe 10 mil livros


Fonte: Correa Neto . Data: 15/05/2013.
A Biblioteca Pública Estadual Elcy Lacerda recebeu do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP) um pacote de livros de 10 mil exemplares. O acervo está distribuído em livros científicos e de arte, revistas de histórias e em quadrinhos, e livros de pesquisas em geral. A instituição já realiza a distribuição para algumas bibliotecas dos municípios e às escolas que solicitaram o pedido de livros.
A diretora da Biblioteca Elcy Lacerda, Lulih Rojansk, relata a iniciativa do recebimento dos acervos pelo SNBP e explica como funciona o sistema e o que motivou o pedido dos exemplares.
“A Biblioteca Elcy Lacerda, por meio da Coordenadoria do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas do Amapá, participou do 18° Encontro do Sistema Nacional de Bibliotecas. Durante o evento, foi solicitado à Biblioteca Nacional um acervo para a instituição e, principalmente, para as bibliotecas municipais, com o intuito de atualizar os acervos dessas repartições. Com isso, fomos contemplados com 10 mil livros pelo Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas, que nos enviou os exemplares”, afirmou Lulih.
A diretora explica que o papel do coordenador do Sistema de Biblioteca é acompanhar e monitorar o andamento dos trabalhos nas bibliotecas, além de cobrar dos secretários e gestores o funcionamento e o desempenho das bibliotecas dos municípios.
Ela ressalta que cada município tem a responsabilidade de ter uma biblioteca pública e informa que as distribuições dos livros estão sendo realizadas de acordo com os pedidos das instituições, e que algumas já receberam as doações de livros, entre elas estão a Biblioteca Ressaca Lê; Centro Cultural Franco Amapaense e a Sala de Leitura da Escola Estadual Raimunda Dulcineia. As quantidades para cada uma delas variam de 200 a 1.000 exemplares, e vai de acordo com sua procura de público.
“Para nós, da biblioteca, receber 10 mil livros representa um número significativo e expressivo. Foi tão importante que serviu para darmos apoio a outras bibliotecas municipais e comunitárias, doando livros. E isso é muito importante para a comunidade que o recebe”, pontuou a diretora.
Devido à demanda, as bibliotecas públicas de Macapá e Santana irão receber mil livros e, assim como a Escola Bosque do Bailique, o município de Tartarugalzinho e a APA da Fazendinha irão receber 500 exemplares.
O Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas é um órgão da administração federal do Brasil, subordinado ao Ministério da Cultura/Secretaria do Livro e Leitura, e é coordenado pela Fundação Biblioteca Nacional. Em cada unidade federativa existe uma coordenadoria vinculada ao SNBP. Tem como objetivo o fortalecimento das bibliotecas públicas do país.

Evento: Seminário Internacional de Direitos Autorais


Será realizado nos dias 27 e 28 de maio de 2013 na Universidade do Livro, em São Paulo. De acordo com os organizadores, o objetivo é debater o direito autoral diante de questões como o self publishing, copy left e open access, levando em conta ainda as transformações pelas quais a cadeia do livro vem passando, mudanças que incluem emergência de conglomerados editoriais e a concentração do varejo em lojas virtuais.
O encontro terá como palestrantes Petra Hardt, diretora da editora alemã Suhrkamp, e John B. Thompson, professor da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.
Hardt falará sobre os desafios de gerenciar problemas e soluções na negociação de direitos autorais. Thompson, autor do livro Mercadores de Cultura, que a Editora Unesp acaba de lançar, abordará as tendências do mercado e os rumos previstos para os direitos autorais neste início de século.
A Universidade do Livro funciona no prédio da Fundação Editora da UNESP, Praça da Sé, 108, 7º andar, Metrô Sé.
Detalhes no URL:

