28 de set de 2012

Evento: Semana do Livro


Greynet: rede sobre publicações oficiais


A origem da Greynet remonta a uma reunião ocorrida na Biblioteca Real da Holanda em junho de 1992. Nessa ocasião foi planejada a Primeira Conferencia Internacional sobre Literatura Cinzenta, que foi realizada em dezembro de 1993. Vinte anos depois a Greynet celebra o seu vigésimo aniversario.


Maiores detalhes no URL: www.greynet.org

Mecanismo de busca com nova tecnologia


Fonte: Inovação Tecnológica. Data: 4/09/2012.


Informações contextualizadas

Inspirados pelas ideias propostas por um bibliotecário indiano há quase um século, uma equipe europeia desenvolveu um novo sistema de buscas para a internet que leva em conta fatores como opinião, contexto, tempo e localização.

A nova tecnologia, que promete chegar ao mercado rapidamente, consegue mostrar tendências na opinião pública sobre um determinado assunto, companhia ou pessoa, e como essa tendência muda com o tempo.

A equipe do projeto LivingKnowledge (conhecimento vivo, em tradução livre) acredita que seus algoritmos permitirão até mesmo fazer previsões sobre o futuro.

"Faça uma busca pela palavra 'clima' no Google, ou em outro motor de busca qualquer, e o que você receberá de volta será basicamente uma lista de resultados que caracterizam a palavra: não há categorização, nenhuma ordem específica, nenhum contexto.

"Os motores de busca atuais não levam em conta as dimensões da diversidade: fatores como quando a informação foi publicada, se há uma tendência de favorecer uma ou outra opinião, quem publicou e quando," explica Fausto Giunchiglia, professor de ciência da computação na Universidade de Trento, na Itália.

Google da diversidade

Mas será que a tecnologia de buscas na internet poderá ser capaz de abarcar a diversidade? Poderá um mecanismo de buscas dizer-lhe, por exemplo, como a opinião pública sobre as mudanças climáticas mudaram na última década? Ou como a temperatura poderá estar daqui a um século, agregando estimativas atuais e do passado a partir de fontes diferentes?

Giunchiglia garante que não apenas é possível, como isso já pode ser feito a partir dos resultados do projeto.

Os pesquisadores foram buscar inspiração no sistema de classificação de livros criado por Sirkali Ramamrita Ranganathan nos anos 1930, que permite atribuir múltiplas características a um livro, revista ou artigo.

Em vez de uma posição taxonômica fixa, o sistema permite, por exemplo, que um texto sobre os efeitos das mudanças climáticas na agricultura escrito no Brasil em 2010 seja classificado como "Geografia; Clima; Mudança Climática; Agricultura; Pesquisa; Brasil; 2010".

O que os cientistas fizeram foi transformar o pseudo-algoritmo de Ranganathan em um algoritmo codificado em um programa para minerar dados na internet.

Isso permite extrair de cada texto um significado e um contexto, associando-lhe as chamadas "facetas" da classificação bibliográfica. "E usar essas facetas para estruturar a informação com base nas dimensões da diversidade," completa o professor Giunchiglia.

Conhecimento aberto

O programa básico será disponibilizado como software de código aberto, e vários parceiros do projeto LivingKnowledge afirmaram que pretendem implementar a tecnologia em produtos comerciais.

O professor Giunchiglia, por sua vez, anunciou que pretende criar uma fundação sem fins lucrativos para implementar os resultados do projeto, um de cada vez, conforme surjam demandas para isso.

Ministra anuncia 70 milhões para a Biblioteca Nacional


Fonte: Ministério da Cultura. Data: 28/09/2012.

Na tarde desta quinta-feira, 27, a ministra da Cultura, Marta Suplicy, fez uma visita à Fundação Biblioteca Nacional (FBN) e junto com o presidente da instituição, Galeno Amorim, anunciou R$ 70 milhões para a primeira etapa da recuperação do prédio-sede, no Rio de Janeiro. Desse total, R$ 30 milhões são oriundos do PAC das Cidades Históricas e estão reservados para o restauro das fachadas, instalação do mezanino, revitalização do saguão e de três pavimentos, além das obras de conservação dos sistemas elétrico, hidráulico e de ar condicionado. Dos recursos anunciados, mais R$ 14 milhões são provenientes dos orçamentos do Ministério da Cultura, FBN e Fundo Nacional de Cultura. Mais R$ 26 milhões são da verba do BNDES, já anunciada, e que já teve a assinatura do termo de compromisso firmado entre a FBN e a Fundação Miguel de Cervantes para iniciar, em até 60 dias, o restauro do telhado, vitrais e claraboias, bem como a troca dos elevadores dos armazéns do prédio-sede e a primeira etapa da reforma do anexo, para implantação da Hemeroteca Brasileira.

Alagoas: verbas para bibliotecas


A Fundação de Amparo à Pesquisa de Alagoas (Fapeal) divulgou três novos editais voltados para a aquisição de acervo bibliográfico e auxílio na organização e participação em reunião científica. As chamadas públicas somam recursos no valor de R$ 400 mil. A iniciativa é resultado da política de otimização financeira e transparência na gestão implantada pela instituição nos últimos 12 meses.

A proposta é contribuir para a expansão universitária no interior do Estado e fortalecer a formação local de recursos humanos em ciência, tecnologia e inovação. Dessa forma, as instituições de pesquisa alagoanas poderão atender a critérios de infraestrutura e produção intelectual, exigidos pelo Ministério da Educação, pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e pelo CNPq.

Maiores detalhehs no URL: www.fapeal.br.

27 de set de 2012

Sobrevivência à revolução digital


Fonte: Exame. Data: 24/09/2012.

Autora: Isa Sousa.

