30 de nov de 2011

Senado deve voltar a debater acordo ortográfico

Fonte: Agencia Senado. Data: 29/11/2011.
Novo uso do hífen, resistência de alguns países e dificuldades dos professores em compreender e repassar as novas regras são alguns dos argumentos.
A senadora Ana Amélia (PP-RS) solicitará que a Comissão de Educação do Senado (CE) promova no início do ano que vem uma audiência pública sobre o novo acordo ortográfico. Enquanto o Brasil deve concluir a implementação do acordo em 2013, outros países de língua portuguesa enfrentam resistências - inclusive Portugal. Uma das providências que podem ser estudadas pelo Senado é a criação de um grupo de trabalho sobre o assunto.
Ana Amélia anunciou a audiência logo após se reunir, nesta segunda-feira (28), com o professor Ernani Pimentel. Autor de diversas críticas ao novo acordo ortográfico, o professor criou o Movimento Acordar Melhor para divulgar suas ideias.
Simplificação
Pimentel defende a simplificação das regras, porque, segundo ele, o novo acordo contém "incoerências, incongruências e muitas exceções". Um dos vários exemplos que citou foi a dificuldade para se compreender quando se deve usar ou não usar o hífen.
- Por que 'mandachuva' se escreve sem hífen e 'guarda-chuva' se escreve com hífen? É ilógico. E há muitos outros exemplos - afirmou ele.
De acordo com Pimentel, "nenhum professor de português de nenhum país signatário é capaz de escrever totalmente de acordo com as novas regras e, como os professores não têm condições de compreender, os países não terão condições de implantá-las".
Pimentel apóia a criação de um grupo de trabalho, no âmbito da Comissão de Educação do Senado (CE), para discutir o acordo. Ele também sugeriu que os países signatários criem uma espécie de órgão similar à Real Academia Espanhola, que seria responsável pela uniformização da ortografia nos países de língua portuguesa.
Mercado e soberania
Ao comentar as resistências externas ao acordo, ele lembrou que alguns países alegam - "com razão", observou - que as novas regras foram pensadas somente a partir de Brasil e Portugal, ignorando especificidades culturais de outras nações de língua portuguesa. Ele também disse que há uma divisão em Portugal, entre os que defendem o acordo e os que preferem adiá-lo devido aos interesses do mercado editorial português (que, dessa forma, não enfrenta a concorrência de livros brasileiros em seu próprio país e também nos países africanos de língua portuguesa).
Sobre a atuação do Ministério das Relações Exteriores, Pimentel declarou que "o Itamaraty está correto ao querer a unificação, mas está errado ao permitir que o interesse político desconsidere as questões educacionais, pedagógicas e culturais".
- Ao forçar o acordo, o Brasil está sendo visto como impositor. É importante que haja discussão entre os países - avaliou ele.
Ações judiciais
Segundo Pimentel, o acordo ortográfico que vem sendo implantado no Brasil contém alterações feitas posteriormente - e sem a aprovação do Congresso Nacional - pela judicial para exigir que o Congresso ratifique (ou não) tais mudanças. Além disso, o professor solicitou na Justiça que o Brasil tenha mais tempo para discutir e implementar o acordo ortográfico.

Câmara aprova universalização de bibliotecas em escolas públicas

Fonte: Agência Câmara de Notícias.
Autor: Tiago Miranda.
A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou na quarta-feira (23) proposta que exige a instalação de bibliotecas em todas as escolas  públicas de educação básica e a presença de bibliotecários com formação de  nível superior nessas bibliotecas. O texto também determina que o acervo  desses locais seja permanentemente atualizado e mantido em local próprio,  atraente e acessível, com disponibilidade de acesso à internet.
Aprovada em caráter conclusivo, a proposta segue para análise do Senado, se  não houver recurso para o Plenário.
As medidas estão previstas no substitutivo da Comissão de Educação e Cultura aos projetos de lei 3044/08, do deputado Sandes Júnior (PP-GO); e  4536/08, do ex-deputado Marcelo Almeida. O texto altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB - Lei 9.394/96). A comissão acolheu o parecer do relator, deputado Sandro Mabel (PMDB-GO), que julgou apenas a admissibilidade da proposta (não analisou o mérito).
O substitutivo também estabelece que cada sistema de ensino, de acordo com  as condições disponíveis e com as características locais, terá a  prerrogativa de organizar o trabalho dos bibliotecários, admitido o  atendimento a mais de uma biblioteca escolar por um mesmo profissional.
Segundo o texto, os sistemas de ensino da União, dos estados e dos  municípios deverão garantir capacitação específica aos bibliotecários para  atuar como mediadores entre os alunos e a leitura, de modo a contribuir  para a formação efetiva de leitores. A proposta define um prazo de cinco anos para implementação das medidas previstas.
Legislação atual
A Lei 12.244/10 já determina que todas as escolas públicas e privadas do  País tenham, até 2020, bibliotecas com pelo menos um livro por aluno  matriculado. As diferenças da lei em relação ao projeto são:
- a lei determina a instalação de bibliotecas em escolas públicas e  privadas; a proposta se refere apenas a escolas públicas.
- a lei estipula prazo de dez anos para sua implementação; a proposta não cita prazo.
- as bibliotecas, segundo a lei, devem ter pelo menos um livro por aluno matriculado; a proposta não cita a quantidade de livros.