15 de mai de 2013

Novo número: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação


A Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação - RDBCI acaba de publicar o v. 11, n. 2, Maio/Agosto de 2013, com os seguintes artigos:
Sumário
Editorial. Danielle Thiago Ferreira, Gildenir Carolino Santos.
Artigos
  • A(s) disciplinaridade(s) da ciência da informação: aplicação das leis da dialética marxista no contexto pluri, inter e transdisciplinar (1-20). Jonathas Luiz Carvalho Silva.
  • O conhecimento profissional do catalogador de assunto sobre política de indexação em bibliotecas universitárias (21-39). Paula Regina Dal' Evedove, Mariângela Spotti Lopes Fujita.
  • Análise de citações na área de comunicação e informação: o caso de um programa de pós-graduação (40-60). Zizil Arledi Glienke Nunez, Ana Maria Mielniczuk de Moura.
  • A inclusão afrodescendente na era da informação (76-97). Mirian de Albuquerque Aquino.
  • Fluxo de informação na perspectiva do ambiente em rede (98-124). Cibele Roberta Sugahara, Waldomiro de Castro Santos Vergueiro.
  • Comunicação e conhecimento: interrelações que permeiam o ambiente organizacional (125-135). Ana Maria Teixeira Maciel, Rosana Cristina Vilaça Pimentel, Marlene Marchori.
  • Desafios à implantação da gestão do conhecimento: a questão cultural nas organizações públicas federais brasileiras (136-158). Roberta Moraes Bem, Maria Lourdes Prado, Nelson Delfino.
  • Fatores facilitadores da inteligência organizacional: o papel das unidades de informação (61-75). Delsi Fries Davok, Daiana Lindaura Conti.
Relato de Experiência
  • Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas SIGAA – Módulo Biblioteca: uma oportunidade de retomar a credibilidade da comunidade acadêmica com a efetivação da gestão do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal da Paraíba (159-175). Maria das Graças Vieira, Fábio Firmino Machado.
Pesquisa
  • Tipos, organização e visibilidade de informações em páginas iniciais de websites de universidades brasileiras (176-196). Lígia Dias de Freitas.
  • O ensino da biblioteca digital nos currículos de graduação em Biblioteconomia (197-221). Barbara Olinda de Castro, Murilo Bastos da Cunha.
  • Perfil dos egressos do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Pernambuco (2005 a 2010) (222-236). Charlene Maria dos Santos, Fabio Assis Pinho, Alexander Willian Azevedo.

Acesso ao texto completo no URL:

Evento: CINFORM 2013


Bibliotecas agora precisam ser chefiadas por bibliotecários


Sindicato Nacional dos Servidores Públicos Federais – SINASEMPU obtém julgamento de procedência dos pedidos formulados em Ação Condenatória ajuizada contra a União, garantindo o afastamento de servidores que não possuem diplomação pertinente, especialmente aqueles nomeados para cargos em comissão ou função comissionada, do exercício das atividades de bibliotecários. Ao acolher os fundamentos sustentados por Cassel & Ruzzarin advogados, a sentença afirmou que, apesar de legítima a discricionariedade da Administração na ocupação de suas funções e cargos em comissão, referida discricionariedade deve estar pautada nos limites da lei que, no caso, atribuiu a administração e direção de bibliotecas ao profissional bibliotecário.
REF.: PROCESSO Nº 64153-76.2011.4.01.3400. Juiz Federal Bruno César Bandeira Apolinário.

Biblioteca Mário de Andrade em programa de televisão


Fonte: Panorama Brasil. Data: 10/05/2013.
URL: www.panoramabrasil.com.br/televisao/biblioteca-mario-de-andrade-ganha-capitulo-especial-no-programa-%22arquiteturas%22-id108214.html
A Biblioteca Mario de Andrade, na região central de São Paulo, ganha nesta sábado (11), às 21h, um capítulo especial na série de televisão que está desvendando alguns dos mais importantes locais de convivência já definidos pela mão humana brasileira: o programa "Arquiteturas", do SescTV.
Em 52 minutos de duração, o programa irá se aprofundar na importância arquitetônica da biblioteca e na sua ligação com o convívio de pessoas, o uso coletivo. Construída a partir de projeto do arquiteto francês Jacques Pilon, é considerada marco da art déco na cidade, tendo sido, por isso, tombada pelo Compresp e Condephaat. Mas sua importância é ainda maior. A biblioteca fez parte de um novo projeto político de modernização do país, calcado no investimento em educação, cultura, industrialização e urbanização.
(...)
 “A Biblioteca Mario de Andrade marca a expansão e a verticalização de São Paulo para além dos limites do centro velho, rumo ao eixo sudoeste, além da transferência e ampliação dos serviços, comércio e atividades culturais e de lazer para esta nova área da cidade. Das lojas de comércio requintado às sedes de escritórios e empresas, tudo passa a ser construído nas proximidades da Praça Dom José Gaspar, com a biblioteca sendo o ponto central de um novo jeito social urbano que se constituía naqueles anos e que ainda hoje reverbera no centro”, completa Markun.
Segundo seus autores e o SescTV, a série coloca em discussão na sociedade brasileira a importância de projetos arquitetônicos de uso público nas cidades. “A arquitetura é, assim como as outras artes, reveladora da história e da cultura de um povo. Com a série, o Sesc propõe um debate sobre a apropriação dos espaços e sobre a arquitetura como elemento de identificação de uma sociedade, em sua expressão do simbólico”, afirma Danilo Santos de Miranda, diretor regional do Sesc São Paulo.
(...)
Além do horário especial aos sábados, 21h, os programas serão reexibidos pelo SescTV durante a semana: domingo, às 12h e às 20h; segunda-feira, às 10h e às 22h; terça, às 14h; quarta, às 15h; e quinta, às 8h

