29 de jan de 2013

500 anos da biblioteca da Universidade de Coimbra


Fonte: RTP Noticias e Agência Lusa. Data: 28/01/2013.

URL: www.rtp.pt/noticias/index.php?article=623367&tm=4&layout=121&visual=49

A Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra (BGUC) vai assinalar 500 anos de existência com um programa que inclui, em 2014, um congresso internacional em que participarão instituições congéneres de vários países.


Oficialmente, o programa comemorativo arranca já em fevereiro, com uma cerimónia a meio do mês, em data ainda por definir, para a qual "o Governo foi convidado" a fazer-se representar, disse hoje o diretor da BGUC, José Augusto Cardoso Bernardes.

Subordinado ao tema "A biblioteca universitária: permanência e metamorfoses", o congresso internacional, em que intervirão dezenas de especialistas nacionais e estrangeiros, designadamente oriundos do Brasil, Alemanha e Estados Unidos, entre outros países, decorre entre 16 e 18 de janeiro de 2013, na fase final do programa do meio milénio de atividade da BGUC.

Não se conhece "nenhum documento oficial" atestando a fundação da biblioteca da primeira universidade portuguesa, mas a existência da Casa da Livraria é referida numa ata de 12 de fevereiro de 1513, quando a instituição funcionava em Lisboa.

O início das comemorações esteve marcado para 12 de fevereiro, mas, "por ser dia de Carnaval", deverá adiado para outro dia dessa semana, em articulação com a Reitoria da Universidade e com o membro do Governo que for indicado para participar na sessão inaugural, disse à agência Lusa José Augusto Bernardes.

O programa provisório foi apresentado hoje, na sala de S. Pedro da Biblioteca Geral, com intervenções do diretor da BGUC e do reitor da Universidade de Coimbra (UC), João Gabriel Silva.

De abril a outubro, com apoio das unidades de investigação da UC, realiza-se a iniciativa "Conversas da Biblioteca", destinada à comunidade académica em geral, que visa "problematizar as relações conceptuais e funcionais" da BGUC com escritores e investigadores seus utentes e "com temáticas contíguas", designadamente a memória e a interdisciplinaridade.

Ao promover o congresso internacional, em janeiro de 2014, a BGUC, segundo o diretor, pretende que os especialistas possam "refletir sobre o presente e o futuro" das bibliotecas que servem públicos universitários.

O congresso incluirá cinco mesas-redondas, cinco sessões com "testemunhos sobre a utilização de bibliotecas" e três conferências plenárias.

Ao longo de um ano, o programa compreende duas exposições: "A Biblioteca em fotografias", que terá como comissário o investigador Alexandre Ramires, e "Quinhentos anos de relações Portugal/China", a organizar em colaboração com o Museu da Ciência e o Arquivo da Universidade.

"Em 1513, como em 2013, as grandes missões da Universidade não podem cumprir-se sem o apoio de uma grande e boa Biblioteca Geral", enfatizou José Augusto Bernardes.

Ao longo de um ano, a BGUC celebra "a existência de uma biblioteca rica e não apenas extensa e isso constitui motivo de contentamento", adiantou.

Realçando que a Internet "está cheia de lixo", o reitor defendeu que "o caráter central do conhecimento está contido nos livros", mais do que nos suportes digitais.

A digitalização de 500 obras antigas da BGUC é outras das iniciativas do programa, que inclui ainda espetáculos de música e teatro, atos memoriais, reedições e edições.

28 de jan de 2013

Supremo Tribunal Federal com nova ferramenta de pesquisa


Fonte: Supremo Tribunal Federal.

URL: www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=228931

Desenvolvida pela Secretaria de Tecnologia da Informação do Supremo Tribunal Federal, uma nova modalidade de pesquisa de conteúdo está disponível na página eletrônica da Corte. O objetivo do serviço é facilitar a busca por informações sobre quaisquer temas de interesse do usuário, publicados no site.

A nova ferramenta, que atende exigência da Lei de Acesso à Informação (12.527/11), permite a pesquisa de quaisquer assuntos sem que o usuário tenha que entrar no ícone específico de cada tema para realizar a busca. De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação do STF, Edmundo Veras, antes da ferramenta ser implementada, o usuário precisava entrar na área em que tinha interesse, para só então ter acesso a um recurso de pesquisa relativo àquele tópico.

Agora, no campo “Pesquisar”, localizado no canto superior direito da página inicial do STF na internet, estão centralizados todos os tipos de conteúdos do site, o que facilita a busca por notícias, acompanhamento processual, jurisprudência, compras, contratos, licitação, entre outros conteúdos textuais.

Apenas 32,6 % das escolas públicas do Ceará têm bibliotecas


Fonte: Jangadeiro Online. Data: 24/01/2013.

Autoria: Hayanne Narlla.

URL: www.jangadeiroonline.com.br/ceara/apenas-322-das-escolas-publicas-do-ceara-tem-biblioteca/

Cerca de 72,5% das escolas da rede pública não possuem biblioteca no Brasil. A média nacional foi divulgada pelo Censo Escolar 2011. O número, além de ruim, descumpre a Lei 12.244, que estabelece a existência de um acervo de pelo menos um livro por aluno em cada instituição de ensino do país, tanto de redes públicas como privadas.

Na rede pública, apenas 27,5% das escolas têm biblioteca atualmente, sendo necessário construir 130 mil bibliotecas até 2020, no Brasil, para cumprir a determinação.

A situação do estado do Ceará é melhor que a média do país. Das 7.262 escolas da rede pública cearenses (com gestão municipal, estadual e federal), 2.351 possuem biblioteca. Ou seja, 32,3% das escolas públicas no Ceará possuem bibliotecas. Já 67,7% das escolas não possuem o ambiente físico. Mesmo assim, a média é melhor que a de São Paulo, onde 85% das escolas não têm esse espaço.

Dados por escola

Dos 675 colégios estaduais, geridos pelo governo do Ceará, 560 possuem biblioteca, num total de 82,9%, de acordo com a Secretaria da Educação (Seduc). Já das 18 escolas públicas federais, geridas pelo governo federal, 14 possuem bibliotecas, com quase 80%.

Mas quando se fala em escolas municipais, geridas por cada prefeitura local, o número é ruim. Das 6.569 escolas municipais, em todo o estado, só 1.777 têm um lugar para a leitura, resultando em 27% (número equivalente à média nacional). Somente em Fortaleza, segundo a Secretaria Municipal de Educação (SME), são 311 escolas (excluindo-se creches), e dessas, 265 possuem biblioteca, num total de 85,2%.

De acordo com a presidente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará (Sindiute), Ana Cristina Guilherme da Silva, as bibliotecas são importantes para a formação da sociedade em geral, e não só dos alunos.

“Não é um resultado satisfatório. É exatamente a ausência ou insuficiência de livros e bibliotecas nas escolas. Recebemos o resultado da pesquisa muito preocupado, não deveria ter nenhuma escola sem livros. A gente entende que há obrigatoriedade da biblioteca e temos informação de escola sem biblioteca. Falta mesmo uma política de biblioteca e de aquisição de livros, em que os alunos sejam consultados para saber qual faixa etária e qual assunto de interesse”, ressaltou.

Internet Archive indexou 240 bilhôes de páginas


A Wayback Machine, sistema do Internet Archive, que indexa os sítios da internet, foi recentemente atualizado e conta agora com muito mais dados. Agora o Internet Archive inclui dados a partir do final de 1996 até dezembro de 2012. Isto permite que se possa navegar na web como ela foi até um mês atrás. Além disso, o número de URLs passou de 150 para 240 bilhões de páginas web, num total de cerca de 5 petabytes de dados. Esse banco de dados é consultado mais de 1.000 vezes por segundo por mais de 500.000 pessoas por dia ajudando a tornar o site archive.org um dos mais populares da Internet.

Buscas no Internet Archive: http://archive.org/web/web.php

23 de jan de 2013

Em 72,5% das escolas não há biblioteca


Fonte: O Estado de S. Paulo. Data: 23/01/2013.

Autoria: Ocimara Balmant.