Até o fim de 2012, a Barsa terá vendido 70 mil enciclopédias no Brasil. O número não é comparável a média de 100 mil exemplares que alcançava por ano em seu ápice, mas é considerado excelente pelo grupo espanhol Editorial Planeta, que comprou a empresa há 12 anos. Item de luxo quando lançada, em 1964, os 18 volumes vermelhos na estante de casa significavam status: em reais, o material custaria R$ 10 mil. Os tempos são outros e hoje o material pode ser parcelado em 24 vezes de R$ 100,00. Atenta as mudanças, a marca não pensa (ainda) em abandonar o papel, mas já mira nas mídias online para atrair um novo público e não virar refém da revolução digital.

Biblioteca tem projetos para deficientes visuais


Fonte: Portal G1. Data: 25/09/2012.

Livros escritos em braile e um programa de computador que narra o conteúdo dos livros digitais são alguns dos métodos utilizados para facilitar a leitura do acervo para deficientes visuais da Biblioteca Arthur Vianna, que fica no prédio da Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves (FCPTN). O espaço reúne cerca de mil títulos em braile e outros cinco mil livros em formato digital e, por meio de um projeto, estimula a leitura e a inclusão de deficientes visuais. O acervo disponibilizado pela biblioteca auxilia pessoas com deficiência no campo da visão a exercercitarem a superação. Sejam cegos ou com baixa visão, o que eles não têm são limites diante do conhecimento.

Brasileiros compram cinco tablets a cada minuto


Fonte: Veja On Line. Data: 24/09/2012.

Autor: James Della Valle.

Pouco mais de 600.000 tablets foram comercializados no Brasil durante o segundo trimestre de 2012, de acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pela International Data Corporation (IDC Brasil). O número é 275% superior ao registrado pela indústria no primeiro trimestre. Atualmente, são vendidos cerca de cinco tablets por minuto no Brasil, segundo o documento. Agora, a expectativa é que a venda de tablets chegue a 2,6 milhões de unidades até o fim deste ano. O crescimento fez com que o país saltasse do 17º para o 11º lugar no ranking mundial das nações que mais vendem tablets. [...] Para 2013, o analista estima que o número de tablets comercializados chegue a 5,4 milhões de unidades. A estimativa se baseia no grande volume de modelos a serem disponibilizados no mercado, além de preços de entrada mais baratos – que devem atrair consumidores com orçamento mais modesto.

Eventos em Florianópolis, novembro 2012


Evento: Indicadores da Internet no Brasil


24 de set de 2012

Evento: competência informacional


Bom-mocismo corrói a literatura


Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 24/09/2012.

Autor: Marco Rodrigo Almeida.

Em 2010, um parecer do CNE (Conselho Nacional de Educação, órgão ligado ao Ministério da Educação) recomendava a retirada da obra publicada em 1933 do Programa Nacional Biblioteca na Escola. A alegação é que o livro é racista na abordagem da personagem Tia Nastácia e de animais como os macacos. [...] "Acho que existe um veneno que está corroendo a literatura infantil -o bom-mocismo. Literatura não é pedagogia, é arte", diz Ruth Rocha. A escritora conta que, da sanha do politicamente correto, nem mesmo o folclore tem escapado. Uma editora, por exemplo, chegou a sugerir cortar o cachimbo do Saci de um de seus livros. [...] Rocha diz que não há uma fórmula para se fazer um bom livro, mas que é fácil perceber quais receitas não seguir."O livro não pode ser moralista, não pode ter didatismo. Isso não me interessa."

 

20 de set de 2012

Tablets e e-book: uma relação complicada


Fonte: Exame. Data: 03/09/2012.

Autor: Cauã Taborda.

Números mostram que quanto mais tablets são vendidos no mercado norte-americano, menos espaço é destinado aos e-books e e-readers. Conforme os tablets ganham a preferência dos consumidores no lugar dos tradicionais Kindle, Nook ou mesmo Positivo Alfa, os livros digitais passam a competir com aplicativos, e-mails, navegação na web e redes sociais. Nos e-readers, que têm como função exclusiva a leitura, a disputa pela atenção do usuário ocorre com o mundo físico a seu redor. Nos tablets, a situação é muito diferente. Afinal, quem nunca perdeu a concentração por conta de um alerta do Twitter ou Gmail que atire o primeiro mouse. [...] No Brasil, a situação dos livros digitais é ainda mais complexa. Segundo dados da Fundação Pró-Livro, e-books fazem parte da rotina de 9,5 milhões de brasileiros.[...] “Não há sentido para que os livros digitais não emplaquem no Brasil”, diz Susanna Florissi, diretora e coordenadora da área digital da Câmara Brasileira do Livro (CBL).Para ela, os tablets não são vistos como inimigos, mas como facilitadores nesse processo.

Novo número: Informação e Sociedade


Acaba de ser lançado o novo número da revista “Informação & Sociedade: Estudos” (v. 22, n. 2, 2012). Os artigos podem ser encontrados no URL: www.ies.ufpb.br/ojs2/index.php/ies.

Sumário:

Editorial

·         Atualização do Qualis de Periódicos da Capes. Gustavo Henrique de Araújo Freire, Isa Maria Freire.

Artigos de Revisão

·         Bibliotecas Digitais e Repositórios de Objetos de Aprendizagem. Patricia Zeni Marchiori.

·         Um olhar semiótico sobre o processo de indexação: a questão da representação e do referente. Brisa Pozzi de Sousa, Carlos Cândido de Almeida.

Memórias Científicas Originais

·         Um olhar discursivo nas capas de livros: diálogos entre as imagens e as palavras em “Dom Casmurro”. Pedro Ivo Silveira Andretta, Nádea Regina Gaspar.

·         Reflexiones en torno al acceso abierto a la información en el contexto cubano: el caso del sector Salud. Nancy Sánchez-Tarragó, Juan Carlos Fernández-Molina, Alejandro Caballero-Rivero.

Relatos de Pesquisa

·         Rede social de coautoria em Ciência da Informação: estudo sobre a área temática de "Organização e Representação do Conhecimento". Alzira Karla Araújo da Silva, Ricardo Rodrigues Barbosa, Emeide Nóbrega Duarte.