10 de mai de 2013

Recursos educacionais em Radiologia


Para os estudantes de Radiologia e áreas afins, este banco de dados, criado pela equipe MedPix, inclui milhares de imagens radiológicas concebidas para serem utilizadas como ferramentas educacionais. Os visitantes podem clicar na Imagem do Dia para começar, e então, responder ao Quiz Semanal. A seção de Tutoria em Radiologia inclui nove diferentes tutoriais que cobrem temas como trauma, técnicas e princípios gerais. O Cerebral Locator pode ajudar os visitantes a aprenderem a identificar lesões cerebrais por meio de imagens radiológicas.

Primeira biblioteca verde da América Latina é do Rio


Fonte: O Dia. Data: 29/04/2011.
Cariocas que amam leitura poderão, a partir de setembro, desfrutar de um espaço que os deixará ainda mais conscientes, inclusive do ponto de vista ambiental. Em obras desde 2008, a Biblioteca Estadual do Rio de Janeiro, na Avenida Presidente Vargas, no Centro, reabrirá suas portas como o primeiro espaço cultural da América Latina a ser abastecido por uma usina de energia solar, que vai reduzir o consumo do local em 30%.
Estruturada na cobertura do prédio, a usina fotovoltáica tem 162 placas que, através de 6 conversores, transformam a energia do sol em elétrica. Com isso, a biblioteca alcançará um patamar de eficiência energética suficiente para concorrer ao Selo de Ouro do LEED (Liderança em Energia e Design Ambiental) — a mais alta qualificação para edifícios sustentáveis.
E as iniciativas sustentáveis da biblioteca não param por aí: haverá também captação de água da chuva para o abastecimento de pias automáticas e descargas dos banheiros. Nas salas de leitura, mesas e cadeiras utilizam fibras de garrafas PET em sua confecção e os assentos são revestidos com couro vegetal. O prédio conta, ainda, com um teto verde, ecossistema sustentável que ajuda no resfriamento do ambiente. E nem a edificação passou despercebida, pois o entulho foi direcionado a recicladoras.
“Respeitar o Meio Ambiente é uma questão cultural, pois requer consciência, acesso à informação e senso crítico”, afirma Vera Saboya, superintendente de Leitura e Conhecimento. “Por isso, entendemos que a principal biblioteca do Estado deveria se colocar no espaço público de forma que evidenciasse esses valores”, complementa.
A iniciativa é uma parceria entre o Governo do Estado e a Light, através do Programa Rio Capital da Energia, orçado em R$ 585 mil. Segundo a superintendente, o objetivo é que as demais bibliotecas públicas do Rio também sigam o modelo.
Programa educativo e visitas guiadas
Quem visitar o prédio da biblioteca depois de pronto terá uma série de motivos para sair mais informado sobre questões ligadas a sustentabilidade e Meio Ambiente.
A Biblioteca do Estado do Rio está desenvolvendo um Programa de Educação Ambiental destinado ao público, que visa discutir a temática ecológica nas mais diversas plataformas culturais. Para começar, o prédio contará com uma sala de projeção e um auditório que exibirão filmes e peças abordando assuntos da natureza.
Serão oferecidas, ainda, visitas guiadas que detalharão a estrutura sustentável do edifício, além da distribuição de panfletos que ensinam as crianças a se comportarem em prol do Meio Ambiente.