URL: www.estadao.com.br/noticias/impresso,em-725-das-escolas-nao-ha-biblioteca-lei-preve-obrigatoriedade-ate-2020-,987556,0.htm

O Brasil precisa construir 130 mil bibliotecas até 2020 para cumprir a Lei 12.244, que estabelece a existência de um acervo de pelo menos um livro por aluno em cada instituição de ensino do País, tanto de redes públicas como privadas. Hoje, na rede pública, apenas 27,5% das escolas têm biblioteca.

Para equipar todas as 113.269 escolas públicas sem biblioteca seriam necessárias a construção de 34 unidades por dia, segundo um levantamento realizado pelo movimento Todos Pela Educação com base no Censo Escolar 2011. O estudo também faz uma comparação com números do Censo 2008 e mostra que, mesmo as escolas construídas nos três anos seguintes (foram 7.284 novas unidades) não contemplam o espaço: apenas 19,4% dessas novas instituições têm biblioteca.

Os Estados mais carentes são os das Regiões Norte e Nordeste, que tradicionalmente têm infraestrutura escolar precária, com escolas que chegam a funcionar em construções sem energia elétrica e saneamento básico. Na rede municipal do Maranhão, por exemplo, só 6% das escolas têm biblioteca.

O que destoa da lista, no entanto, é o aparecimento do Estado de São Paulo com um dos piores resultados do ranking, com 85% das unidades de sua rede pública (escolas estaduais e municipais) sem biblioteca. São 15.084 unidades sem o equipamento.

Um enorme prejuízo, se considerado os resultados da edição 2012 da pesquisa Retratos do Brasil, que mostrou que, entre os 5 e 17 anos, as bibliotecas escolares estão à frente de qualquer outra forma de acesso ao livro (64%).

A justificativa mais comum para desrespeitar a lei é a falta de espaço físico, já que muitas das novas escolas são construídas em terrenos apertados. No caso das unidades antigas, muitas deram outro uso para a biblioteca: boa parte virou sala de aula para suprir a demanda por vagas e, em outras, a área foi, aos poucos, se tornando um depósito, com computadores empilhados e livros empacotados.

"Isso mostra que só a legislação não é suficiente, porque tem lei que realmente não pega", afirma Priscila Cruz, diretora do Todos pela Educação.

Equívoco. Quando se analisa o déficit por nível de ensino, vê-se, ainda, que as instituições de ensino infantil são as mais prejudicadas: enquanto 82% das escolas de ensino profissional e 52% das de ensino médio construídas após 2008 possuem biblioteca, apenas 10% das de ensino infantil têm o espaço.

Uma opção que é um contrassenso argumentam os educadores, já que é na faixa etária dos 5 anos que a criança está descobrindo a língua escrita e tem de ser estimulada à descoberta e ao gosto pela leitura. No ensino médio, o estudante já teria acesso a outros ambientes de leitura.

A mudança, afirma ela, depende de uma tomada de consciência pedagógica, que entenda a importância da biblioteca na aprendizagem coletiva e individual. "O descaso é tanto que, em alguns casos, a área se torna o local de castigo. A criança conversou na aula, é mandada para lá. Ler vira punição", diz Priscila.

Para que a biblioteca escolar cumpra seu papel pedagógico, deve-se levar em conta do espaço físico à qualificação dos funcionários, passando pela qualidade do acervo e pelas atividades agendadas no local. O tamanho mínimo é de 50 m², o acervo deve contemplar a diversidade de discursos, é preciso que haja computadores conectados à internet e bibliotecário responsável.

Desinformação. Além do desconhecimento dos parâmetros, falta informação sobre fontes de financiamento. "Muitos municípios desconhecem os recursos financeiros disponíveis para a implantação do equipamento", diz Christine Fontelles, diretora de educação e cultura do Instituto Ecofuturo. A organização lidera a campanha Eu Quero Minha Biblioteca, que busca mobilizar a sociedade civil e os gestores públicos para cumprirem a lei.

No site, é possível encontrar informações sobre as ações federais voltadas ao assunto, como o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) e o Plano de Ações Articuladas (PAR).

No município maranhense de Açailândia, a 560 km de São Luís, a biblioteca da escola Fernando Rodrigues de Souza nasceu a dois anos onde ficava o refeitório. Com acervo de 2.500 livros, são cerca de 300 empréstimos diários e 200 novos exemplares por ano enviados pelo Ministério da Educação (MEC). "Ainda é pouco para o tamanho da demanda, mas é um começo", diz Zeila Villar, a bibliotecária.

Professor de Direito analisa o Creative Commons


Fonte: Empresa Brasileira de Comunicação. Data: 22/01/2013.

URL: www.ebc.com.br/tecnologia/2012/12/professor-de-direito-analisa-creative-commons-no-sistema-autoral-brasileiro

No último domingo (16), o conjunto de seis licenças internacionais de direitos autorais, Creative Commons (CC), completou 10 anos de existência. Para entender melhor como elas funcionam juridicamente no Brasil, entrevistamos Pedro Paranaguá, professor da pós-graduação em Direito da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Doutorando da Duke University nos Estados Unidos.

Nos CC, os conteúdos produzidos podem ser usados por outros grupos, artistas ou qualquer pessoa de acordo com a autorização dada previamente por meio de selos indicativos. A pessoa pode desde reproduzir, remixar, adaptar e até mesmo criar obras derivadas.

Para Paranaguá, o diferencial dessas licenças é que elas contribuem para um novo mundo digital. "Não vivemos mais em um mundo desconectado e baseado no controle, mas sim num mundo interconectado e baseado no compartilhamento", reforça. Os CCs foram lançados no dia 16 de dezembro de 2002. Antes desse ano, o padrão internacional mais conhecido era a letra "C" de Copyright, que significa 'todos os direitos reservados'. A partir do Creative Commons, surgiu um novo modelo com 'alguns direitos reservados', conforme a escolha do tipo de licença mais conveniente feita pelo autor da obra.

EBC: Qual é o impacto desse conjunto de licenças sobre o debate de direitos autorais no Brasil?

Pedro Paranaguá: As licenças Creative Commons não representam uma modificação do sistema de direitos autorais. Elas justamente se utilizam do sistema para dar mais alternativas aos autores. Não vivemos mais em um mundo desconectado e baseado no controle. Mas sim num mundo interconectado e baseado no compartilhamento.

EBC: Sobre os CC, como ela é entendida e tratada juridicamente no país?

As licenças Creative Commons são plenamente válidas no Brasil. Antes de esses tipos de licenças serem trazidos para o Brasil, foram adaptadas para o ordenamento jurídico nacional. Funcionam, portanto, como qualquer outro tipo de licença no mundo jurídico nacional. Aliás, as mesmas licenças, com pequenas adaptações, são plenamente válidas em dezenas de outros países mundo afora. É um padrão que foi aceito por vários tribunais em diversos países e que é utilizado não apenas por autores, mas também por diversos governos de todos os cantos do globo.

EBC: Mas há algum projeto sobre o sistema autoral que deve se fortalecer no parlamento brasileiro em 2013?

Paranaguá: Desde a gestão dos ex-ministros Gilberto Gil e Juca Ferreira está em debate um anteprojeto de lei no Poder Executivo para reformar a atual Lei de Direitos Autorais, que é de 1998. Com a nova ministra Marta Suplicy, o anteprojeto retornou da Casa Civil para o MinC e, imagino, deve ser encaminhado à Câmara dos Deputados depois do Carnaval.

EBC: Qual é o teor desse anteprojeto?

Paranaguá: É um projeto que foi amplamente debatido com a sociedade de modo transparente e público. Houve diversas audiências públicas com todos os setores envolvidos. Mas tenho minhas dúvidas se pode ser chamado, verdadeiramente, de reforma. Vejo muito mais como uma atualização urgente.

EBC: Por quê não?

Paranaguá: Para se reformar, o sistema autoral, em si, deve ser repensado. Sua estrutura deve ser reformulada, para que sua legitimidade retorne, bem como para que seus objetivos sejam alcançados: o incentivo à produção e disseminação de obras autorais.

EBC: A internet modifica as relações com a produção e autoria de conteúdos. Há alguma tendência internacional que pode nortear os nossos legisladores?