·         Ontologias: abordagens nas teses e dissertações das universidades públicas brasileiras
Mario Bastos de Souza Junior, Lígia Café.

·         O Software Público Brasileiro: novos modelos de cooperação econômica entre Estado e Sociedade Civil. Christiana Soares de Freitas.

·         Ações para implantação de repositórios institucionais em universidades públicas no Estado do Rio de Janeiro. Tania Chalhub.

·         Sistemas de Informação, cyber cultura e digitalização do patrimônio sergipano: a museologia na web. Janaina Cardoso Mello, Marcia Crisanto Montijano, Ângela Ferreira Andrade, Fabiano Conceição Luz.

·         Estudo do usuário de informação: o contexto e as características do trabalho dos gestores acadêmicos. Nadi Helena Presser, Marcela Lino da Silva.

·         Fluxos de informação e linguagem em ambientes organizacionais. Marta Lígia Pomim Valentim, Thiciane Mary Carvalho Teixeira.

·         A produção científica sobre os (as) negros nos ENANCIBs sob um olhar cientométrico. Erinaldo Dias Valério, Maria Cleide Rodrigues Bernardino, Joselina da Silva.

Resenhas

·         Prontuário do paciente. Maria Cristiane Barbosa Galvão.

Resumos de Dissertações.

·         Resumos de dissertações defendidas no PPGCI da UFPB em 2011 - Parte 1 de 2. Marcio Bezerra da Silva, Anna Carla Silva de Queiroz, Lilian Viana Bezerra Cananéa, Silvia Regina da Mota Rocha, Suzana Queiroga da Costa, Jonathas Luiz Carvalho Silva, Maria Giovanna Guedes Farias, Johnny Rodrigues Barbosa, Teraza Evâny de Lima Renôr Ferreira, Alexandre Pereira de Souza.

Evento: Políticas de leitura e de informação

Será realizado o VI Diálogos de Infoeducação, na próxima terça-feira, 25 de setembro, das 14 às 16:30, na ECA/USP, sobre “Políticas de Leitura e de Informação, na França: lógica da oferta cultural/lógica da apropriação cultural”, com o Prof. Max Butlen, da Universidade de Cergy-Pontoise.

Local:

Auditório Freitas Nobre (sala 34), Depto. Jornalismo e Editoração ECA/USP

Universidade de São Paulo.

A participação é livre e haverá transmissão pelo IPTV-USP http://www.iptv.usp.br

Projeto propõe uma biblioteca pública em cada município


A Câmara analisa o Projeto de Lei 3727/12, que inclui entre os princípios do ensino, previstos na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (a LDB, lei 9.394/96), a presença de pelo menos uma biblioteca pública em cada município brasileiro.
Conforme a proposta, do deputado Jose Stédile (PSB-RS), será obrigatório um acervo de no mínimo um título para cada habitante do município. Caberá ao Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas determinar a ampliação desse acervo conforme a realidade de cada município, além de divulgar orientações de guarda, preservação, organização e funcionamento das bibliotecas.
O projeto estabelece ainda que os municípios, dentro de sua autonomia e capacidade financeira, deverão desenvolver esforços progressivos para que a universalização das bibliotecas públicas seja efetivada no prazo máximo de cinco anos.
“A verdadeira função de uma biblioteca pública é promover o desenvolvimento do contexto social onde atua. Para isso, deverá atender aos diferentes tipos de usuários: infantil e adulto, alfabetizado, neoalfabetizado e não alfabetizado, o recluso e o livre, o hospitalizado, o deficiente físico e visual, entre outros”, afirma.
São 11 os princípios do ensino previstos na LDB, entre eles: igualdade de condições para o acesso e permanência na escola; liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar a cultura, o pensamento, a arte e o saber; pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas; respeito à liberdade e apreço à tolerância; e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino.
Tramitação
O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Educação e Cultura; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.
 