Governadora Roseana reinaugura Biblioteca Pública Benedito Leite

Fonte: Jornal Pequeno. Data: 9/05/2013.
URL: http://jornalpequeno.com.br/2013/05/09/governadora-roseana-reinaugura-biblioteca-publica-benedito-leite/
A governadora Roseana Sarney reinaugurou, nesta quinta-feira (9), a Biblioteca Pública Benedito Leite, no Centro de São Luís. Com investimento de R$ 7 milhões, sendo R$ 5,5 milhões em obras civis e o restante em equipamento, a obra de recuperação total do prédio foi executada pela equipe da Secretaria de Estado de Infraestrutura (SINFRA).
Acompanhada dos secretários de Infraestrutura Luís Fernando Silva, e de Cultura, Olga Simão, além de várias autoridades e estudantes, a governadora Roseana entregou o prédio totalmente reformado, ampliado e modernizado.
“Hoje a minha alegria é imensa em fazer a reabertura da Biblioteca Pública Benedito Leite. Ao entregarmos esse prédio com o que há de mais moderno, estamos disponibilizando todo o acervo para a formação e o futuro dos maranhenses, garantindo mais conforto para todos. Temos um acervo atualizado, com mais de 140 mil títulos. Muitas são as novidades que estamos oferecendo a partir de agora, como a Biblioteca do Bebê – pioneira no país. Este é, sem dúvidas, um dos momentos mais marcantes e gratificantes do meu governo”, destacou a governadora Roseana Sarney.
Os serviços consistiram na recuperação de toda a estrutura física, incluindo substituição do telhado e ampliação do anexo (Biblioteca Infantil Viriato Corrêa), e também a troca das instalações elétrica, hidráulica, sanitária e da rede lógica. Com a obra, que teve início no fim de 2010, o prédio ganhou novos espaços, todos climatizados, com tecnologia de ponta e acessibilidade a pessoas com necessidades especiais.
“Hoje a Biblioteca Pública não fica mais restrita a nenhum público. Ela atende a todos os maranhenses com o que há de mais moderno em estrutura física e tecnológica. Reafirmamos hoje, com a governadora Roseana o compromisso com a cultura, com a história maranhense. O dia é de muita alegria e muita satisfação para todos nós”, ressaltou o secretário de Infraestrutura, Luis Fernando Silva.
Inovações
Entre as novidades estão a Biblioteca do Bebê (pioneira no país), Espaço de Leitura (usuário leva seu próprio livro para ler) e o palco e a sala de projeções de filmes, instalados no prédio anexo da Biblioteca Infantil Viriato Corrêa. Há novas acomodações também para os setores de Direitos Autorais, Informação Utilitária, Telecentro, Salas de Multimídia e de Microfilme e Laboratório de Higienização e Digitalização do Acervo. A área do Setor de Braille foi ampliada e seu acervo passa a dispor de novos livros.
No campo dos equipamentos modernos, a Biblioteca Pública passa a contar com um Scanner de microfilmes (que digitaliza direto para impressora, pendrives e disco rígido; permite que o usuário salve uma cópia da informação digitalizada e realize a pesquisa em casa; se conectado à internet, permite o envio das obras digitalizadas, por e-mail) e um Scanner planetário (permite a digitalização de obras encadernadas e em folhas soltas, até o formato A2, tendo como características a alta qualidade e velocidade de digitalização, a baixa exposição dos originais à luz, o não uso de radiação ultravioleta e a não emissão de reflexos mesmo com papéis brilhante).
O acervo da Biblioteca Pública foi enriquecido com 10 mil obras. Com isso, serão mais de 140 mil títulos, entre livros, jornais, revistas, manuscritos, microfilmes, diários oficiais, livros em Braille e obras raras.
“A governadora sabe da importância dessa obra para o Maranhão. Por isso mesmo entregamos hoje um novo prédio com as instalações modernas, equipamentos que facilitam a pesquisa e, sobretudo, garantindo a acessibilidade de todos. Foi um investimento alto, mas de grande importância para garantir um excelente espaço para todos os alunos, professores e pesquisadores maranhenses”, afirmou a secretária de Cultura, Olga Simão.
A Biblioteca Pública desenvolve uma série de ações de incentivo à leitura. Na lista de projetos, estão Terça na Biblioteca, Quinzena do Livro Infantil e Juvenil, Arraial da Tia Nastácia, Férias na Biblioteca, Natal na Biblioteca, Livro na Praça, Programa Nacional de Incentivo à Leitura (Proler) e Semana do Livro Infantil. O espaço está aberto ao público de segunda a sexta-feira, das 8h30 às 19h.
“Hoje é um dia muito especial para todos os funcionários, para todos os maranhenses. A Biblioteca é um bem cultural indispensável para a formação de nossa população. Foi no governo Roseana que recebemos os primeiros computadores vistos nesse espaço e hoje, reabrimos esse espaço completamente reformado e modernizado com novos espaços. Quero desejar a todos boas leituras, boas pesquisas”, disse a diretora da Biblioteca Pública, Rosa Maria Lima.
Conheça a história da Biblioteca Pública
A Biblioteca Pública Benedito Leite completa 182 anos sendo um monumento à leitura e ao conhecimento no Maranhão. Criada pelo então presidente da província, Cândido José de Araújo Viana, em 3 de maio de 1831, tendo como origem uma subscrição popular e voluntária e recebendo o nome de Biblioteca Pública Estadual, a Casa até hoje abriga acervo de livros, revistas, obras de arte, coleções de jornais maranhenses datados desde a Independência (1822) e manuscritos do século XVIII.
Ponto de encontro de jornalistas, escritores, professores, bibliotecários, entre outros intelectuais, a Biblioteca Pública desempenha um papel de relevância cultural no Maranhão e no país. Sua história registra um comprometimento com os anseios populares, tanto por propiciar o livre acesso ao conhecimento, como por ser a maior guardiã da memória cultural do estado. Prova disso, é que na Casa de Leitura foram proferidas as famosas Conferências da Universidade Popular do Maranhão e fundadas a Oficina dos Novos, a Sociedade Cívica das Datas Nacionais e a Academia Maranhense de Letras.
A primeira sede da Biblioteca Pública Benedito Leite foi o Convento do Carmo, na Rua do Egito, onde foi inaugurada em 3 de maio de 1831. No ano de 1851, o espaço foi anexado ao Liceu Maranhense. Depois, pela Lei nº 752 de 1º de junho de 1866, ficou sob a guarda do Instituto Literário Maranhense. Em 10 de junho de 1872, passou aos cuidados da Sociedade 11 de Agosto, com instalações no pavimento superior de prédio da Rua do Egito, onde depois funcionou a Assembleia Legislativa do Estado.
Já no dia 4 de abril de 1883, foi aberta ao público na Igreja da Sé, retornando ao Convento do Carmo em 1886, onde permaneceu abandonada e esquecida. No ano de 1892, é transferida para a Rua Afonso Pena. Três anos após, o acervo foi levado para o prédio da Rua da Paz, hoje Academia Maranhense de Letras, onde reabriu ao público em 25 de janeiro de 1898, sob a direção de Antônio Lobo. No período de 1914 até 1927, retornou ao prédio da Rua do Egito para a parte térrea, sendo novamente transferida para o casarão da Rua da Paz.
O prédio atual, localizado na Praça do Pantheon, antigo Campo do Ourique, e onde antes fora edificado o Quartel do 5º Batalhão de Infantaria, erguido em 1797, foi inaugurado em 12 de setembro 1951. O projeto do prédio é do engenheiro civil maranhense Antônio Bayma.
Em estilo clássico, com cúpula central, o prédio possui alas semicirculares e vãos de janelas encimados por frontões, e em seu interior, salões de leitura para o público e um auditório no 4º pavimento, que foi reformado e modernizado. A homenagem ao ilustre maranhense Benedito Leite data de 1958.