Paranaguá: De fato, a Internet modificou profundamente o modo como a produção e, principalmente, a distribuição de obras ocorrem. Não vivemos mais no mundo analógico, baseado no controle e sim no mundo digital, baseado no compartilhamento. Limitar a possibilidade de se compartilhar é ir contra a evolução.

EBC: Por fim, qual é o caminho para os produtores de conteúdo nesse mundo digital?

Paranaguá: Deve-se buscar uma forma de remuneração que se adeque ao avanço tecnológico. E não proibir o compartilhamento. O Brasil é visto lá de fora como pioneiro, líder nesse debate. Devemos usar nossa criatividade intrínseca ao povo multi-étnico para liderar esse debate e essa reforma na lei autoral.

Biblioteca do Congresso arquiva mensagens do Twitter


Fonte: O Globo (Rio de Janeiro). Data: 6/01/2013.

A Biblioteca do Congresso dos EUA, considerada a maior do mundo, anunciou na última sexta-feira que está perto de encerrar o arquivamento de todos os tweets públicos postados desde o lançamento do Twitter, em 2006, até 2010. Ao todo, são cerca de 170 bilhões de mensagens.

Detalhes no URL: www.interjornal.com.br/noticia.kmf?canal=5&cod=19550594

Aluno do ensino médio vai ter livro digital


Autora: Flavia Foreque.

Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 17/01/2013.

A partir de 2015, o aluno do ensino médio da rede pública poderá acessar seu livro didático em um tablet ou computador e, ao clicar em uma gravura ou trecho da obra, será direcionado para um gráfico interativo ou um vídeo sobre o tema em estudo.

Essa possibilidade está prevista em edital lançado pelo MEC para compra de 80 milhões de livros para alunos do ensino médio.

É a primeira vez que o livro digital está previsto na compra de obras didáticas feita pela pasta. Isso não substituirá o livro impresso. "Estamos comprando a obra multimídia. Ela é formada por um livro impresso e um livro digital, que reúne o mesmo conteúdo do impresso mais os objetos digitais integrados na mesma tela", disse Rafael Torino, diretor de ações educacionais do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

A editora que não tiver em seu catálogo a obra digital poderá inscrever apenas a versão impressa, além do PDF da obra didática. A versão digital deve aumentar o valor da compra - em média, um livro do ensino médio tem um custo de R$ 8 para o governo federal. Nesse edital também foi incluída pela primeira vez a previsão de compra de livros de arte. Outra novidade é a maior interação entre as diferentes disciplinas.

"O que está sendo pedido é que cada livro de uma determinada disciplina faça referências a outras disciplinas da mesma área de conhecimento e a outras áreas do conhecimento", disse Torino.

O ministro Aloizio Mercadante (Educação) defendeu o novo perfil do edital.

"É uma linguagem que vai, do nosso ponto de vista, estimular cada vez mais essa nova geração que está buscando os caminhos digitais para se comunicar", afirmou durante seminário com o norte-americano Salman Khan. O educador ganhou destaque internacional com os milhões de acessos ao seu site de videoaulas gratuitas.

Mercadante disse que a pasta estuda reproduzir a experiência no ensino superior, gravando aulas e seminários nas universidades federais e disponibilizando na internet gratuitamente.

22 de jan de 2013

Corpo humano virtual: BioDigital Human


O sítio BioDigital Human apresenta um corpo virtual 3D que traz para a vida milhares de objetos de anatomia clinicamente precisos. Os visitantes podem começar clicando no botão “Get” chamado apropriadamente de Introdução. Aqui eles terão acesso a centenas de recursos interativos e exibições personalizadas que que podem ser vistas através de todos os sistemas do corpo. Seguindo em frente, a área deImagens” vai ensinar os usuários a salvar e compartilhar essas poderosas ferramentas para uso em uma variedade de configurações. É importante notar que, enquanto a versão básica é totalmente gratuito, existem outros níveis de funcionalidade que estao disponiveis mediante pagamento.

Detalhes no URL: www.biodigitalhuman.com/

Reabertura da Biblioteca Pública novamente adiada


Fonte: Em Tempo Online. Data: 18/01/2013.

URL: www.emtempo.com.br/editorias/dia-a-dia/664-reabertura-da-biblioteca-p%C3%BAblica-%C3%A9-novamente-adiada.html

Uma guarnição do Corpo de Bombeiros deve ir hoje à Biblioteca realizar uma vistoria – foto: Ione Moreno

Uma guarnição do Corpo de Bombeiros deve ir até a tarde desta sexta-feira (18) à Biblioteca Pública do Estado para realizar uma vistoria e concluir o laudo que poderá liberar em breve o local.

Segundo a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), a única coisa que falta é a liberação pelo Corpo de Bombeiros para a biblioteca ser entregue à população.

De acordo com uma das integrantes do grupo ‘Abre Biblioteca’, a mestre em sociedade e cultura na Amazônia, bibliotecária e pesquisadora Soraya Magalhães, a espera do retorno do funcionamento do espaço é aguardada desde 2010, mas sempre é repassada uma nova data de reabertura.

Uma audiência foi marcada para o dia 4 de dezembro do ano passado, ocasião na qual o governador prometeu reinaugurar a biblioteca até o dia 15 deste mês. Passados três dias da data-limite, a expectativa continua e a previsão é que até o fim do mês pesquisadores e estudantes tenham novamente as portas abertas para suas atividades.

Os 18 mil livros que compõem o acervo da Biblioteca Municipal estão disponíveis desde setembro de 2011 na antiga Casa de Restauro, no entorno do largo São Sebastião, na Rua Costa Azevedo, Centro, mas o local também fechou as portas no dia 12 de março do ano passado. Por conta das chuvas, a biblioteca foi interditada por abalos no telhado e no forro, gerando riscos de desabamento, envolvendo usuários e servidores.

Novos espaços para leitura

Conforme a diretora de Cultura da Agência Municipal de Promoção Cultura e Turismo (Manaustur), Socorro Andrade, durante esta semana equipes da própria secretaria foram ao local para realizar o levantamento do que pode ser reformado. “Estamos contando que a biblioteca seja reaberta antes da volta às aulas da prefeitura, e estamos realizando o estudo para a construção de mais duas bibliotecas que ainda serão mapeadas na planta da cidade”, informou.

A diretora informou, ainda, que o antigo prédio da biblioteca, que fica ao lado da Praça do Congresso, passará por uma reforma, e se estuda a criação ali de um Centro de Atendimento ao Turista. “Estamos levantando um estudo junto à secretaria do centro para a realização do projeto”, explicou.

18 de jan de 2013

Evento: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia 2013

É com satisfação e orgulho que a Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições (FEBAB) e a Associação Catarinense de Bibliotecários (ACB), convidam para o XXV CONGRESSO BRASILEIRO DE BIBLIOTECONOMIA, DOCUMENTAÇÃO E CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, cuja cidade anfitriã será Florianópolis, entre os dias 7 e 10 de julho de 2013.

O tema central do evento é: “Bibliotecas, Informação, Usuários – Abordagens de transformação para a Biblioteconomia e Ciência da Informação” e oportunizará a reflexão e análise em torno dos avanços científicos e tecnológicos e seus impactos sobre o fazer do profissional e sobre a sustentabilidade das bibliotecas e unidades de informação, com um programa científico bastante intenso e atual.

Biblioteca Nacional vai ter horário reduzido por falta de ar condicionado


Fonte: Jornal Nacional. Data: 17/01/2013.


A lerdeza do poder público para resolver um problema que surgiu há oito meses vai obrigar a Biblioteca Nacional, no Rio de Janeiro, a reduzir o horário de funcionamento. O calor é insuportável.

As janelas abertas no prédio histórico já escancaram o problema, a maior biblioteca da América Latina, com nove milhões de livros, mapas e manuscritos, está sem ar-condicionado.

Desde maio de 2011, o sistema de refrigeração vem apresentando defeito. Teve que ser desligado depois que vazamentos de água danificaram uma parte da coleção de jornais. Na época, os funcionários improvisaram um varal para secar publicações encharcadas.

Com a chegada do verão e das altas temperaturas, a situação só piorou. A falta de ar-condicionado em boa parte do prédio além de dificultar o trabalho dos funcionários e a pesquisa os usuários, prejudica a conservação do acervo.