PROJETO DE LEI Nº , DE 2012 (Do Sr. Deputado JOSÉ STÉDILE)
Dispõe sobre o princípio da universalização das bibliotecas públicas no País.
O CONGRESSO NACIONAL decreta:
Art. 1º O art. 3º da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, passa a vigorar acrescido do inciso XII e dos §§ 1º ao 4º, com a seguinte redação:
Art. 3º. ...................................................................................
..................................................................................................
XII – presença de pelo menos uma biblioteca pública em cada município brasileiro.
§ 1º Para os fins do disposto no inciso XII deste artigo, considera-se biblioteca pública o espaço sociocultural que dispõe, em múltiplos suportes, de produtos e serviços informacionais, disponibilizando em seu acervo o mais amplo conhecimento possível sobre os diversos saberes, filosofias e ciências.
§ 2º O acervo da biblioteca será disponibilizado, em geral, a toda a comunidade e, em especial, ao público estudantil.
§ 3º Será obrigatório um acervo de livros na biblioteca de, no mínimo, um título para cada habitante, cabendo ao Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas determinar a ampliação deste acervo conforme a realidade de cada município, bem como divulgar orientações de guarda, preservação, organização e funcionamento das bibliotecas públicas.
§ 4º Os municípios, dentro de sua autonomia e capacidade financeira, deverão desenvolver esforços progressivos para que a 2
universalização das bibliotecas públicas, nos termos previstos nesta Lei, seja efetivada no prazo máximo de cinco anos, respeitada a profissão de Bibliotecário, disciplinada pelas Leis ns. 4.084, de 30 de junho de 1962, e 9.674, de 25 junho de 1988.”
Art. 2º Esta Lei entrará em vigor na data de sua publicação.
EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS
O objetivo da biblioteca pública é proporcionar aos cidadãos a assimilação da informação capaz de gerar conhecimento modificador e inovador que altere seu desconhecimento da realidade e proporcione um encontro com o saber humano. Porém, a comunicação efetivada entre o indivíduo (usuário) e a biblioteca não se restringe à transferência da informação. Ao contrário do que se imagina, esse é o fim de um processo que se inicia com o modo como ela se enuncia para o usuário, como ela se instala, nesse enunciar, sua competência para equacionar problemas de educação, lazer, cultura e informação em geral, tornando a visível a todos.
Esse processo pode ocorrer com a oferta efetiva de serviços fundamentais para a comunidade, o que faz com que a biblioteca se torne mais útil e seja vista pela população em detrimento da reunião de uma coleção de livros reunidos sem empregar a dinamicidade necessária para sua utilização.
Cabe à biblioteca pública coletar, tratar, armazenar, sensibilizar, atender, difundir a informação, o conhecimento e os saberes por meio da pesquisa e do acesso à informação, de modo que essas informações contribuam para o desenvolvimento hegemônico de uma comunidade heterogênea.
A verdadeira função de uma biblioteca pública é de fato promover o desenvolvimento do contexto social onde atua. Para tal, no ambiente plural e multifacetado onde se insere, deverá atender aos diferentes tipos de usuários, 3
estes dos quais possuem múltiplas necessidades e características que variam entre o infantil e o adulto, o alfabetizado, o neo-alfabetizado e o não alfabetizado, o recluso e o livre, o hospitalizado, o deficiente físico e visual, entre outros. Com efeito para intervir na vida social e gerar um conhecimento que promova o desenvolvimento, a biblioteca pública deverá atuar em ambientes multifacetados, formados por núcleos com divergências profundas que se diferenciam por condições como: grau de instrução, nível de renda, religião, interpretação dos códigos formais de conduta moral e ética, acesso à informação, confiança no canal de transferência, codificação e decodificação do código linguístico comum. Em busca de viabilizar o acesso ao conhecimento, a biblioteca contribuirá para o crescimento dos cidadãos e, consequentemente, a agir no fazer educativo, cultural, social e econômico da sociedade.
O surgimento da biblioteca pública nos países anglo-saxões em meados do século XIX foi um dos fenômenos mais importantes para sua história, da qual fundamentalmente, foi criada sob o preceito de que devemos proporcionar a educação, por meio da leitura, afim de incentivar os indivíduos que vivem em comunidade.
Essa trajetória da biblioteca pública é pontuada pela adoção de diferentes funções, sendo a primeira delas a educacional introduzida no final do século XIX. Já as funções de lazer e cultura foram introduzidas após a função educacional na primeira metade deste século, e por fim, a de agente social de informação, na segunda metade do século XX. Todas essas funções tinham o objetivo de cumprir e desempenhar o seu papel público, especialmente na busca de atender às demandas coletivas e oferecer como um espaço de encontro, o saber com a integração de tais funções.
Cabe à função educacional da biblioteca pública, contribuir para o crescimento progressivo do indivíduo, auxiliando-o, por meio do contato com os artefatos que dissemina a transpor os limites do conhecimento inerentes de modo a promover a instrução pública, seja ela demandada pela educação formal ou informal.
4 No que tange à função de lazer, cabe à biblioteca proporcionar o entretenimento e a diversão de seu público seja por meio da leitura descompromissada de livre escolha de um romance, jornal, revista, gibi, por exemplo, como também promover o interesse e a recreação do indivíduo por meio de atividades como o cine-clube, jogos interativos e educacionais, hora do conto, leitura para portadores de deficiência (mental, visual e física), além de espaços destinados para um bate-papo, para audição de CDs, DVDs, streaming entre outros.
A função cultural tem como principal dinamismo a organização de exposições, promoção de debates, palestras, círculo de estudos, oficinas de arte, realização de dramatizações ou encenações teatrais, enfim, atividades que relacionadas à ações culturais, possam ser capazes de promover ao público a participação e apreciação de diversas manifestações culturais de modo a salvaguardar e disseminar a identidade cultural da sociedade num mundo em rápida mutação.
A última função estabelecida para a biblioteca pública, a informacional, está diretamente relacionada à sua condição de fornecedora de informação captada nas mais variadas fontes, de modo confiável, rápido e eficiente, visando atender uma demanda que prescinde do texto impresso, mas que tem origem nas necessidades prementes e momentâneas do público que a frequenta, tais como informações utilitárias (emprego, orientação sobre serviços públicos) entre tantas outras.
As funções que fizeram emergir a biblioteca pública, quando efetivamente cumpridas, visam ampliar sua participação na vida comunitária de modo a aumentar sua visibilidade e utilidade social.
As bibliotecas públicas, em sua maioria, são mantidas pelo poder público e priorizam o acesso ao conhecimento, mas se utilizam também de estratégias que não atingem a grande parte do coletivo, que por muitas vezes a desconhecem ou não as identificam. Isso, é consequência da falta de infraestrutura por operarem com uma má qualidade do acervo, instalações físicas e da ausência de prestação de serviços que efetivem a transmissão do conhecimento. Oferecer serviços, ser útil e servir à população mediante o 5
entendimento de suas reais necessidades informacionais, direcionando recursos e serviços em prol do desenvolvimento coletivo são as principais funções do projeto.
Deste modo, a criação de uma legislação que constitua uma biblioteca pública em cada município com a oferta de produtos e prestação de serviços adequados, possa ter também servidores (bibliotecários) que possam atender as expectativas e necessidades em prol de favorecer a população na solução dessa carência existente em diversas localidades.
Sala das Sessões, em de abril de 2012.
Deputado JOSÉ STÉDILE (PSB-RS)

Biblioteca Nacional pode ser interditada


Fonte: Sonda Brasil. Data: 14/09/2012.

URL: www.sondabrasil.com.br/new.asp?cod=20010&dpto=1

Segundo o Corpo de Bombeiros, fundação será fechada caso não cumpra exigências de notificação.

Alarmante é a atual situação da Fundação Biblioteca Nacional (FBN), a maior da América Latina. Notificação emitida pelo Corpo de Bombeiros, após vistoria no prédio sede da instituição, afirma que o local passa por uma série de irregularidades no sistema de segurança contra incêndio e pânico. Esse é um dos problemas que foram apontados pelo Metro em reportagem publicada no dia 30 de agosto.