8 de mai de 2013

Portal do Livro Aberto


Já está no ar o Portal do Livro Aberto, que tem por objetivo reunir, divulgar, preservar e dar visibilidade a publicações oficiais em ciência, tecnologia e inovação. Projeto viabilizado por meio de apoio financeiro da Finep, o portal é mais um serviço do IBICT aberto à sociedade, e que hoje conta com a parceria de diferentes órgãos dos poderes Executivo e Legislativo.
Nessa primeira fase, estão contempladas publicações sobre temas atuais como: Tecnologias da Informação e Comunicação, Fármacos e Complexo Industrial da Saúde, Petróleo e Gás, Complexo Industrial da Defesa, Aeroespacial, Nuclear, Biotecnologia, Nanotecnologia, Energia Renovável, Biodiversidade, Mudanças Climáticas, Oceanos e Zonas Costeiras Popularização da C,T&I, Melhoria e Ensino de Ciências, Inclusão Produtiva e Social e Tecnologias para Cidades Sustentáveis.
Em uma segunda fase, serão incluídas publicações oficiais em temas tratados em políticas de ciência e tecnologia de períodos anteriores, assim como aqueles tratados nas demais políticas públicas que tenham interface com a ciência e tecnologia em geral.
Detalhes no URL: http://livroaberto.ibict.br