Nessa quarta-feira (16) os funcionários fizeram uma paralisação por 24 horas para chamar a atenção.

“As janelas estão abertas, pega poeira, é bicho que está entrando e também a oscilação da temperatura, isso também acarreta deterioração do material que está ali”, aponta o presidente da associação de funcionários, Otávio Alexandre Oliveira.

A visitação já caiu 30% neste verão. O público fica deslumbrado com a beleza do prédio, mas não consegue permanecer nas salas abafadas.

“A gente foi visitar a área de obras raras e estava praticamente impossível ficar lá durante muito tempo. A gente até saiu um pouco antes porque estava muito quente”, lamenta a professora Michele Valadão.

A direção da biblioteca tomou a decisão de reduzir o horário de funcionamento. Vai abrir das 8h às 14h, até que a temperatura caia. A renovação de todo o sistema de refrigeração leva dois anos, mas a diretora-executiva da Biblioteca Nacional, Loana Maia, diz que espera conseguir minimizar o problema em um prazo mais curto.

“Curto que signifique até seis meses para a gente ter construído uma situação emergencial para poder diminuir a sensação de desconforto para usuários, para funcionários, para os pesquisadores”, afirma ela.

O Ministério da Cultura declarou que técnicos estão trabalhando no projeto de implantação do novo sistema de ar-condicionado da Biblioteca Nacional e que serão investidos R$ 70 milhões em reformas estruturais do prédio

Minicom vai apoiar produção nacional de conteúdos digitais


Fonte: Ministério das Comunicações. Data: 17/01/2013.

URL: www.mc.gov.br/sala-de-imprensa/todas-as-noticias/26302-minicom-vai-apoiar-producao-nacional-de-conteudos-digitais

O Ministério das Comunicações (MiniCom) vai investir R$ 7 milhões em um centro voltado à produção e à pós-produção de obras audiovisuais, jogos eletrônicos e aplicativos. Os recursos serão repassados ao governo de Pernambuco por meio de um convênio para serem aplicados na aquisição de equipamentos para a Portomídia, uma unidade do Porto Digital.

No local serão instalados estúdios de áudio e vídeo, além de um laboratório para testes e certificação de aplicativos para dispositivos móveis, um estúdio motion-capture e uma render farm. A iniciativa faz parte das diretrizes do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) e busca promover a indústria brasileira de conteúdos digitais.

De acordo com o assessor da Secretaria Executiva do MiniCom, James Görgen, a ideia é que várias empresas sejam beneficiadas. “Nós escolhemos este projeto para começar justamente porque ali já existe um arranjo produtivo local, que é a aglomeração de várias empresas com vínculos de interação, cooperação e aprendizagem entre si e com outros atores locais”, explica.

Segundo Görgen, o governo pretende investir na instalação de novos centros. “Estamos apostando nesse modelo colaborativo”, ressalta. O MiniCom assinou também um convênio com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs) para a implementação de um centro de conteúdos em um parque tecnológico gaúcho no primeiro semestre.

 

Nota do blog:

Se o apoio financeiro usar o dinheiro do FUST acho que as bibliotecas digitais também devem receber verbas. Sugiro que o IBICT, a FEBAB, associações de bibliotecários e demais entidades façam o lobby para que as bibliotecas digitais também sejam incluídas nesse projeto.

Murilo Cunha

Biblioteca reabre em Itapecerica da Serra


Fonte: Portal O Taboanense.

URL: www.otaboanense.com.br/noticia/8754/biblioteca-reabre-ao-p%C3%BAblico-em-itapecerica-da-serra/

Após passar por uma grande reforma, a Biblioteca Municipal Arthur Ricci de Camargo, localizada na Praça Professor Porcino Rodrigues, no Centro da cidade, voltou a funcionar no último dia 10 de janeiro.

A Biblioteca tem mais de 1.000 usuários ativos com cadastro, além de visitantes que utilizam o espaço para leitura e pesquisas. O local possui uma coleção com mais de 50.000 títulos entre livros didáticos e ficção, além de contar com um telecentro com 11 computadores com acesso a internet e uma área dedicada às crianças, com livros infantis e quadrinhos.

Cadeia para os vilões de contos de fadas


Fonte: Diário da Rússia. Data: 30/12/2013

URL: www.diariodarussia.com.br/fatos/noticias/2012/12/30/russia-enquadra-no-codigo-penal-viloes-e-herois-dos-contos-de-fadas/

Uma biblioteca da região cossaca de Krasnodar, na Rússia, organizou um encontro acadêmico para imaginar como os heróis e vilões dos contos folclóricos mais populares da literatura russa seriam tratados sob as leis atuais. O estudo foi apresentado pelo Centro de Informação Jurídica da Biblioteca Pushkin, para um público de estudantes universitários locais.

De acordo com a análise, Baba Yaga, a bruxa da floresta, por exemplo, poderia pegar até cinco anos de cadeia sob a acusação de sequestro, devido aos seus hábitos de atrair e aprisionar heróis viajantes. Pior ainda, ela poderia ser acusada de traição, crime punível com até 20 anos de prisão, por ter revelado o segredo de como matar seu amigo, o gênio do mal Koshchei, conhecido como “o Imortal”.

Mas não são apenas os vilões das histórias que teriam que enfrentar a Justiça de hoje. Alguns dos mocinhos também estariam na berlinda, como por exemplo o czar que enviou seu filho, o Czarevich Ivã, herói do folclore clássico, numa missão para encontrar as chamadas maçãs da juventude. O Czar Ivã passaria uns bons dez anos atrás das grades por instigar o roubo de objetos de valor. Seu filho, o czarevich, por outro lado, compartilharia a cela com ele por dois anos, por ter sequestrado uma princesa durante sua jornada em busca das malfadadas maçãs.

O estudo do Centro de Informação Jurídica da Biblioteca Pushkin, da Universidade de Krasnodar, baseou-se na clássica coleção “Contos de Fadas Russos”, publicada pela primeira vez entre 1855 e 1863 pelo folclorista Alexander Afanasyev. A obra foi inspirada no extenso trabalho produzido pelos Irmãos Grimm, na Alemanha, e goza de considerável popularidade na Rússia até hoje.

17 de jan de 2013

Novidades no Bibliodata


IBICT assume a Rede Bibliodata

Comunicado IBICT - 01/2013 Rede BIBLIODATA

Prezado (a) Senhor (a),

A partir deste mês de janeiro, o IBICT estará assumindo a Rede BIBLIODATA integralmente, ou seja, técnica e administrativamente.

Como órgão público vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação – MCTI consideramos que a Rede BIBLIODATA é uma ação aderente a nossa missão institucional. Por esse motivo e por avaliar a importância da catalogação cooperativa para o processamento e a difusão dos acervos bibliográficos das bibliotecas brasileiras, nossa Diretoria apresentou proposta ao Conselho Técnico Científico do Instituto que imediatamente aprovou, em sua reunião de 11 de Dezembro próximo passado, a gratuidade dos serviços que serão prestados pelo IBICT às instituições participantes da
Rede BIBLIODATA.

Tendo em vista a preocupação com a manutenção na qualidade dos serviços até então prestados e na continuidade dos mesmos, é que estamos analisando alternativas para formalização da cooperação com os integrantes da Rede.

Tão logo tenhamos a solução para o formato da adesão, enviaremos novo comunicado a todos os membros da Rede.

Nota do blog:

Esta é uma boa notícia que, certamente, dará sobrevida ao Bibliodata e possibilitará um crescimento da catalogação cooperativa em nosso país.
Murilo Cunha

Biblioteca municipal oferece acesso wi-fi gratuito


Fonte: Diário de Marília (SP). Data: 12/01/2013.

URL: www.diariodemarilia.com.br/Noticias/118565/Biblioteca-Municipal-oferece-acesso-Wi-Fi-gratuito-internet

A biblioteca municipal oferece desde o início da semana acesso Wi Fi gratuito à internet para os usuários que possuem dispositivos móveis como notebooks, tablets, netbooks ou smartphones. O novo serviço começou a ser implantado há 10 dias e a fase de testes foi concluída nesta semana. O acesso Wi-Fi gratuito à internet tem uma abrangência interna e externa, ou seja, é oferecido tanto no interior do salão de leituras, como em algumas partes da praça da biblioteca.