Para Lia Jordão, vice-presidente da Associação dos Servidores da Biblioteca Nacional (ASBN), a notificação é alarme para outras questões estruturais que, tanto o prédio sede, no Centro, quanto o anexo, na zona portuária, apresentam: “É mais um alerta para a situação precária. As mudanças têm que ser urgentes”, diz.

Segundo o Corpo de Bombeiros (CBMERJ), a FBN corre, “em último caso”, o risco de ser interditada se não cumprir o Decreto 897, de 1976, que determina o Código de Segurança contra Incêndio e Pânico (COSCIP).

Entre as alterações requeridas está a instalação de extintores, sinalização, sistema de canalização preventiva, caixas de incêndio e escada enclausurada, entre outros. Apesar dos apontamentos, o CBMERJ ainda não fechou o prédio porque cumpre as medidas determinadas pela legislação. Em média, 700 pessoas visitam o local por dia.

MinC se cala

Para a FNB, não há irregularidades e visitantes não correm risco. Biblioteca estaria segura, sem perigo iminente. Segundo a fundação, quatro bombeiros da Brigada de Incêndio atuam no prédio, que tem novo sistema de alarme.

Sobre as regras exigidas, o órgão afirma que já foi iniciado o processo de contratação de empresa especializada para a execução do projeto. Questionado sobre o caso, o Ministério da Cultura (MinC), já sob comando de Marta Suplicy (PT), afirmou que quem deve responder pelas questões da fundação, que é vinculada ao ministério, é a própria Biblioteca Nacional.

13 de set de 2012

Evento: ações inclusivas


No dia 24 de setembro teremos o II Webseminário de Pesquisa, Observação e Aplicação inclusiva, organizado pelo Programa de Promoção de Acessibilidade (PPA) da Unisul.

O evento acompanha o crescimento do Programa ao longo dos quase 10 anos de existência, sempre buscando a assertividade nas propostas. O objetivo principal (via web conferência e presencial) é ampliar a concepção de metodologias, práticas inclusivas e acessíveis no ensino; estimular instituições e profissionais no Brasil para a implantação de programas e ações inclusivas educativas acessíveis na área de atuação como também fornecer subsídios metodológicos e práticos para adaptação curricular direcionados à acessibilidade por direcionados à acessibilidade por meio da discussão com os educadores, profissionais e pesquisadores que atuam com educação inclusiva no Ensino.

A programação esta interessante. Temos uma webconferencia sobre educação inclusiva com os profissionais Patrícia Muccini Schappo (UFSC), Ana Rita de Paula (Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo) e Luciano Bitencourt (Educador, Unisul) que será transmitida via web; a tarde oficinas presencias sobre uso da LIBRAS e sobre Avaliação Olfativa ministrado pela Equipe da Fundação Dorina Nowill para Cegos. Finalizaremos com uma palestra com representante do Ministério Publico do Estado de Santa Catarina com o Professor Daniel Paladino. Assim que tivermos o link da transmissão e programação, socializaremos.

Mais detalhes com:

Salete Cecilia de Souza - CRB 14/508

Biblioteca Universitária - Coordenação - Campus Universitário UnisulVirtual

Programa de Promoção de Acessibilidade - Coordenação Institucional

(48) 3279-0935 e 2379-1165

Skipe: salete.cecilia.de.souza

FEBAB e a Biblioteca Nacional


Carta encaminha pela FEAB ao jornal “Folha de S. Paulo”.

 

São Paulo, 03 de setembro de 2012.

Senhores,

Tendo tomado conhecimento do artigo do Colunista Sr. Enio Gaspari "A privataria arruina a Biblioteca Nacional", de 02 de setembro, na Folha e São Paulo, em primeiro lugar parabenizamos pela matéria, e gostaríamos de acrescentar outras informações acerca desse capítulo da nossa grandiosa Fundação Biblioteca Nacional (FBN).

A FEBAB - Federação Brasileira das Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições contribuiu durante quase 8 anos na construção do Plano Nacional do Livro e Leitura – PNLL, Plano este que pretendia integrar os governos municipal, estadual e federal e sociedade civil na construção de uma sociedade leitora.

Com a mudança de Governo e saída do Sr. José Castilho Marques Neto (que era Secretário Executivo do PNLL) o Plano ficou paralisado. Depois de quase dois anos foi ”retomado” com outro foco, como Gaspari bem observou, de fortalecimento da cadeia produtiva do livro e de investimentos no mercado editorial. É importante mencionar que dentre muitas ações e atividades previstas, estava a criação de um Instituto do Livro, Leitura e Bibliotecas, mas ao invés disso o Sr. Galeno Amorim destituiu a Diretoria do Livro Leitura e Literatura existente no MINC que hoje faz parte da Fundação Biblioteca Nacional. O que foi pactuado visava o fortalecimento do acesso ao livro e leitura de forma gratuita, por meio da modernização da rede de bibliotecas públicas existentes no país, como também a capacitação de equipes e profissionais para serem os mediadores da leitura, ficou, obviamente, esquecido.

Na última Bienal do Livro em São Paulo, a Ministra Ana de Holanda anunciou investimentos no ano de 2012 de cerca de 370 milhões na construção de uma sociedade leitora, mas não informou o que realmente foi empenhado e executado. Também é importante que seja esclarecido para a sociedade que além da gestão da Biblioteca Nacional a Fundação é responsável pelo Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas para o qual há apenas um edital em vigor de R$ 2.000.000,00 no qual os Sistemas Estaduais podiam inscrever propostas com o limite de R$ 200.000,00 no máximo, com o compromisso de investir em 10 bibliotecas, o que significa R$20.000,00 para cada uma. Esses recursos são inferiores ao valor do “kit” de modernização feito no Governo passado que custava cerca de R$ 60.000,00.

Sem deixar de salientar que as bibliotecas tiveram editais de modernização aprovados pelo MINC em 2011 e não receberam os recursos, simplesmente foram cancelados.