6 de mai de 2013

Biblioteca sem bibliotecário, livros abandonados


Fonte:Gazeta de Rondônia. Data: 24/04/2013.
Estudantes de Ji-Paraná (RO) reclamam da falta de infraestrutura oferecida pela Biblioteca Pública do município.
Fundado em 1992, o prédio está tomado por cupins, falta iluminação e climatização. Após ser avaliada por um engenheiro, a rede elétrica foi condenada.
Os problemas não se resumem apenas à questão de infraestrutura, mas também com a falta de funcionários. Sem profissional para fazer a manutenção do local, os livros ficam em meio à poeira.
Por mês, pelo menos 680 alunos vão à biblioteca para realizar empréstimo ou apenas utilizar o espaço. Para a estudante Aline Lemos, a única qualidade do local é o silêncio. “Venho aqui para estudar, mas quanto à infraestrutura ela deixa muito a desejar, as mesas e cadeiras são desconfortáveis, falta climatização. O pessoal deveria dar mais atenção pra atrair mais gente”, diz a estudante.
Os frequentadores mais recentes tentam se adaptar às limitações do local. “Fui me sentar mais pertinho da janela, porque além de ser mais fresquinho, tem mais claridade para a leitura”, comenta a estudante de matemática Carla Maria dos Santos, que há uma semana usa o local.
Segundo a funcionária Neide da Silva Lopes, a falta de funcionários traz outros problemas. “Não temos bibliotecário, o que dificulta na organização do acervo de livros e, consequentemente, na procura dos leitores”, explica.
Apesar de um recurso liberado em 2012 para compra de livros novos, não houve investimento para a ampliação do espaço, de acordo com a secretária de Cultura do município, Keila Barbosa. “Ano passado R$13 mil foram liberados para a compra de livros. Depois da compra faltou estante e espaço para guardá-los”, diz.
Para reformar o prédio, que teve a parte elétrica condenada por um engenheiro que avaliou a estrutura do prédio, seria necessário um investimento de R$ 100 mil. Mesmo com as condições precárias o projeto para o recurso e o início das obras no local só deve ser finalizado no fim desta ano.

Biblioteca Pública de Pernambuco completa 161 anos


Fonte: G1, Pernambuco. Data: 5/05/2013.
URL: http://g1.globo.com/pernambuco/noticia/2013/05/biblioteca-publica-de-pernambuco-faz-escambo-para-celebrar-161-anos.html
A Biblioteca Pública de Pernambuco festeja 161 anos de fundação com um escambo de livros, marcado para acontecer nesta segunda (06) e terça (07), das 8h às 19h, com entrada gratuita. Ao todo, 229 títulos estarão disponíveis para troca, dos quais 60 são infanto-juvenis.
Romances, biografias, poemas, clássicos da literatura brasileira e livros técnicos serão oferecidos. Para participar, basta colaborar trazendo livros em bom estado, desde que não sejam didáticos, dicionários ou enciclopédias. Quem trouxer publicações das áreas de direito, saúde e informática só poderá colaborar se as edições forem de 2011 para cá.
Segundo a organização do escambo, o participante vai ganhar um vale para cada título que trouxer, mesmo que haja mais de um exemplar de uma mesma obra. Os organizadores informaram também que não há limite de trocas.
A programação do aniversário da Biblioteca Pública conta também com uma apresentação do grupo Vozes do Verso, nesta segunda, às 15h. Na quinta (09) e sexta (10), o público poderá apreciar uma exposição de livros do Programa Livro Popular doados pela Fundação Biblioteca Nacional, do Rio de Janeiro, à unidade pernambucana - que recebeu 938 exemplares. A entrada é franca e a visitação será das 8h às 19h.
Serviço:
Biblioteca Pública de Pernambuco
Rua João Lira - Santo Amaro - Próximo ao Parque 13 de Maio
Informações: 81. 3181-2642