“Para ter acesso ao novo serviço, o usuário precisa apenas retirar a senha no balcão da biblioteca, com um dos funcionários do local. O novo serviço busca facilitar o acesso aos usuários, afirma o supervisor da biblioteca, Pedro Matos Teixeira. O supervisor ainda disse que o novo serviço permite a inclusão digital. “Toda a população que não tem acesso à internet, mas possui um dispositivo móvel que permite o acesso, como aparelhos de celular, por exemplo, agora pode utilizar o serviço gratuitamente na biblioteca”, explicou.

O estudante Caue Leituza, 26, frequenta a biblioteca diariamente e afirma que agora carrega o notebook junto para acessar a internet. “Venho todos os dias, com o novo serviço agora tenho acesso a internet. Isso facilita bastante o acesso às informações e notícias”, explica Leituza.

Além do acesso Wi-Fi, a Biblioteca Municipal de Marília ainda conta com o Acessa São Paulo. São nove computadores com acesso à internet e impressão gratuitos para a população mariliense. (...)

Biblioteca Pública da Paraíba amplia o horário


Fonte: Paraíba.com Data: 11/01/2013.

URL: www.paraiba.com.br/2013/01/11/08009-biblioteca-da-funesc-amplia-horario-e-oferece-atendimento-noturno

Atendendo a uma reivindicação antiga dos frequentadores, a Fundação Espaço Cultural da Paraíba (Funesc) ampliou o horário de funcionamento da Biblioteca Pública Juarez da Gama Batista. Com uma média de visitação diária que chega a 400 pessoas, agora a unidade passa a atender ao público das 7h às 22h, de segunda a sexta-feira. Aos sábados, permanece aberta das 7h às 19h e aos domingos, das 8h às 14h.

Biblioteca Nacional de Brasília ganhará mais sete mil livros


Fonte: Portal R7. Data: 11/012/2013.

URL: http://noticias.r7.com/distrito-federal/noticias/biblioteca-nacional-de-brasilia-ganhara-mais-sete-mil-livros-20130111.html

O GDF (Governo do Distrito Federal) liberou R$ 413 mil para a compra de livros para a Biblioteca Nacional de Brasília (BNB). Serão adquiridos, aproximadamente, sete mil exemplares de publicações técnicas, de referência, literatura brasileira e estrangeira, além de obras infantis.

Segundo o diretor da Biblioteca Nacional, Yuri Barquette, é a primeira vez que a BNB faz uma compra de exemplares com base em estudos e levantamentos feitos pelos funcionários.

Atualmente, o acervo da Biblioteca conta com cerca de 50 mil livros. Desses, 20 mil estão catalogados e 30 mil em processo de catalogação. Até agora o acervo era composto apenas por doações.

A expectativa é que os livros estejam liberados para os frequentadores da Biblioteca até o mês de junho, prazo necessário para que as obras sejam entregues pela empresa vencedora do pregão e os exemplares, catalogados.

A Biblioteca Nacional de Brasília fica no Complexo Cultural da República, no Setor Cultural Sul, próximo à Catedral de Brasília. Ela fica aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 19h45, e aos sábados e domingos, das 12h30 às 18h30.

Biblioteca empresta Macbooks como se fossem livros


Fonte: Portal Terra. Data: Data: 11/01/2012.

URL: http://tecnologia.terra.com.br/hardware-e-software/biblioteca-empresta-macbooks-como-se-fossem-livros-nos-eua,021465725992c310VgnVCM5000009ccceb0aRCRD.html

Macbooks agora integram o "acervo" da biblioteca da Universidade de Drexel, nos Estados Unidos. Os estudantes podem, desde quarta-feira, alugar os laptops da Apple para estudar.

O empréstimo do notebook é gratuito e dura no máximo cinco horas - depois disso, há multa de US$ 5. A ideia de fornecer os computadores aos alunos é que eles não precisem carregar seus equipamentos pessoais para o campus e de volta para casa, evitando excesso de peso e risco de assalto quanto já é tarde da noite.

A máquina automática de locação, com doze notebooks de 15 polegadas, funciona 24 horas por dia e dispensa a presença de funcionários. Basta passar o cartão de identificação da universidade e fazer uso dos laptops. A bateria é recarregada enquanto o Macbook está esperando na máquina, e o sistema também apaga todos os dados do HD neste momento.

"Essa é uma grande oportunidade de atender a necessidades específicas dos estudantes com a partir de tecnologia de ponta. Esperamos que a iniciativa resulte em melhor experiência acadêmica para os estudantes de Drexel", afirmou em nota a pró-reitora de Bibliotecas da universidade, Danuta Nitecki.

Segundo o comunicado da universidade, após um período de testes será analisado o uso da máquina de empréstimo de Macbooks. Dependendo dos dados, podem ser instalados maios quiosques na Drexel, o que inclui máquinas de locação de iPads.

Biblioteca da UFAm disponibiliza 3,5 mil e-books


Fonte: Portal G1. Data: 5/01/2013.

URL: http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2013/01/biblioteca-central-da-ufam-no-am-disponibiliza-cerca-de-35-mil-e-books.html

O acervo da Biblioteca Central da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) disponibiliza cerca de 3.500 e-books, conhecidos como livros eletrônicos, cujo acesso pode ser feito a partir de qualquer computador da instituição.

Segundo a diretora do Sistema de Bibliotecas da Universidade, Siméia Ale, a medida é um ganho no que se refere ao espaço físico das bibliotecas da instituição e representa um reforço no quantitativo já disponibilizado materialmente. "Uma característica importante dos e-books adquiridos é que podemos atualizar o acervo constantemente. O conteúdo é permanente, pode ser acessado de qualquer lugar dentro da instituição, sem a necessidade de registro do aluno. Além disso, é possível baixar os arquivos integral ou parcialmente", explicou.

A comunidade universitária pode visualizar conteúdos das áreas de Arquitetura, Artes e Design, Ciências do Comportamento, Ciências Biomédicas e Biologia, Economia e Negócios, Química e Ciência dos Materiais, Ciências da Computação e Ciências Ambientais e da Terra, através do endereço ufam.dotlib.com.br.

De acordo com Siméia Ale, há também títulos nas áreas de Engenharia, Humanidades, Ciências Sociais e Direito, Matemática e Estatística, Medicina, Física e Astronomia, Computação Profissional e Webdesign.

A previsão é de que já nos próximos meses outros livros sejam adquiridos por meio de assinaturas junto às empresas que atuam no ramo da edição de conteúdo eletrônico. "A aquisição dos e-books partiu da necessidade em disponibilizarmos novas modalidades de consulta para a comunidade universitária. A ideia é promover o sistema e torná-lo tão efetivo quanto a estrutura física", completou a diretora.

15 de jan de 2013

Novo número: Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação


Acaba de ser publicado o número 1, volume 11, 2013, da Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação. O texto completo dos artigos pode ser acessado via URL: 143.106.108.14/seer/ojs/index.php/rbci/issue/view/184

Sumário

Editorial. Gildenir Carolino Santos, Danielle Thiago Ferreira.

Artigos

Produtividade dos autores em ceratocone: estudo longitudinal em artigos indexados no SciELO Brasil (2001-2010) (1-20). Raymundo das Neves Machado.

Análise acerca da informação, do conhecimento e do aprendizado como estratégias em resposta ao ambiente de concorrência sistêmica (21-38). Paulo César Elias, Jorge José Elias.

Políticas de informação nas bibliotecas universitárias: um enfoque no desenvolvimento de coleções (39-54). Geneviane Duarte Dias, Terezinha Elizabeth da Silva, Brígida Maria Nogueira Cervantes.

Pluralismo lógico e epistemografia interativa como ferramentas desclassificadoras do conhecimento (55-71). Maria Sueny Barbosa Soares, Mariana Thamires Martins, Marivalde Moacir Francelin.

Concepção de interfaces para websites de bibliotecas universitárias: projeto, elaboração e gestão de informação em meio digital (72-82). Alexandre Ribas Semeler.

Pesquisas em andamento

Mapeamento de fontes de informação em ambiente web para ciência e tecnologia (83-92). Leila Aparecida Anastácio, Eliane Apolinário Vieira.