Evento: WICI em Brasília

O já tradicional evento do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da UnB deste ano terá uma especial atenção para o universo das fotografias. A palestra de abertura contará com a presença do coordenador do grupo de trabalho do Conselho Internacional de Arquivos sobre arquivos fotográficos e audiovisuais - PAAG, o diretor do Arquivo de Girona (Catalunya) Joan Boadas. A palestra de encerramento terá como convidada Isabel Wschebor do Arquivo Municipal de Montevidéu e também pesquisadora do PAAG. O Grupo de pesquisa Acervos Fotográficos (GPAF) ainda promoverá uma reunião aberta, que contará com a presença dos ilustres convidados.
O 7º WICI é aberto para o público em geral, sem necessidade de inscrições. Além disso, contará com transmissão on-line em tempo real, para os demais interessados. Maiores informações (bem como o acesso à TV-WICI) podem ser obtidas diretamente aqui.
Atenção para as datas e horários dos eventos de maior interesse para os pesquisadores dedicados à fotografia.
·                            Dia 01/12 pela manhã: palestra de Joan Boadas.
·                            Dia 02/12 pela tarde: reunião aberta do GPAF om Joan Boadas, Isabel Wschebor, entre outros.
·                            Dia 02/12 pela noite: palestra de Isabel Wschebor
Maiores detalhes no URL: http://7wici.blogspot.com/

29 de nov de 2011

O projeto de Ana

Fonte: O Globo. Data: 28/11/2011.
Autora: Cristina Tardáguila.
Dez meses depois de causar comoção no meio artístico ao anunciar que iria rever o projeto de lei de direito autoral formatado pelo ex-ministro da Cultura Juca Ferreira em seus últimos dias no cargo, a ministra Ana de Hollanda encaminhou à Casa Civil no fim de outubro sua versão final do projeto.
O envio do documento, feito após aprovação de um grupo interministerial, transcorreu sob total sigilo, obedecendo a uma determinação do Ministério da Cultura (MINC).
Nesta semana, O GLOBO teve acesso ao projeto de lei proposto por Ana e a toda a documentação que o acompanhou. O conteúdo do projeto final surpreende pelo alto grau de semelhança com a versão que havia sido proposta pelo ex-ministro Juca Ferreira no fim de 2010.
Em quase um ano de trabalho, sofreu alteração substancial apenas cerca de 15% dos artigos, incisos e alíneas. Em linhas gerais, a lei submetida pelo ministério à aprovação da Casa Civil segue três direções. Primeiro, pretende corrigir erros conceituais que embaralham a interpretação da legislação atual (a de número 9.610, de 1998) e sobrecarregam a Justiça de processos. Depois, busca incluir informações que haviam sido omitidas ou descritas de forma insuficiente na lei em vigor. Por fim, dá ao MinC o poder de supervisionar as entidades de gestão do direito autoral do país, apesar de não lhe permitir cassar a licença de funcionamento.
Especialistas em direito autoral antecipam debate no Congresso essas instituições. Apenas o Judiciário poderá fazê-lo.
Se o projeto de lei que o Ministério da Cultura (MinC) enviou à Casa Civil fosse uma obra autoral, seria um plágio, tamanha é sua semelhança com a versão do ex-ministro Juca Ferreira.
Esta é a conclusão do professor e pesquisador em direito autoral da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) Allan Rocha, depois de ler a documentação a que O GLOBO teve acesso e constatar que só 15% dos artigos sofreram alterações substanciais.
— Mas essa semelhança é uma ótima notícia — ele pondera. — Grande parte dos avanços obtidos na gestão passada, inicialmente criticados por Ana de Hollanda, continua. Se esse projeto passar assim, os autores terão conquistado maior proteção em suas relações contratuais e ampliado seus direitos. Para empresas e investidores, haverá mais segurança jurídica em suas atividades. Já a sociedade terá sido ouvida em sua demanda por acesso justo e legal aos bens culturais.
Rocha queixa-se, porém, da parte sobre combate à pirataria digital.
— A lei estabelece que basta uma notificação extrajudicial para que um provedor tenha que tirar uma obra do ar. Isso afeta direta e negativamente o direito de defesa.
Ecad e Creative Commons
Rocha e outros seis especialistas em direito autoral foram convidados a avaliar o projeto de Ana e a antecipar o debate que deve tomar o Congresso.
Bruno Lewicki, vice-presidente da Comissão de Direito Autoral da OAB-RJ, concorda que a versão de Ana é “idêntica” à de Juca, e que, por isso, poderá pôr o Brasil “no mapa-múndi do direito autoral contemporâneo”:
— Pontos que já foram polêmicos viraram consenso, como a ampliação dos usos livres.
Mas ele acha que “se perdeu a oportunidade” de criar uma fiscalização rigorosa do Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) e das associações de gestão coletiva.
— O MINC amenizou — diz.
Sydney Sanches, presidente da Comissão de Direito Autoral e Propriedade Industrial do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), discorda:
— O sentimento que fica (após a leitura de trechos da lei) é que há um desejo do poder público de intervir ou controlar o direito dos criadores, e isso causa extrema insatisfação. A gestão coletiva foi criada pelos e para os criadores, e eles são e devem continuar sendo os gestores. Não me parece lógico um projeto que possua lacunas e que admita a interferência indiscriminada do Estado. O projeto é paternalista e demagógico.
Alexandre Negreiros, especialista em direito autoral que assessora o senador Randolfe Rodrigues na CPI do Ecad, elogia a ideia de o MinC poder autorizar associações a atuar na gestão coletiva do direito autoral e exigir que elas apresentem documentos anualmente para continuar ativas. Mas queria mais:
— O novo projeto estabelece uma supervisão estatal dependente do judiciário. Apenas simula a regulação — dispara.
Pablo Ortellado, do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso à Informação da Universidade de São Paulo (USP), alerta para um risco:
— Ao prever um registro único de obras administrado pelo MinC, o projeto contraria a Convenção de Berna, que livra o direito autoral de entraves burocráticos, e emperra licenciamentos livres na internet, como o Creative Commons.
Ortellado aprovou, por outro lado, a permanência do artigo que estava na lei de Juca e que previa reprodução, tradução e distribuição livres de trechos de obras no ambiente acadêmico. A medida lhe parece “crucial”.
Daniel Campello, advogado de direitos autorais e pesquisador da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), diz que o projeto de Ana sustenta os avanços negociados com Juca em relação a contratos:
— O texto define o que é a cessão de direitos, uma lacuna na lei atual, delimita a figura da licença e dá ao autor maior ingerência na administração de suas obras. É o bem-estar do autor em primeiro lugar, exatamente como acertado com Juca Ferreira.