Outra importante observação é que o Governo Lula retirou impostos do mercado editorial visando a criação de um fundo – Fundo Pró-Leitura – cujo encaminhamento não foi dado pela gestão atual. Esse fundo seria voltado ao fortalecimento da rede de bibliotecas e na formação de mediadores de leitura.

Esperamos que a Presidenta possa dar atenção a essa situação e mudar o rumo dessa história.

Atenciosamente,

Sigrid Karin Weiss Dutra

Presidente

Diretoria FEBAB -Gestão 2011-2014

Rua Avanhandava, 40 - Conj. 108/110- Bela Vista

01.306-000 São Paulo-SP

Fone/fax 11-3257-9979

Livro de Monteiro Lobato acusado de racismo


Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 11/09/2012.

Monteiro Lobato, quem diria, atravessou o mensalão: nesta terça (11) à noite ocorre no Supremo Tribunal Federal uma audiência de conciliação, convocada pelo ministro Luiz Fux, para discutir a distribuição, em escolas públicas, de "Caçadas de Pedrinho". Em 2010, um parecer do CNE (Conselho Nacional de Educação, órgão ligado ao Ministério da Educação) recomendava a retirada do livro publicado em 1933 por Lobato (1882-1948) do Programa Nacional Biblioteca na Escola. O motivo: racismo. O parecer do CNE que iniciou o caso foi suscitado sobretudo pela abordagem, no livro, da personagem Tia Nastácia, devido a trechos como o que comparava a cozinheira a uma "macaca de carvão". Desde então a questão da distribuição do livro se arrasta, justificando a mediação do Supremo.

Novo número: "Ciência da Informação"


Está disponível o v. 40, n. 2, 2011, da revista “Ciência da Informação”. O texto completo dos artigos estão no URL:


Sumário;

Artigos Originais

·         Perfis de competências relativas à inteligência competitiva: um estudo exploratório no Brasil. Roniberto Morato Amaral, Leandro Innocentini Lopes de Faria, Pedro Carlos Oprime, José Ângelo R. Gregolin, Dário Henrique Alliprandini.

·         Diálogo entre a teoria do Círculo de Bakhtin e a ciência da informação. Leilah Santiago Bufrem, Aline Elis Arboit, Tidra Viana Sorribas.

·         Priorização de requisitos e avaliação da qualidade de software segundo a percepção dos usuários. Aline Gomes Cordeiro, André Luís Policani Freitas.

·         Análise do domínio organizacional na perspectiva arquivística: um estudo baseado na metodologia proposta por Designing and Implementing Recordkeeping Systems, IRKS
Célia da Consolação Dias, Lídia Alvarenga.

·         A interpretação organizacional em empresas de tecnologia da informação e comunicação (TIC): um estudo na Incubadora Tecnológica de Campina Grande – PB. Maria José Silva Feitosa, Patrícia Trindade Caldas, Gasinaldo Ataíde Cândido.

·         Concepções sobre o conceito na organização da informação e do conhecimento. Marivalde Moacir Francelin, Nair Yumiko Kobashi.

·         Periódicos em ciências agrárias: análise bibliométrica utilizando o Article Influence Score do Institute for Scientific Information. Cristina Gibrowski.

·         Autoria da produção científica e tecnológica dos grupos de pesquisa do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba. Valmira Perucchi, Joana Coeli Ribeiro Garcia.

·         Ciência para todos? A divulgação científica em museus. Daniel Maurício Viana de Souza.

·         La colaboración de los autores en la literatura producida sobre la Ley de Lotka. Ruben Alvarado Urbizagastegui.

Estudos de Caso

·         O dia seguinte para os inovadores tecnológicos do iPhone: hedonismo e devoção1 no iDay2. Emílio José Montero Arruda Filho, Mark Michael Lennon.

Relato de Experiência

·         Propuesta de un modelo para la medición del impacto en políticas TIC hacia la inclusión social: avances del proyecto IMPOLIS. Mercedes Caridad Sebastián, Francisco Javier Calzada Prado, Carmen Jorge García-Reyes, Mª Dolores Ayuso García.

Revisões de Literatura

·         Do texto às ontologias: uma perspectiva para a ciência da informação. Marcelo Schiessl, Marisa Bräscher.

·         Webometria dos repositórios institucionais acadêmicos. Milton Shintaku, Jaime Robredo, Dulce Maria Baptista.

6 de set de 2012

Cursos da FEBAB


Evento: Reunião de bibliotecários em Salvador


No dia 10 de setembro (segunda-feira), teremos uma rara oportunidade: estarão em Salvador os nossos colegas Briquet de Lemos e Luís Milanesi. Ambos aceitaram o convite para uma reunião informal com bibliotecários e outros profissionais da informação que atuam na Bahia.

O tema desse encontro será o momento decisivo que vivemos na profissão com a rápida e radical mudança de cenário na área. Em especial, vamos discutir as formas como falamos para a sociedade e entre nós mesmos. Isso tange uma questão fundamental, estratégica: a necessidade de organização de entidade representativa de profissionais da informação, sem deixar de considerar as prováveis convergências entre bibliotecários, arquivistas e museólogos que as novas tecnologias indicam.

A reunião será realizada no PAF III da UFBA, campus de Ondina (vizinho ao Instituto de Letras), repetindo: dia 10 de setembro, segunda-feira, às 17 horas. Paralelamente e desde a parte da manhã, a EDUFBA estará com um stand de exposição e venda de livros de nosso interesse, tanto da própria Editora, de outras editoras universitárias, como da Editora Briquet de Lemos e da Atelier.

Sua presença é importante! Divulgue em suas listas e redes sociais!

Nídia

Obs.: No mesmo dia (das 9-17 horas) e no mesmo local, ocorrerá, conforme vem sido divulgado, o seminário Biblioteca de Excelência, produto da parceria ICBA/ICI/FPC/CRIA e outros agentes culturais. Profissionais e estudantes de pós-graduação: R$ 30,00; estudantes de graduação: entrada gratuita (todos com direito a certificado). Palestrantes: Luís Milanesi, Henriette Ferreira Gomes e o bibliotecário alemão, cuja biblioteca que dirige recebeu o prêmio de excelência na Alemanha.