Biblioteca Digital do DF ficará pronta no final do ano


Fonte: Portal R7. Data: 4/05/2013.
URL: http://noticias.r7.com/distrito-federal/noticias/prometida-para-junho-biblioteca-digital-do-df-ficara-pronta-no-fim-do-ano-20130504.html
Prometida para junho, a Biblioteca Digital do DF só deve estar disponível para população no DF no fim do ano. Em decreto divulgado no Diário Oficial do dia 26 de abril de 2012, foi anunciada a implementação da plataforma que daria origem ao projeto, que tornaria possível encontrar livros, teses, dissertações, fotos e filmes em um único site. Quase um ano após a divulgação, o projeto ainda não saiu do papel.
A Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação será responsável pela coordenação e manutenção da biblioteca em conjunto com o IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), que dará suporte técnico e operacional. O arquivo funcionará, segundo o órgão, no Planetário, que tem reinauguração prevista para novembro deste ano após passar 17 anos fechado.
No lançamento do projeto, o Governo do Distrito Federal informou que a plataforma estaria pronta e foi feita a partir de um software utilizado pela Universidade de Cambridge, no Reino Unido. Em dezembro do ano passado foi iniciado o processo de implantação do projeto, com a união de conteúdos relacionados à história da capital. Foi assinada uma portaria conjunta com o Arquivo Público do Distrito Federal.
Segundo a Secretaria, o atraso no projeto da Biblioteca Digital foi ocasionado pela troca de comando na pasta, fazendo com que os processos fossem embargados diversas vezes, prejudicando o planejamento inicial.