Curso: MARC21 Formato bibliográfico

Curso promovido pelo Departamento de Divisão de Bibliotecas e Documentação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-RIO).
Loca: ensino a distância.
Período de Aulas: 05/03/2012 a 19/06/2012.
Objetivo:
O formato para descrição de dados bibliográficos MARC21 é, atualmente, o padrão utilizado na maioria das bibliotecas nacionais e internacionais, possibilitando o intercâmbio de dados. O curso define o formato, apresentando sua finalidade e importância na informatização das bibliotecas e descrevendo sua estrutura de campos, indicadores e sub-campos. Tem como objetivo subsidiar os alunos na aquisição de conhecimentos teóricos e práticos para utilização dos campos e sub-campos mais utilizados do formato MARC21 na catalogação de livros, periódicos e outros materiais.
O curso destaca as alterações que estão sendo realizadas para acomodar os elementos do RDA (Recursos: Descrição e Acesso).
Carga Horária: 120 horas.
Maiores detalhes no URL: www.cce.puc-rio.br/informativo/infomarc21bibliografico.html

27 de nov de 2011

Evento: Congresso de Leitura do Brasil

Data: 16-20 de julho de 2012.
Local: Campinas (SP).
A Associação de Leitura do Brasil organiza o 18º Congresso de Leitura do Brasil (COLE), que será realizado de 16 a 20 de julho de 2012, em Campinas (SP), com o tema “O Mundo grita. Escuta?
Maiores informações no URL: http://www.18cole.com.br

25 de nov de 2011

Biblioteca Digital de Programas de Ensino Cientifico


Patrocinada pelo Howard Hughes Programa do Instituto Médico de Professores, a Biblioteca Digital de Ensino Cientifico, baseada na Universidade de Wisconsin-Madison (USA, é voltada para melhorar o ensino de biologia pela nova formação de uma geração cientifica de professores. Nesta biblioteca digital os usuários encontrarão vinte unidades diferentes projetadas para aumentar o interesse do jovem em relação à ciência. Em cada unidade é incluído um guia do professor, juntamente com uma lista de objetivos principais e os materiais a serem utilizados no conteúdo educacional.

23 de nov de 2011

Cursos rápidos no Rio de Janeiro

Curso 1: Indicadores de qualidade, normas e padrões para organização de bibliotecas
Data: 10 de dezembro de 2011 (8 horas aula)
Conteúdo:
Revisão geral sobre organização e administração de bibliotecas universitárias perante as avaliações do MEC: normas e padrões existentes
Curso 2: Psicologia com usuários : competência no atendimento : como tornar o usuário parceiro da biblioteca
Data: 27 de janeiro de 2012 (8horas aula)
Conteúdo:
O dia-a-dia nas bibliotecas, atendimento aos usuários, como satisfazer suas necessidades de informação. Serão analisados casos e as melhores estratégias
Curso 3: Planejamento estratégico  em unidades e sistemas de informação
Data: 9 E 10 DE MARÇO DE 2012 (16HORAS AULA)
Conteúdo:
Planejamento estratégico em unidades e Sistemas de informação: rotinas (como acompanhá-las e avaliá-las). O ser humano nas empresas

Será fornecido certificado de participação no final do workshop.
Inscrições e informações: 2552-0982  e/ou 8760-3845 e/ou 8207-5919 lpaixao@br.inter.net
Facilitora: - Ligia Scrivano Paixão.
Local de realização do curso – a ser divulgado (bairro do Flamengo, RJ – próximo a estação do Metrô Flamengo).