Relato de Experiências

Portal da BNB: relato da experiência do processo de criação, organização e planejamento do Portal da Biblioteca Nacional de Brasília (93-110). Vanessa Barbosa da Silva, Flávia Marta Camarano Salim.

Gestão da qualidade em bibliotecas escolares: um estudo de caso em uma biblioteca escolar na cidade de Ponta Grossa - PR (111-137). Josiane Mello.

Centro de Recursos de Aprendizagem: biblioteca escolar para o século XXI (138-154). Kelley Cristine Gonçalves Dias Gasque.

Desinfestação por atmosfera anóxia: método utilizado pela biblioteca do conjunto das Químicas/USP (155-163). Marina Mayumi Yamashita, Edna Tiemi Yokoti Watanabe, Fátima Aparecida Colombo Paletta, José Francisco da Silva.

Resenha

Manual de fontes de informação (164-170). Gildenir Carolino Santos

Revista Digital de Biblioteconomia e Ciencia da Informação

Biblioteca de Hotelaria


Fonte: Hotelier News. Data: 8/01/2012.

URL: http://hoteliernews.com.br/2013/01/abih-rs-implanta-biblioteca-da-hotelaria/

Teve início hoje (8) os trabalhos para pôr em funcionamento a nova biblioteca da ABIH-RS (Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Rio Grande do Sul), que reunirá material específico sobre o setor hoteleiro.

De acordo com José Justo, diretor técnico da associação, a ideia é facilitar pesquisas e incentivar o aprendizado de empresários, funcionários e estudantes sobre o assunto.

O acervo será composto pelas doações mensais que a associação recebe, porém novas publicações devem ser adquiridas pela própria ABIH-RS.

A organização, inicialmente, será feita por bibliotecários que terão a função de catalogar o material e criar um banco de acesso de pesquisa.

Maiores detalhes no URL: www.abihrs.com.br

Projeto que obriga ter biblioteca na escola


Fonte. Agência do Senado. Data: 8/01/2012.

Se depender do Senado, toda escola pública será obrigada a manter uma biblioteca com profissional capacitado a atender os alunos. O projeto de lei complementar, que acrescenta dois artigos à Lei de Diretrizes e Bases da Educação, deve entrar na pauta da Comissão de Educação do Senado na volta do recesso parlamentar, agora em fevereiro.

O projeto atribui aos sistemas de ensino a criação e a manutenção de bibliotecas escolares com acervo permanentemente atualizado e mantido em local próprio, atraente e acessível, com disponibilidade de acesso à internet para os alunos. Além disso, exige a atuação de um bibliotecário com ensino superior para atender uma ou mais escolas da mesma jurisdição de ensino.

Relatado pelo senador Cássio Cunha Lima (PSDB/PB), o projeto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e tramita na Comissão de Educação do Senado em caráter terminativo, ou seja, se não houver recurso para votação no plenário, pode seguir diretamente para sanção da presidente Dilma Rousseff. O texto atual da proposta estabelece prazo de cinco anos para as escolas cumprirem as exigências.

Leitura

O autor do projeto, deputado Sandes Júnior (PP/GO), sustenta a necessidade de se universalizar o acesso a bibliotecas escolares. Para o deputado, um bom acervo consolida "não só o hábito e gosto pela leitura, mas também cria horizontes que ultrapassam as referências pessoais dos alunos".

No relatório em que defende a aprovação, Cássio Cunha Lima diz que “a iniciativa envolve oportunidade ímpar para a implantação de bibliotecas em escolas onde não existam”. O senador prevê, no entanto, dificuldade para a contratação de bibliotecários nas mais de 100 mil escolas rurais de pequeno porte espalhadas pelo país. Por isso, propõe pequeno ajuste no texto para permitir que grupos de unidades escolares sejam atendidos pelo mesmo profissional, sem necessidade de presença permanente em cada biblioteca".

Atividades em janeiro na Biblioteca Pública de São Paulo


Fonte: Portal do Governo de São Paulo. Data: 9/01/2013

URL: http://saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=225411&c=6

Instalada na zona norte da capital, a Biblioteca de São Paulo oferece, além dos mais de 30 mil títulos, outras fontes de cultura e entretenimento, como DVDs e-readers (aparelhos para leitura de livros digitais) e acesso gratuito à Internet.

Com espaços voltados especialmente para o convívio e a interação de crianças e jovens, o espaço tem por objetivo ser uma espécie de centro cultural,
No mês de janeiro, há atividades programadas para todas as idades. Confira abaixo e programe-se!

Hora do conto

Programa de contação de histórias, mediação de leitura e dramatizações, voltado ao incentivo à leitura e ao desenvolvimento criativo dos participantes por intermédio do universo lúdico da literatura infantojuvenil.

Pintando o sete

Conjunto de atividades plásticas direcionado ao desenvolvimento artístico e intelectual dos participantes.

Brincando e Aprendendo

Programa que reúne intervenções artísticas, jogos e brincadeiras educativas.

Bebelê

Programa de iniciação e estímulo às potências cognitivas de crianças em fase pré-escolar, com idades entre 6 meses e 3 anos, por meio de experiências lúdicas com livros.

Oficina de desenho: A pintura da literatura

Incentivo à aprendizagem da escrita e ao gosto pela leitura por meio do prazer de desenhar e pintar.

Clube da Leitura

Programa de construção literária coletiva dividida em duas etapas. Na primeira, destaca-se o leitor em formação; na segunda etapa, é feita a mediação de leitura - apresentação e discussão de obras literárias que têm como objetivo o incentivo à leitura para o desenvolvimento e a formação de leitores. Norteando esses processos, mensalmente há o enfoque sobre uma obra literária e o seu autor.

Leitura ao pé do ouvido

Mediação intimista de leitura realizada nas dependências da biblioteca e seu entorno, a fim de sugerir autores, títulos e temas ao público.

Tabuleiro de Jogos

Programa de iniciação a jogos de tabuleiro: história, teoria e prática. Em janeiro: xadrez para iniciantes e pessoas com deficiência visual (com tabuleiros adaptados).

Oficina de meditação e yoga

A atividade faz parte do programa +60, que reúne serviços e atendimento especial para os que já passaram dos 60 anos de idade.

Oficina de artesanato

Use sua imaginação e confeccione belas sacolas ecológicas.

São Paulo, minha cidade

Homenagem aos 459 anos da cidade de São Paulo. Histórias sobre a origem da cidade, a contribuição dos imigrantes e sua importância para o país.

SERVIÇO

Biblioteca de São Paulo

Av. Cruzeiro do Sul, 2630 – Santana

Segunda a sexta, das 9h às 21h

Sábados, domingos e feriados, das 9h às 19h

Fechada às segundas-feiras

Biblioteca pública lança coleção de marcadores de página


Fonte: Agência de Noticias do Paraná. Data: 8/01/2012.

URL: www.aen.pr.gov.br/modules/noticias/article.php?storyid=72570&tit=Biblioteca-Publica-lanca-colecao-de-marcadores-de-pagina

A Biblioteca Pública do Paraná lançou a primeira edição da “Coleção BPP de Marcadores de Página”. Na largada, cinco autores da literatura nacional são homenageados com caricaturas assinadas por ilustradores brasileiros: Machado de Assis (DW Ribatski), Paulo Leminski (Marciel Conrado), Helena Kolody (Theo Szczepanski), Nelson Rodrigues (Solda) e Jorge Amado (Rômolo).

Frases e poemas dos escritores homenageados acompanham as ilustrações. Já o verso do marcador traz um pequeno resumo sobre a história e as atividades culturais da Biblioteca Pública do Paraná. Com tiragem de 10 mil exemplares (2 mil para cada autor), os marcadores serão distribuídos gratuitamente no balcão de empréstimo da BPP.

A cada seis meses, uma nova edição da “Coleção BPP de Marcadores de Página” será lançada, com outros autores e ilustradores. A próxima tiragem está prevista para junho e contemplará autores estrangeiros.

Serviço:

Biblioteca Pública do Paraná.

Rua Cândido Lopes, 133.

Curitiba – PR

Horário de funcionamento: Segunda a sexta-feira, das 8h30 às 20h e aos sábados das 8h30 às 13h.