- NÃO PERCA ESSAS DUAS OPORTUNIDADES de, no mesmo dia, ter acesso a conteúdos de interesse da área e de trocar ideias com colegas.

Agende-se e divulgue!

Cordialmente,

Nídia Maria Lienert Lubisco

Vice-diretora

Instituto de Ciência da Informação/UFBA

Tel.: (005571) 9144 9174 e 3283 7747

Biblioteca pública da Av Pres Vargas reabre em dezembro


Autora: Christina Nascimento.

Fonte: O Dia (Rio de Janeiro). Data: 30/12/2012.

URL: http://odia.ig.com.br/portal/rio/biblioteca-p%C3%BAblica-da-av-pres-vargas-reabre-em-dezembro-com-restaurante-no-%C3%BAltimo-andar-1.482133

A Biblioteca Pública do Estado, em reforma no Centro do Rio, vai ganhar um restaurante panorâmico com vista para a Avenida Presidente Vargas e para o Campo de Santana.

O espaço para refeições vai ficar no terceiro andar de um dos dois prédios anexos que estão sendo construídos. O outro novo edifício, será o centro administrativo. A obra será concluída em dezembro.

No mesmo prédio do restaurante, haverá também um auditório multiúso com capacidade para 200 pessoas e uma biblioteca especialmente para crianças.

O prédio principal teve a fachada e a estrutura originais — inclusive a cúpula — conservadas. No entanto, a biblioteca sofreu alterações na parte interna: ganhou novas divisões, com a construção de lajes e escadas, e modernas instalações elétricas e hidráulicas. Um lago ficará entre o espaço principal e os anexos.

O investimento da obra foi de R$ 43 milhões. Todo o procedimento de execução obedece a normas de construção sustentável. As instalações elétricas são com lâmpadas de baixo consumo e foram instalados sistemas de reaproveitamento da água da chuva.

Além disso, será usada energia solar no complexo, o que significará uma economia de 15% nos gastos com luz em toda a biblioteca.
A reforma segue o projeto de transformar as bibliotecas em espaços mais atraentes.

A primeira a seguir o modelo foi implantada em Manguinhos. Depois, em Niterói e na Rocinha. Nesses espaços, além de videotecas, há salas para computadores e música em aparelhos de MP3.

A acessibilidade na Biblioteca do Estado também vai seguir os padrões implantados nas outras: haverá rampas e elevadores para idosos e portadores de necessidades especiais.

2 de set de 2012

Detentos ganham biblioteca


Fonte: Portal Rádio Rio Vermelho (Silvânia, GO). Data: 27/08/2012.


Fonte original: www.noticiasdegoias.go.gov.br
Autora: Márcia Sousa

A Unidade Prisional de Bela Vista de Goiás conta agora com uma biblioteca. São 309 livros doados pela Secretaria Municipal de Educação. O diretor do presídio, Caio César, disse que 22 detentos começaram a ler as obras, que podem ser levadas para dentro da carceragem. A ideia, segundo Caio, é estimular ainda mais a leitura a partir da discussão do conteúdo dos livros, produção de redações e outras atividades educativas. Os detentos serão auxiliados pela professora de educação básica, que leciona para 16 alunos da unidade.

Evento: Editoração Científica


Em Curitiba na UFPR terá o II Encontro Universitário de Editoração Científica (25 a 27/09).

Objetivos: "aspectos legais e éticos da publicação científica; aprofundar o conhecimento das bases científicas para a redação do texto científico; conhecer políticas institucionais de apoio à publicação; discutir estratégias para a inclusão de periódicos em bases de dados; e mobilizar as lideranças de editoração em prol da qualidade e visibilidade das publicações científicas”.

A programação está com minicursos, mesas e reuniões, com convidados da área de Editoração Científica.

Detalhes no URL:

Palestra: Fatores de sucesso de uma biblioteca


Palestrante: Frank Raumel (Bibliotecário e diretor da biblioteca pública de Biberach).

Abrigada em um edifício do ano de 1515, a biblioteca pública da pequena cidade de Biberach é uma campeã de prêmios e tornou-se um modelo em toda a Alemanha pela excelência de seus serviços.

Recebeu o prestigioso prêmio "Biblioteca do Ano" em 2009 e há 8 anos, a biblioteca está continuamente em primeiro lugar no ranking de bibliotecas da Alemanha, na comparação com cidades de 30.000 a 50.000 habitantes.

O que faz uma biblioteca ser tão bem sucedida? Qualidade e inovação, tecnologia de ponta, marketing, sustentabilidade e parcerias internacionais são alguns dos fatores que Frank Raumel, diretor da Biblioteca, nos descreve para se alcançar a excelência e o reconhecimento geral.

Data e Local:

11 de setembro de 2012, 3ª feira, das 19:00h às 21:00h

Local: Auditório da Biblioteca Latino-Americana Victor Civita

Fundação Memorial da América Latina

Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664

 

Entrada livre - Vagas limitadas. Português - Tradução simultânea do alemão

Inscrição com Ana/Bethe: biblioteca@saopaulo.goethe.org

Telefone: (11) 3296-7001/3296-7051

1 de setembro: primeira biblioteca pública na Rússia


Fonte: Diário da Rússia. Data: 1/09/2012.

URL: www.diariodarussia.com.br/acontecimentos-2/noticias/2012/09/01/aconteceu-em-1o-de-setembro-2/

Em 1.º de setembro a Rússia comemora o Dia dos Conhecimentos, instituído ainda na extinta União Soviética em 1984.

1714 – Por decreto do Czar Pedro I, é inaugurada em São Petersburgo a primeira biblioteca pública da Rússia, hoje Biblioteca da Academia de Ciências da Rússia.