Evento: Workshop Internacional em Ciência da Informação

Data: 1-2 de dezembro de 2011.
Local: Universidade de Brasília, Faculdade de Ciência da Informação.
O WICI tem como objetivo buscar promover o intercâmbio científico na área da Ciência da Informação, por meio de cooperação internacional, permitindo que professores e alunos da pós-graduação e outros segmentos da sociedade participem de discussões sobre o estado da arte dessa área. Para a presente edição propõe-se discutir interfaces teóricas e metodológicas da área por meio de exposições de palestrantes internacionais, debatidas com o olhar crítico de diferentes perspectivas disciplinares, buscando integrar a discussão referente aos três cursos de graduação existentes hoje na FCI: Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia.
O WICI é um evento anual, promovido pelo Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação da Universidade de Brasília (PPGCINF-UNB), que congrega pesquisadores nacionais e internacionais para a discussão de perspectivas nas diversas interfaces da Ciência da Informação.
Maiores detalhes no URL: http://7wici.blogspot.com/

Evento discute importância das bibliotecas como local de acesso ao conhecimento


Fonte: Surgiu.com Data: 22/11/2011.

URL: http://surgiu.com.br/noticia/21662/evento-discute-importancia-das-bibliotecas-como-local-de-acesso-ao-conhecimento.html

Um lugar mágico para quem sabe da magia que ela possui aproveitar, a biblioteca foi foco do III Encontro entre Educadores de Bibliotecas Escolares, promovido pela Fundação Fé e Alegria. Dentre vários outros temas abordados durante as mesas redondas promovidas pelo encontro durante a manhã desta terça-feira, 22, geralmente focados na discussão sobre a importância das bibliotecas como pontos de acesso a informação e de transmissão do conhecimento, o “Escola, Biblioteca e Comunidade: espaços que possibilitam vivências culturais.”

Assessor de currículo da Coordenadoria de Currículo e Formação do Ensino Fundamental da Secretaria Estadual da Educação (Seduc) Florisvardo Tavares Sousa ressalta a legitimação das bibliotecas como central de aprendizagem. “Toda e qualquer biblioteca é um lugar de acesso a cultura escrita, instrumento legítimo para a busca e o encontro de informação, conhecimento, cultura, história e outros tantos bens culturais. Por este motivo, a Seduc se esforça tanto no sentido de prestigiar as bibliotecas das unidades estaduais de ensino tocantinenses”, afirma Florisvardo Sousa.

Durante o período da tarde desta mesma terça, 22, o evento promove, até as 17 horas, oficinas de pesquisa escolar na web; interpretação poética; de implantação de software livre na biblioteca; e de preservação de acervos. Além disto, também estão previstas as exposições A cultura popular contada através de livros; e outras da Academia Tocantinense de Letras. No local ainda há uma feira solidária, onde há troca de livros usados. O III Encontro III Encontro entre Educadores de Bibliotecas Escolares acontece no Centro Pedagógico Padre João Bosco Burnier Fé e Alegria, localizado na quadra 406 Norte, Alameda 03, APM 10, em Palmas.

Após reforma, Biblioteca Municipal é entregue com 5 mil títulos


Fonte: Primeira Edição. Data: 22/11/2011.


Autora: Marigleide Moura.

Após passar por uma reestruturação, a Biblioteca Municipal Graciliano Ramos voltou às atividades na manhã de hoje (21), com uma solenidade que reuniu o prefeito de Maceió, Cícero Almeida, secretários e outras autoridades na sede do órgão, na Avenida da Paz. A partir de agora, estudantes e comunidade em geral terão disponíveis em um espaço moderno e bem estruturado cerca de 5 mil títulos catalogados e mais 50 mil variados.

De acordo com Paula Sarmento, secretária de Cultura de Maceió e presidente da Fundação Municipal de Ação Cultural (FMAC), foram investidos cerca de R$ 9 mil na obra que reorganizou o local para estudantes e para a população. “Tivemos muito trabalho para cadastrar todo este acervo, mas colocamos aqui a Elisângela, uma bibliotecária muito competente que trabalhou sério e conseguiu resolver os principais problemas em pouco tempo”, declarou.

Ainda segundo Paula Sarmento, a proposta da reinauguração da Biblioteca Municipal Graciliano Ramos é colocar à disposição da população um espaço que proporcione uma viagem cultural, onde todos possam aprender e se sentir à vontade. Para isso o prédio ganhou uma estrutura nova, com salas específicas para leitura, contos infantis, telecentro e espaço exclusivo para os escritores alagoanos lançarem suas obras literárias.

Paula conta que a Biblioteca dispõe ainda de um auditório com capacidade para 150 pessoas e que está disponível para atividades culturais como lançamento de livros e apresentações de artistas e escritores de alagoanos. “Podemos apresentar filmes, obras literárias sobre Graciliano Ramos para estudantes e colocar à disposição da sociedade esse espaço de crescimento”, falou.

Os filmes educativos catalogados na Biblioteca foram doados pela Agência Nacional de Cinema (Ancine). Parte do acervo foi doado pela Biblioteca Nacional, Ministério da Cultura e escritores alagoanos. A outra novidade são as pinturas de grafite com personalização do folguedo alagoano.

Durante a solenidade de inauguração, o secretário de Educação de Maceió, Thomaz Beltrão, parabenizou o prefeito e a secretária de Cultura pelo investimento e pela entrega da biblioteca reestruturada. “Fico feliz em encontrar aqui esse acervo, toda essa estrutura que vai atender gratuitamente nossa população e proporcionar crescimento aos estudantes”, disse.