12 de jan de 2013

SCIELO perde apoio do CNPq


Fonte: O Globo. Data: 10/01/2012.

Autor:Evandro Éboli.

Uma polêmica no meio científico. A Scielo (Scientific Electronic Library Online), uma base de dados que congrega 270 publicações científicas nacionais de todas as áreas, critica a repentina falta de apoio financeiro do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) ao seu projeto. Criado há quinze anos, a Scielo virou uma espécie de selo de qualidade para qualquer produção científica nacional e, desde 2002, recebia apoio do CNPq. Mas um edital do conselho, do final de 2012, excluiu o projeto de seus planos.

A Scielo é um projeto da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que é o maior provedor financeiro dessa base de dados, chamada de biblioteca eletrônica. Do orçamento total do Scielo, de R$ 5 milhões anuais, a participação do CNPq é de menor monta. Foi de R$ 320 mil em 2012, que representou 6,5%, segundo a coordenação da Scielo, que considera essa colaboração fundamental. O CNPq admitiu que seu apoio é pequeno, mas que fica entre 10% a 15%.

O CNPq explicou que a Scielo não foi recomendada pelo Comitê Julgador do conselho para o edital de 2012, que tratou de publicações científicas. O diretor de Engenharias, Ciências Exatas, Humanas e Sociais do CNPq, Guilherme Sales Melo, disse que o edital optou por focar nas publicações e não na base de dados. Guilherme afirmou que o conselho tem extremo respeito pelo trabalho feito pelo Scielo e que, apesar de excluído do processo de concorrência, foi “recomendado fortemente” à direção da CNPq, para que seja contemplado em outro momento.

- O Comitê Julgador recomendou fortemente que o CNPq apoiasse o projeto por meio de outra fonte de recursos, tendo em vista a importância e relevância do projeto e o histórico apoio deste conselho ao referido repositório virtual de periódicos – disse Melo.

O coordenador científico da Scielo, o professor e bioquímico Rogério Meneghini, lamentou a falta de apoio do CNPq ao projeto e disse que só foi comunicado da exclusão após o resultado do edital ser sacramentado. Meneghini afirmou que, mesmo pequeno, o apoio financeiro do CNPq é importante para manutenção do trabalho e que não sabe dimensionar ainda que prejuízos a falta desse dinheiro trará para as publicações científicas.

- Trabalhamos com a corda no pescoço em termos orçamentários. Foi tão ruim para a Scielo que os editores das revistas filiadas ao projeto ficaram preocupados. Isso vai prejudicar nosso trabalho. O CNPq nos informou que estão prevendo disponibilizar recursos para o projeto e abrir outro edital. Mas não disseram quanto e nem quando – disse o professor Meneghini. – Não é um projeto de São Paulo, e sim um programa nacional, com publicações de várias regiões.

11 de jan de 2013

Amazon quer matar as livrarias?


O Programa de televisão Roda Viva recebeu o escritor e editor franco-americano André Schiffrin nesta segunda-feira (07/01). Ele nasceu em 1935, em Paris, mas ainda quando criança foi morar nos Estados Unidos.
Em seu currículo consta um longo período como editor-chefe da Pantheon Books, em Nova York, somando 30 anos. André Schiffrin abandonou o cargo para fundar a New Press em 1990, uma editora sem fins lucrativos.
Uma das obras mais conhecidas do escritor é “O negócio dos livros: como as grandes corporações decidem o que você lê”, mas André também é autor de outras obras como autobiográfica “A Political Education: Coming of Age in Paris and New York” e “Dr. Seuss & Co. Go to War: the World War II Editorial Cartoons of America’s Leading Comic Artists”.
O Roda Viva foi apresentado pelo jornalista Mário Sergio Conti e contou com a participação de entrevistadores convidados na bancada, além do cartunista Paulo Caruso.

Prefeitura de Arapiraca entrega mais uma biblioteca


Fonte: Prefeitura Municipal de Arapiraca (AL). Data: 29/12/2012.

URL: www.tribunahoje.com/noticia/50613/politica/2012/12/29/prefeitura-de-arapiraca-entrega-mais-uma-biblioteca.html

Reconhecido nacionalmente como um dos prefeitos que mais investem na Educação em todo o Brasil, Luciano Barbosa encerra a entrega de obras em sua gestão, neste domingo (30), com a inauguração da sexta biblioteca de bairro- carinhosamente denominadas de Arapiraquinhas.

A solenidade de inauguração da Arapiraquinha Professor Aloísio Gomes está marcada para as 16 horas, no bairro Planalto, e contará com a presença de educadores, alunos, pais de alunos e moradores da comunidade.

Construídas com recursos da própria municipalidade, as Arapiraquinhas já estão funcionando em cinco bairros: Jardim Esperança, Novo Horizonte, Canaã, Primavera e Canafístula.

Os espaços de pesquisa e leitura já receberam a visita de mais de 20 mil jovens. As Arapiraquinhas contam com salas de informática com dez computadores, bebeteca, salas de leitura, acervo com mais de três mil livros, entre outros departamentos de incentivo e apoio à leitura.

10 de jan de 2013

Obra de Hipócrates disponível na Biblioteca Brasiliana


Fonte: Portal do Governo do Estado de São Paulo. Data: 4/01/2013.

URL: http://saopaulo.sp.gov.br/spnoticias/lenoticia.php?id=225321&c=6

A Biblioteca Brasiliana da USP disponibilizou a coleção "Oeuvres complètes d'Hippocrate", em dez volumes, no seu sitio. A obra do médico e estudioso Hipócrates é uma das coleções mais conhecidas da história da medicina.

Paulo Rosenbaum, médico, escritor, doutor em Ciências, pós-doutor em Medicina Preventiva e pesquisador associado do Departamento de Medicina Preventiva da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), foi o responsável pelo texto de apresentação.

O texto completo da obra está disponível no URL: www.brasiliana.usp.br/node/1045

Biblioteca Presidencial dedicará 2013 ao estudo da lingua russa


Fonte: Diário da Rússia. Data: 4/01/2013.


A Biblioteca Presidencial Boris Yeltsin, localizada na cidade de São Petersburgo, concentrará suas atividades de 2013 no estudo da língua russa e de sua história. A instituição tradicionalmente indica uma temática anual, que determina o foco das exposições de suas salas, bem como o que será apresentado em atividades de pesquisa e em conferências. O ano temático da instituição coincidirá com o fim do ano letivo russo, que começou em setembro de 2012 e terminará em maio, quando a biblioteca anuncia oficialmente o início do ano da língua russa.

A tradição de anunciar temas anuais, relacionados com diferentes aspectos do Estado russo, é realizada pela Biblioteca Presidencial desde sua inauguração em 2009. O primeiro ano foi dedicado à história russa, o segundo homenageou o território da Rússia e o terceiro o governo do país, embora o foco da exposição tenha sido o povo.

Mês do perdão na Biblioteca Pública de Venâncio Aires (RS)


Fonte: Gazeta (RS). Data: 4/01/2013.

URL: www.gaz.com.br/noticia/385970-dezembro_foi_o_mes_do_perdao_na_biblioteca_publica_de_venancio.html

Fonte original: Prefeitura de Venâncio Aires (RS).

Em dezembro de 2012, a Biblioteca Pública de Venâncio Aires realizou o mês do perdão. A finalidade da campanha foi motivar os leitores a devolverem livros em atraso sem a cobrança de multa, desde que estes entregassem as obras acompanhadas de um quilo de arroz, ou feijão, ou ainda um litro de leite.

Na manhã desta quinta-feira, 3, a bibliotecária Rosária Garcia Costa repassou as arrecadações à assessora do Gabinete da Primeira-Dama, Ana Flávia Barden. Através do setor de Assistência Social da Secretaria Municipal de Habitação e Desenvolvimento Social, os alimentos serão distribuídos para famílias carentes do município.

A campanha do perdão foi a forma encontrada para garantir a devolução de obras, muitas vezes raras, que estão com os leitores há meses e até mesmo anos. “Muitas vezes deixamos de adquirir títulos novos para conseguir repor livros que já possuíamos e possibilitar que outros leitores tenham acesso à obra”, relata Rosária. Conforme a bibliotecária, cerca de 50 livros foram devolvidos nesta edição da campanha. “Um deles registrava dez anos de atraso”, conta.