Biblioteca Nacional tem novo diretor


Fonte: Folha de S. Paulo.
Autoria: Marco Aurélio Canônico e Raquel Cozer.
URL: www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada/107100-a-biblioteca-nao-deveria-produzir-eventos-editoriais.shtml
Dois ventiladores tentam cumprir, na sala de reuniões do gabinete da Fundação Biblioteca Nacional, o papel que caberia a um dos antiquíssimos aparelhos de ar condicionado da instituição --posicionado, inerte, ali perto.
É um sintoma do aniversário indesejável que a instituição --detentora do oitavo maior acervo do mundo--, faz neste mês. Completa um ano sem ar-condicionado, desde que o vazamento de um aparelho inundou um andar.
É um mês de decisões emergenciais. Com a saída das políticas de livro e leitura da estrutura da FBN --estas ficarão no MinC, sob comando do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL)--, é preciso redesenhar o organograma.
As mudanças começaram com a decisão da ministra Marta Suplicy (Cultura) de demitir Galeno Amorim da presidência da FBN, em março.
Agora, o cientista político Renato Lessa, recém-empossado na biblioteca, e o novo secretário-executivo do PNLL, José Castilho Marques Neto, precisam definir, até o dia 31 de maio, a divisão do orçamento entre as duas áreas --para então iniciarem os trabalhos práticos.
Lessa assume a biblioteca, em estado crítico, e, ao mesmo tempo, a organização da participação brasileira na Feira do Livro de Frankfurt, a mais importante do mercado editorial, em outubro. Não gosta do modelo. "Não há contrapartida das editoras, o governo paga tudo", diz.
À Folha ele fala sobre suas metas e o cenário "borgiano e kafkiano" que encontrou.
-
Folha -- Como o sr. recebeu o convite para assumir a FBN?
Renato Lessa -- Não demorei a notar a mistura do mundo de Jorge Luis Borges com o de Franz Kafka que existe na Biblioteca Nacional.
A dimensão Borges tem a ver com esse paraíso na forma de biblioteca. Mas é um paraíso com fios desencapado, goteiras, que tiram o aspecto diáfano. O lado kafkiano diz respeito à burocracia.
Uma preocupação foi o fato de a biblioteca ter, nos últimos anos, incorporado as políticas do livro. Para mim, era mais do que uma irracionalidade, era algo que asfixiava a biblioteca. Mas isso a ministra já planejava corrigir.
Por que a FBN continua responsável pela área de internacionalização do livro, que faz parte dessas políticas?
A área será reformulada. Saem da biblioteca a DLLLB [Diretoria de Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas], o Proler [Programa Nacional de Incentivo à Leitura] e o Sistema Nacional de Bibliotecas.
A internacionalização do livro fica, mas o conceito muda. Será internacionalização da biblioteca. Manteremos bolsas de tradução, prêmios literários. Isso é compatível com a FBN. Mas o foco será na conexão com outras bibliotecas, redes internacionais.
Como fica a participação em feiras internacionais?
A Feira de Frankfurt é uma política de governo, compromisso assumido em 2010 e que envolve os Ministérios da Cultura e das Relações Exteriores. A FBN cumprirá a sua parte.
Mas penso em outra forma de internacionalizar a biblioteca. A FBN não pode ser plataforma de eventos editoriais. Prefiro que participe com seu acervo, com a destreza de seus quadros técnicos. Não significa que será uma autarquia nacionalista, mas aparecerá de forma mais própria a ela.
Quais são as atribuições da biblioteca em Frankfurt?
Cuidamos da programação literária, que inclui a montagem do pavilhão e o estande das editoras. Cerca de um terço do gasto com o evento, que deve bater os R$ 18 milhões, passa pela FBN por meio do Fundo Nacional de Cultura, não do orçamento fixo da biblioteca. Outra parte é liberada via Funarte e Ministério das Relações Exteriores.
E qual a participação do mercado editorial na organização?
A participação da Câmara Brasileira do Livro hoje é feita só com recursos do governo.
Não acho que seja o ideal. O país precisa de projeção internacional, mas não às custas exclusivas de recursos públicos. O mercado editorial brasileiro é rico. Deve haver contrapartida das editoras.
Qual o maior problema da Biblioteca Nacional hoje?
Há problemas infraestruturais conhecidos. A FBN precisa de obras, emergenciais e de longo prazo, incluindo ar condicionado e segurança.
Quando foram anunciados R$ 70 milhões para questões como o ar condicionado, a perspectiva de solução era para 2015. É possível agilizar?
Um ponto emergencial é tornar operacionais os antigos aparelhos de ar condicionado que temos. A licitação está sendo feita e isso deve se resolver em curto prazo.
Outro fator é uma obra geral na refrigeração da biblioteca. Que não tem a ver só com o desconforto dos frequentadores, mas com o armazém, que chegou a bater 50°C no verão. Não é recomendável uma temperatura dessas para a guarda de documentos.
Preciso analisar os procedimentos já definidos. Vou falar com a Fundação Getúlio Vargas [FGV], que está elaborando os termos para a licitação. A FBN não tem estrutura para fazer isso internamente.
Como está hoje o déficit de servidores na FBN?
O desaparelhamento institucional obriga a biblioteca a contratar serviços para atividades que deveria poder fazer. Se não precisássemos da FGV para elaborar os termos necessários à licitação, o processo poderia ser abreviado.
É urgente um concurso público. Deve ocorrer em curto prazo, mas não repõe todo o quadro necessário.
Qual seria o quadro ideal?
A biblioteca tem 791 pessoas, entre terceirizados, cedidos por outros órgãos e concursados. Houve evasão de 25% dos concursados desde 2006. Parte do que hoje é terceirizado deveria e deverá ser incorporado à estrutura.
Com a vinda da imensa estrutura das políticas do livro para cá, houve um realinhamento dos cargos de confiança. A composição ficou torta.
E é preciso aumentar salários. Como a guardiã da memória do país pode ser desmemoriada em relação aos que trabalham nela?
O sr. é a favor da equiparação com a Casa de Rui Barbosa?
É um belo exemplo. A Casa Rui conseguiu aumentar os salários por ser uma casa de pesquisa. Foi entendida dentro do sistema nacional de ciência e tecnologia. A FBN tem de fazer o mesmo.
Vou convidar o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, a visitar a biblioteca. Não se trata de mudar de ministério, mas de reconhecê-la como um ente híbrido.
Como está a digitalização do acervo da biblioteca?
Há uma ênfase do governo no tema da inovação. A biblioteca tem que mostrar que guardar acervos tem a ver com inovação. Temos uma estrutura boa para digitalização.
O trabalho já está sendo feito, mas precisamos acelerar, pensar num instrumento de busca que vincule outras bibliotecas. Uma ideia é trabalhar por uma rede de bibliotecas lusófonas, compartilhando bases.
Vida
Nasceu no Rio de Janeiro. Tem 58 anos.
FORMAÇÃO
Ciências sociais pela Universidade Federal Fluminense, mestrado e doutorado em ciência política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro
CARREIRA
Professor de teoria política na UFF (Universidade Federal Fluminense), foi diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio (Faperj) e presidente do Instituto Ciência Hoje