“Estamos fazendo o melhor pela nossa juventude, estamos investimento em conhecimento, em educação”, disse o prefeito Cícero Almeida na reinauguração. Em seguida, em tom de discurso político, o prefeito lembrou sua trajetória desde os tempos que trabalhou em veículos de comunicação. “Eu nunca imaginei que pudesse ingressar na carreira política. Fui operador de áudio e fui crescendo até chegar aqui”, concluiu pedindo uma salva de palmas para o Senhor Jesus Cristo por agradecimento.

Depois da inauguração, o prefeito e os secretários seguiram para o Benedito Bentes, onde inauguram ainda hoje a Creche Escola Governador Luís Abílio, um terminal de ônibus e o Creas Paefi no conjunto Cidade Sorriso II.

21 de nov de 2011

Evento: Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas

Local: Lisboa (Portugal). Data: 18-20 de outubro de 2012.

A Associação Portuguesa de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas (BAD) vai realizar o XI Congresso Nacional de Bibliotecários, Arquivistas e Documentalistas, em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian, de 18 a 20 de Outubro de 2012.
Sugere-se, pois, que desde já reservem essas datas na vossa agenda pessoal e procurem envolver-se de maneira activa, valorizando a partilha de experiências e o compromisso profissional que essa oportunidade sempre significa e efectivamente proporciona, num momento em que tanto nos questionamos e necessitamos encontrar respostas para as nossas interrogações e dificuldades.
Fonte: Notícia BAD
URL: http://www.bad.pt/noticia/

IFLA lança nova página sobre Direitos autorais

A IFLA criou uma nova página web dedicada aos problemas relacionados com a política de direitos autorais, enfatizando as limitações e exceções para as bibliotecas. Como se sabe, as exceções aos direitos autorais permitem que as bibliotecas preservem e tornem disponíveis conteúdos informacionais. Em muitos países tem sido estabelecidas legislações para a era do documento impresso e, no momento do crescimento do documento digital, essas normas precisam ser atualizadas. Portanto, vem em boa hora a divulgação pela IFLA da necessidade urgente de serem atualizadas essas normas legais para que a biblioteca possa continuar a prover aos seus usuários serviços que possam acompanhar as mudanças tecnológicas.
Maiores detalhes no URL: http://www.ifla.org/en/copyright-tlib
Murilo Cunha

19 de nov de 2011

Atendimento à distância na Biblioteca Nacional

Você sabia que a Biblioteca Nacional oferece um serviço de atendimento à distância para os interessados em pesquisa que não moram no Rio de Janeiro? A Divisão de Informação Documental (DINF) oferece uma vasta gama de serviços, como levantamento e compilação de registros bibliográficos, reprodução do acervo (microfilmagem e digitalização), obtenção de cópias de textos de periódicos. Para solicitar qualquer tipo de informação é preciso preencher o formulário.
Mais informações através do telefone (21) 3095-3884 ou pelo dinf@bn.br.

Evento: Senabraille

O VII Senabraille, evento da Federaçao Brasileira de Associações de Bibliotecários, Cientistas da Informação e Instituições- FEBAB,  realizado em parceria com a Unicamp, em Campinas/SP, nos dias 27 a 30 de novembro, será integralmente transmitido pelas rádios Mundocegal, Vanmix e StudioRS.
Serão transmitidas as palestras e, se possível, os bastidores também. Teremos disponíveis diversos canais de interação, como MSN, Twitter e e-mail, onde empreenderemos o máximo esforço para garantir a participação, por meio de perguntas dos ouvintes da internet.
Abaixo seguem os endereços das rádios que transmitirão o evento:

Palestra sobre Livro Raro

Será realizada a 8ª edição do Programa Bibliotemas: conversando com profissionais da informação, com a palestra intitulada Livro Raro: requisitos para identificação a ser realizada no próximo dia 24, às 16h na Sala de Conferências do Superior Tribunal de Justiça, em Brasília, DF.
Rosa Maria de Abreu Carvalho
Secretária de Documentação
Superior Tribunal de Justiça
Telefones: (61) 3319-9003
                 (61) 3319-9004

Evento: Seminário de Bibliotecas Públicas e Comunitárias

Data: 17/11/2011.
O Governo do Estado de São Paulo, através da Secretaria de Estado da Cultura, está preparando a quarta edição do Seminário Internacional de Bibliotecas Públicas e Comunitárias, evento que acontece de 22 a 24 de novembro no SESC Pinheiros (Rua Paes Leme, 195 – Pinheiros. São Paulo/SP). O encontro reunirá profissionais e pessoas interessadas em compartilhar experiências, interagir com novos projetos, integrar-se com novas ações, conhecer novas alternativas de atuação e enfrentar novos desafios. As inscrições são gratuitas.
Maiores detalhes no URL: www.bibviva.com.br/apresentacao.asp

17 de nov de 2011

Bibliotecário receberá título de Doutor Honoris Causa

O Presidente do Conselho Universitário da Universidade Federal de Pernambuco, Reitor Anísio Brasileiro de Freitas Dourado, convida para Sessão Solene de Outorga do Título de Doutor Honoris Causa ao Professor Edson Nery da Fonseca.
Data: 05 de dezembro de 2011
Hora: 15h30
Local: Auditório Professora Gilda Lins
Editora Universitária|UFPE
Recife, Pernambuco

16 de nov de 2011

Brasil e Argentina assinam acordo de cooperação cultural

Fonte: Portal Terra. Data: 15/11/2011.