Por meio do mês do perdão foram arrecadados 14 litros de leite, cinco quilos de feijão e oito quilos de arroz. Além disso, houve o repasse de cinco quilos de açúcar, dois quilos de farinha, dois quilos de macarrão e um quilo de sal.

O horário de funcionamento da Biblioteca Pública Municipal é das 12h às 19h nas segundas, terças e quintas-feiras. Já nas quartas e sextas-feiras, o atendimento acontece das 7h30min às 13h30min.

Biblioteca Pública Municipal de Salto (SP)


Fonte: Itu.com Data: 3/01/2013.

Autora: Jéssica Ferrari.


A Biblioteca Pública Municipal de Salto reabriu em um novo local, o Paço dos Taperás. A apresentação técnica do novo espaço foi realizada na noite do dia 19 de dezembro de 2012.

As novas dependências, localizadas no centro velho da cidade, possibilita maior acessibilidade ao público, além de proporcionar a realização de atividades culturais de fomento à leitura.

Com espaços amplos, sofás espalhados pelo local compõem lugares agradáveis para a leitura de jornais, revistas e livros. Diversas mesas contribuem, ainda, para a realização de pesquisas. A biblioteca ainda contará com computadores para a consulta ao acervo, bem como rede de internet wi fi.

O Paço dos Taperás também possui um palco, onde passará a ser realizado o projeto “A Hora do Conto”, e que possibilitará a realização de atividades como contação de histórias, saraus, palestras, exposições, entre outras iniciativas.

7 de jan de 2013

Curso: Informação em ambientes digitais


Encontram-se abertas as inscrições para o Curso de Especialização "Informação em Ambientes Digitais", na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Público alvo:

- Bibliotecários, arquivistas, curadores, jornalistas e servidores de instituições e órgãos públicos, privados e do terceiro setor que trabalhem com informação digital.

- Profissionais e pesquisadores que demandam por informações especializadas voltadas às novas formas de organização, tratamento e gestão da informação digital.

- Gestores de organizações públicas e privadas que buscam o aprimoramento das competências informacionais em ambiente digital.

Biblioteca móvel visita crianças de Vargem Grande do Sul


Fonte: Portal G1. Data: 3/01/2013.

URL: http://g1.globo.com/sp/sao-carlos-regiao/noticia/2013/01/biblioteca-movel-visita-criancas-de-vargem-grande-do-sul-sp-nas-ferias.html

Durante as férias, o Projeto Biblioteca Móvel visitas as crianças de Vargem Grande do Sul (SP). Iniciada no ano passado em São João da Boa Vista (SP), a ação de incentivo à leitura percorrerá várias cidades da região.

A coordenadora do projeto, Rosângela Nogueira, diz que toda criança se envolve com uma historia bem contada. “Quando você chega como livros novos, bonitos, com os contadores, é instantâneo e a magia acontece”, relata.

Ilustrações simples ou mais elaboradas também atraem o interesse pelo conhecimento. De acordo com a coordenadora, o desejo pela cultura está dentro de cada um e só precisa ser despertado.

Quem é estimulado, sempre corresponde. O estudante Sérgio Henrique Pereira Filho, de 10 anos, diz que desde que aprendeu a ler tomou gosto pelos livros.

Maria Eduarda Cornélio, de 7 anos, é uma das frequentadoras assíduas da biblioteca móvel. Segundo a mãe dela, a dona de casa Fernanda Aparecida Cornélio, depois que filha começou a ler ela melhorou a atenção e o comportamento. “Ela gosta de ler e já se imagina dentro das histórias. Ela também está mais calma, mais tranquila”, conta.

Objetivo

Além de incentivar crianças, os educadores também querem que os pais comecem as ler.
A ideia da biblioteca móvel surgiu em 2012 por um grupo formado por 62 educadores de São João da Boa Vista (SP), Aguaí (SP) e Casa Branca (SP) apaixonados por leitura.

Uma campanha estimulou a população de São João e região a doar livros, em especial os que tivessem conteúdo de histórias, contos, lendas e fábulas.

Após a arrecadação de mais de 1.500 exemplares, a biblioteca móvel percorreu algumas praças da cidade e zona rural de Águas da Prata e agora oferece o seu conteúdo aos moradores de Vargem Grande do Sul.

Americana deixa 41 milhões de herança para biblioteca


Fonte: Portal G1. Data: 3/01/2013.

URL: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2013/01/americana-deixa-r-41-milhoes-de-heranca-para-biblioteca-e-central-park.html

Uma americana que morreu em 2011 aos 88 anos deixou de herança US$ 20 milhões (cerca de R$ 41 milhões) para a Biblioteca Pública de Nova York e para a instituição responsável pela manutenção do Central Park. As doações foram recebidas com surpresa – nem os amigos de Mary McConnell Bailey sabiam possuía tanto dinheiro – segundo o jornal “New York Post”.

Mary vivia sozinha desde a década de 1940, quando seu marido morreu na Segunda Guerra Mundial. Ela nunca se casou novamente e não teve filhos. Ela morava em um apartamento modesto em Nova York, e trabalhava como voluntária em hospitais e escolas.

A biblioteca e o Central Park receberam a herança recentemente. Cada uma das instituições recebeu um cheque de US$ 10 milhões.

“Você nunca iria imaginar que ela era rica”, afirmou Lizanne Stoll, vizinha e amiga de Mary. “Ela era muito discreta em relação a isso”. Metade do dinheiro doado à biblioteca será usada para manter suas filiais locais abertas.

Mary foi criada em Massachusetts, e vinha de uma família rica. Ela se mudou para Nova York após a morte de seu marido. Ela chegou a trabalhar como professora, mas após receber uma herança com a morte de sua mãe, parou de trabalhar.

Furto de livro raro na Universidade Federal do Rio de Janeiro


Fonte: Agência Brasil. Data: 2/01/2013.

Autor: Paulo Virgilio.


O Ministério Público Federal (MPF) no Rio de Janeiro denunciou duas mulheres pelo furto do livro Histoire des Oiseaux du Brésil (História dos pássaros do Brasil). O livro é de 1852 e pertence ao acervo da biblioteca da Faculdade de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Se forem condenadas, as duas podem passar de dois a oito anos de prisão.

O crime ocorreu em fevereiro de 2006, quando Iwaloo Cristina Sakamoto e Verônica da Silva Santos entraram na biblioteca usando os pseudônimos de Júlia e Fátima, solicitaram o livro para consulta e furtaram a obra rara. De acordo com a denúncia, testemunhas ouvidas na investigação da Polícia Federal, disseram que Iwaloo e Verônica teriam comparecido à biblioteca por três vezes, antes de cometerem o crime.

As falsas pesquisadoras tiveram suas identidades reveladas a partir da identificação do homem que as teria acompanhado em uma dessas visitas, Laéssio Rodrigues de Oliveira, bem como pelo número de celular que uma delas informou ao retirar o livro para consulta. Segundo o MPF, Laéssio esteve envolvido em diversos furtos em museus e bibliotecas.

Na denúncia enviada à Justiça Federal, o Ministério Público faz menção a uma cópia do documento de controle de entrada de leitores da Biblioteca Nacional, onde ambas, com seus nomes verdadeiros, estiveram na véspera de sua primeira visita à biblioteca da Faculdade de Belas Artes da UFRJ. Ao serem interrogadas no inquérito policial, as duas suspeitas negaram o furto, embora uma delas tenha sido reconhecida por uma bibliotecária da universidade.

De acordo com o procurador da República José Guilherme Ferraz, responsável pela denúncia, a Polícia Federal tem obtido êxito em identificar os autores em vários casos de furto de obras raras ocorridos no Rio de Janeiro, a despeito das variadas estratégias empregadas pelos responsáveis por esse tipo de delito.

Ferraz alertou ao público em geral, e em especial aos que atuam no mercado de bens culturais, para que comuniquem ao MPF caso tenham conhecimento do paradeiro da obra furtada, bem como de outras que tenham sido alvo de crimes similares. Se alguém vier a adquiri-las com ciência de sua procedência ilícita poderá responder por crime de receptação, lembrou o procurador.