Vokswage inaugura biblioteca na unidade de Taubaté (SP)


Fonte: Diário de Taubaté. Data: 30/08/2012.

URL: www.diariotaubate.com.br/display.php?id=28147

A Volkswagen do Brasil inaugurou na quarta-feira, dia 28, na fábrica de Taubaté, a Biblioteca Volkswagen, especialmente concebida pela Fundação Volkswagen para atender aos mais de 5 mil colaboradores da unidade.

O evento contou com a presença do superintendente da Fundação Volkswagen e diretor de Assuntos Jurídicos da Volkswagen do Brasil, Dr. Eduardo Barros, da diretora da Fundação Volkswagen, Conceição Mirandola, do diretor da fábrica, Marcos Ruza, do diretor do Instituto Brasil Leitor, Wiliam Nacked e do Secretário de Turismo e Cultura de Taubaté, Carlos Eugênio Montecarlo César Jr. A inauguração ainda contou com a participação de atores representando personagens do Sítio do Pica-Pau Amarelo, criados pelo escritor taubateano Monteiro Lobato.

Com coordenação técnica do Instituto Brasil Leitor, a biblioteca tem o objetivo de incentivar a leitura entre os colaboradores das fábricas, seus familiares e comunidade. Em Taubaté, o acervo oferece 2.500 títulos entre livros técnicos e industriais, destinados à profissionais e jovens em formação profissional como estagiários e aprendizes do Senai, além de uma grande variedade de títulos da literatura nacional e internacional, que incluem desde os clássicos de Machado de Assis até best-sellers, como o “O Caçador de Pipas”, e títulos infanto-juvenis, como “Harry Potter”. Também estão disponíveis livros de negócios, de administração e idiomas.

Para a diretora da Fundação Volkswagen, Conceição Mirandola, a instalação da biblioteca é mais um projeto que reforça o compromisso da companhia em promover e realizar ações que contribuam para melhoria da qualidade da educação. "Com a inauguração da Biblioteca na fábrica de Taubaté, que se soma às bibliotecas nas unidades de São Bernardo do Campo e São José dos Pinhais, a Volkswagen está cada vez mais perto de ser reconhecida como a montadora da leitura".

Em um ambiente especialmente projetado para facilitar o acesso à leitura, com mobiliário moderno, confortável e funcional, o colaborador poderá consultar os livros disponíveis no local ou levá-los para casa em forma de empréstimo, sem nenhum custo. Além dos livros, a Biblioteca Volkswagen também disponibiliza jornais e revistas de grande circulação para a leitura diária. A biblioteca em Taubaté também poderá ser utilizada para a promoção de eventos especiais, como a visita de grupos de alunos de escolas públicas do município e ações motivacionais e de reconhecimento aos leitores mais assíduos.

1 de set de 2012

Multinacional patrocina biblioteca na Estação Paraiso


Fonte: Portal Seguradoras. Data: 24/08/2012.


Autora: Andrea Funk.

A SSAB, multinacional sueca líder mundial na produção de aços de alta resistência, em parceria com o Instituto Brasil Leitor (IBL), organização responsável pela criação, instalação e gestão das bibliotecas nas estações do metrô, trem e terminais de ônibus de todo o país, garante o funcionamento da biblioteca Embarque na Leitura da Estação Paraíso do Metrô São Paulo e contribui com o desenvolvimento cultural da população paulistana usuária do metrô.

“Entendemos que cultura é o alicerce para o desenvolvimento sustentável de uma sociedade, sendo assim, resolvemos patrocinar a biblioteca da Estação Paraíso do Metrô de São Paulo, gratuita e de fácil acesso, e dar nossa parcela de contribuição para a construção de um Brasil mais competitivo”, declara Paulo Seabra, diretor-geral da SSAB no Brasil.

A biblioteca Embarque na Leitura da estação Paraíso do Metrô SP conta com acervo de 6.840 obras, cerca de 21 mil inscritos e 228.063 empréstimos realizados. A faixa etária de maior aderência é a de 21 a 30 anos representando um total de 8.319 sócios, seguidos dos leitores de 31 a 40 anos, totalizando 6.454.

Fábia Elexandra Soares da Silva, 36 anos, auxiliar odontológica e usuária do metrô, é uma das leitoras mais assíduas da biblioteca. “Foi a melhor coisa que fizeram. Leio durante meu trajeto para o trabalho e o tempo passa mais rápido”, conta Fábia.

O horário de funcionamento é de segunda à sexta-feira, das 11h às 20h. Para se inscrever, os interessados devem apresentar documento de identidade e CPF (original e cópia), juntamente com uma foto 3x4. Também é necessário levar o comprovante de residência (original e cópia). Menores de 18 anos devem estar acompanhados dos pais. Os leitores são cadastrados e recebem uma carteirinha de identificação com foto e código de barra para fazer os empréstimos.

Sobre o Instituto Brasil Leitor (IBL)

O Instituto Brasil Leitor (IBL) destina seus esforços a projetos de educação e incentivo a leitura para diferentes faixas etárias, universos culturais e perfis de leitores. Além das Bibliotecas no sistema metroferroviário e em terminais de ônibus - são 12 unidades espalhadas nas estações de metrô, trem e terminal de ônibus em diversas metrópoles do Brasil, o IBL é responsável por mais três modelos de bibliotecas:

- Biblioteca Jovem: o mais novo projeto desenvolvido para ser instalado em escolas de ensino médio e fundamental, ONGs e instituições relacionadas ao desenvolvimento do jovem.

- Primeira Infância: destinadas às crianças de 0 a 6 anos. São 67 unidades instaladas em hospitais, instituições de educação infantil públicas e particulares de todo o país.

- Bibliotecas Comunitárias: são 17 unidades implantadas em empresas, escolas de ensino médio, associações comunitárias e afins.

Juntas, as bibliotecas contabilizam mais de 1,2 milhão de empréstimos e 131 mil sócios. O acervo contem cerca de 160 mil livros.