URL: http://diversao.terra.com.br/arteecultura/noticias/0,,OI5472105-EI3615,00-Brasil+e+Argentina+assinam+acordo+de+cooperacao+cultural.html

Brasil e Argentina assinaram nesta terça-feira (15) um memorando para potencializar a cooperação e a sinergia cultural entre os dois governos, que trabalham em diversas iniciativas como a criação de uma biblioteca virtual e a organização conjunta de uma bienal sobre indústrias culturais.
Durante uma entrevista coletiva em Buenos Aires, a ministra da Cultura do Brasil, Ana Buarque de Hollanda, e seu homólogo argentino, Jorge Coscia, assinaram o acordo depois de dois dias de reuniões.
Este documento destaca questões de cidadania e diversidade cultural, especialmente no programa do governo brasileiro Cultura Viva, que concede subsídios e experiências culturais populares. O governo argentino começa a imitá-lo em pequena escala e visa reforçar e enriquecer atividades conjuntas através de um encontro entre as nações.
O secretário argentino disse que não vê problemas em admitir que seu ministério esteja imitando o exemplo de algumas "bem-sucedidas iniciativas" do Brasil em matéria de cultura, pois compartilhar experiências é um dos principais objetivos do programa.
Em declaração conjunta, os ministros também mostraram sua vontade de ampliar a colaboração nas áreas de identidade e patrimônio cultural, intercâmbio artístico, economia criativa, literatura, audiovisuais e museus. Ana de Hollanda disse que buscam criar "incentivos fiscais para facilitar o trabalho da produção cultural".
Os ministérios pretendem trabalhar na criação de programas conjuntos de tradução de livros e criar uma biblioteca virtual com obras clássicas dos dois países, que estrearia com a coleção do historiador argentino Pedro de Angelis, conservada no Brasil. A ideia é que este espaço possa se transformar em uma grande biblioteca digital latino-americana algum dia.
Outro projeto em que estão trabalhando, segundo Coscia, é a transformação do Mercado de Indústrias Culturais Argentinas em uma bienal organizada cada ano em um dos países.
Além disso, os ministros concordaram em dizer que essa cooperação cultural é fundamental para a crescente união entre Argentina e Brasil, pois dá "sinergia à integração latino-americana".

Chat com David Lankes

O Centro de Informação e Pesquisa (Information Resource Center - IRC), da Embaixada dos Estados Unidos, tem o prazer de divulgar aos seus usuários  um chat, em inglês, intitulado “Librarians as change agents”, com a participação de R. David Lankes, professor da Scholar for the New Librarianship at Syracuse University's School of Information Studies dia 17 de novembro, quinta-feira, às 13h, horário de Brasília, baseado no contéudo abaixo:
“Como os bibliotecários poderão ajudar a  promover mudança social que irá beneficiar as pessoas ? Junte-se ao Professor David R. Lankes da para discutir como os desafios globais de hoje exigem uma nova biblioteconomia baseada em envolvimento da comunidade. Saiba por que os bibliotecários devem adotar uma missão de ação social transformadora para ajudar a melhorar a sociedade, e não simplesmente documentá-lo”
Se tiver interesse, por favor, acesse o link abaixo.

Equipe do IRC.
Information Resource Center (IRC) – U.S. Embassy, Brasília, Brazil
Telephone: (55)(61) 3364 2431 – 0800-61-8747  - Fax: (55)(61) 3364-1559

Curso gratuito sobre periódico eletrônico

Estão abertas hoje e amanha as inscrições gratuitas para o VIII SEERad. O curso vai do dia 21 de novembro ao dia 20 de dezembro de 2011.
Informações no link:

Atenciosamente Equipe SEERad

15 de nov de 2011

Cordel: Folhas volantes

Fonte: Diário do Nordeste (Fortaleza). Data: 14/11/2011.
URL: http://diariodonordeste.globo.com/materia.asp?codigo=1069882
Com um acervo de menos de 2 mil exemplares de literatura de cordel, a Biblioteca Nacional faz campanha para divulgar aos cordelistas a Lei do Depósito Legal, que obriga a doação de toda publicação em território nacional ao acervo da entidade, com o objetivo de perpetuar o escrito
A Universidade do Novo México possui um acervo de 4,6 mil exemplares do folheto que é a expressão mais tradicional da literatura popular do nordeste brasileiro: o cordel. A Biblioteca do Congresso Nacional dos Estados Unidos, em Washington, um número ainda mais robusto, com cerca de 9 mil títulos. No Brasil, uma surpresa ruim: a coleção da instituição que deveria traçar um panorama fiel de tudo que é produzido em território nacional, a Biblioteca Nacional (BN), resguarda um pífio acervo - conta com menos de 2 mil publicações.
Na tentativa de sanar essa alarmante deficiência, a entidade dá início à uma campanha de divulgação da lei que torna obrigatório aos autores a doação ao seu acervo de pelo menos um exemplar de cada obra publicada no País. Regulamentado sob as leis federais número 10.994 e 12.192, o chamado Depósito Legal prevê a doação de livros, jornais, discos, DVDs musicais e até catálogos de exposições e livros virtuais (e-books).
"A lei institui uma multa, mas a gente tem uma política de bom relacionamento com editores e autores", alerta a chefe da Divisão de Depósito Legal da Biblioteca Nacional, Daniele del Giudice. E dentro deste contexto, está também o cordel, muito embora nem autores, nem editores costumem saber disso. 
Como o acervo que depende destas doações, a Biblioteca acaba não conseguindo cumprir o seu papel de guardiã desta produção. "A literatura de cordel está parada (no setor de Depósito Legal da biblioteca). Esse mês de outubro, nós recebemos apenas oito exemplares do Brasil inteiro", atesta.
Ela explica que a postura da entidade é de buscar conscientizar os autores da importância dessa doação. "Por isso, a grande divulgação que queremos fazer no Norte e Nordeste, que é onde está a maioria dos produtores", justifica. A ideia é divulgar a lei e sua abrangência ao cordel por meio da imprensa preparando terreno para, em 2012, uma comissão da entidade correr feiras e bienais com material informativo.
Acervos particulares
Os dados sobre os acervos citados no início da matéria foram retirados de um levantamento feito pela Academia Brasileira de Literatura de Cordel (ABLC), localizada no Rio de Janeiro. O presidente da entidade, Gonçalo Ferreira da Silva, considera difícil mobilizar autores de cordel a enviar cópias de suas publicações à Biblioteca. "Os 40 cordelistas membros da ABLC encaminham para a academia suas publicações e, normalmente, 10 exemplares de cada. A gente re-encaminha para a Biblioteca Nacional. Mas fora do colegiado, não temos esse controle", diz. "Você é um poeta que mora nos cafundó do sertão, você vai estar preocupado com Biblioteca Nacional? Você está preocupado em ler o folheto para os amigos na feira", argumenta.
Ele estima que no Brasil existam 40 mil títulos de cordéis entre acervos particulares e de entidades, um dos maiores pertencente à própria ABLC, com 13 mil títulos, seguida da Fundação Casa de Rui Barbosa (RJ), 9 mil; Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular (RJ); 8,9 mil; e a Fundação Joaquim Nabuco, com 7.3 mil.
Investimento
Editor e autor de literatura de cordel, o cearense Klévisson Viana, considera importante este tipo de ação vinda da BN. "Nunca tivemos a preocupação de mandar nosso material. E o nosso catálogo gira em torno de 300 obras. Toda semana a gente publica três ou quatro títulos", diz. Para ele, no entanto, é preciso mais empenho por parte da BN e sugere que a entidade abra vias de debate com os cordelistas para explicar a lei e a importância da catalogação. "Acho que os autores não se sentem motivados em mandar porque ninguém vive de vaidade. É importantíssimo que essa obra esteja catalogada, mas porque não levantar o que existe de produção e comprar? Eu não teria problema de doar um exemplar, mas sei de muitos poetas que vivem em situação difícil e, pra eles, isso é irrelevante", aponta.
Klévisson cita ações de várias entidades no sentido de criar acervos, como o das universidades de Osaka, no Japão, que constantemente adquire novas publicações, e Havard, nos EUA, que enviou recentemente duas bibliotecárias para pesquisar e comprar acervos. O Centro Cultural Banco do Nordeste montou também recentemente quatro acervos para disponibilizar ao público em suas sedes de Fortaleza, Crato, Souza (PB) e outra no novo centro que funcionará em Teresina (PI).
"A fundação Biblioteca Nacional está querendo correr atrás do lucro, porque ninguém corre atrás do prejuízo. Pode ser que eu esteja equivocado, que a minha visão seja miúda, tacanha. Talvez seja necessário que isso seja melhor divulgado e esclarecido", conclui o artista.
Depósito Legal
O Depósito Legal é regulamentado pelas leis N. 10.994, de 2004 e 12.192, de 2010, obrigando remessa à Biblioteca Nacional de um exemplar de todas as publicações produzidas em território nacional. As obras passam a integrar a Coleção Memória Nacional, tendo, assim, asseguradas sua guarda e difusão. Além de livros e folhetos de cordéis, estão inclusos os discos e DVDs de apresentações musicais. Entre as publicações que estão isentas da obrigação estão monografias e teses universitárias, material publicitário, calendários, agendas, etc. Ao publicar uma obra, o autor deve:
- Reservar no mínimo um exemplar para o acervo da Biblioteca Nacional
- Enviá-lo acompanhado de uma carta de apresentação para:
Biblioteca Nacional
Av. Rio Branco, n. 219/ 3. andar -
Centro, Rio de Janeiro, RJ. CEP: 20040.008
Mais informações: (21) 2220-1892 ou ddl@bn.br

Rocinha terá biblioteca pública

Fonte: Radio Itaperuna FM. Data: 14/11/2011.
URL: http://radioitaperunafm.com/site/2011/11/14/rocinha-recebera-parque-ecologico-creche-biblioteca-e-plano-inclinado/
O Governo do Estado anunciou, nesta segunda-feira (14/11), que R$ 100 milhões serão investidos em urbanização, plano inclinado, parque ecológico, creche e biblioteca. As informações foram passadas pelo secretário de Assistência Social, Rodrigo Neves, que afirmou que o plano terá início dentro de três meses.
Nota do blog:
A biblioteca pública faz parte dos equipamentos sociais necessários a qualquer comunidade. Finalmente as autoridades cariocas sentiram que TODOS devem ter acesso à leitura e informação, resgatando assim, a cidadania daquela população.
Murilo Cunha

Lançado selo em homenagem aos 120 anos da Biblioteca do STF

Fonte: Correio do Brasil (Brasília). Data: 14/11/2011.

URL: http://correiodobrasil.com.br/lancado-selo-em-homenagem-aos-120-anos-da-biblioteca-do-stf/328422/

O Supremo Tribunal Federal (STF) lançou, nesta segunda-feira (14), em parceria com os Correios e Telégrafos, um selo e um carimbo personalizados, em homenagem aos 120 anos da Biblioteca da Corte. As peças serão utilizadas em todas as correspondências oficiais do órgão no período de um mês. O presidente do STF, ministro Cezar Peluso, e o ministro Gilmar Mendes participaram da cerimônia de lançamento, em Brasília, que também contou com a presença do diretor regional dos Correios, Antônio Tomás.
Em seu discurso o ministro Peluso agradeceu a homenagem prestada pelos Correios à Suprema Corte e à sua Biblioteca, “órgão importantíssimo na prestação do serviço diuturno do STF e no acesso da população ao seu imenso acervo”. O lançamento das peças filatélicas faz parte das comemorações dos 120 anos do STF, marcando, conforme salientou o ministro, o importante papel da Corte no curso da história brasileira. Também participaram da solenidade o diretor-geral do STF, Alcides Diniz, e a secretária de Documentação do Supremo, Janeth Dias de Melo.
O selo comemorativo traz imagens de pontos turísticos de Brasília aliados à logomarca dos 120 anos da Biblioteca. A arte da logomarca foi criada por um servidor, com base no conceito de “acúmulo de conhecimento escrito” e na imagem da Justiça. “A peça é um diferencial que ficará marcado na história, pois o selo será utilizado nas correspondências oficiais do Supremo enviadas a todo o Brasil”, ressaltou a coordenadora da Biblioteca Lucylene Valério Rocha.
A solenidade também marcou o lançamento da exposição dos 120 anos da Biblioteca do STF. A mostra relata a história do serviço que remonta à data de instalação da Suprema Corte, em 1891. Embora o Regimento Interno do Supremo, publicado no referido ano, já fizesse menção à biblioteca, foi apenas em 1912 que ela foi organizada e teve seu primeiro livro relacionado. A primeira obra do acervo intitulada “Avant Projet de Révisión du Code Civil” (1882), foi doada pelo ministro Piza e Almeida.
Em 1931, ano em que foi editado o primeiro catálogo da Biblioteca, ela já contava com 3.864 obras. Hoje seu acervo reúne aproximadamente 100 mil títulos e são realizados, a cada mês, mais de mil empréstimos. A exposição que conta um pouco da história do serviço, além de destacar importantes obras do acervo, vai até o dia 24 de novembro no átrio da Biblioteca Ministro Victor Nunes Leal  (Anexo II-A, 1º andar do STF, em Brasília). A mostra é aberta ao público de segunda a sexta-feira, das 11h às 19h.

Vagão-biblioteca no Serra Verde Express

Fonte: Brasilturis. Data: 14/11/2011.
URL: www.brasilturis.com.br/diretodaredacao_materia.neo?Materia=28473
A empresa Serra Verde Express foi uma das contempladas pelo Programa de Apoio e Incentivo à Cultura da Fundação Cultural de Curitiba e vai poder restaurar um vagão ferroviário, atualmente parado e sem manutenção, na oficina de trens da Associação Brasileira de Preservação Ferroviária, para transformá-lo em uma biblioteca.
O Vagão da Cultura como está sendo chamado, deverá funcionar diariamente já a partir do ano que vem (9 às 18 horas), com ingresso gratuito e o espaço terá ambiente histórico, com legendas em braile e uma exibição teatral permanente com ‘Serrinha e Maricota’, com o seguinte enredo: Na história, Maricota chega de uma viagem de trem e aguarda a chegada de seu padrinho. Enquanto espera, faz amizade com Serrinha - um garoto que vive viajando de trem, pois seu pai é maquinista.
Serrinha sabe tudo sobre a ferrovia e os dois criam um teatro de bonecos, criando as personagens gralha azul, papagaio da cara roxa entre outros. Criam as músicas, fazendo percussão com objetos que têm na mala.  O espetáculo, além de contar a história da ferrovia e do Paraná, aborda temas como cuidado com a natureza, respeito com a família e à terceira idade e a importância do estudo.
Todo último sábado do mês, durante os meses de março a dezembro, às 15h  a apresentação do espetáculo Serrinha e Maricota com entrada franca. Haverá também uma  mensalmente para crianças de escolas e instituições atendidas pelo contra turno escolar do Instituto de Pró Cidadania de Curitiba (IPCC). 100 crianças por mês durante 10 meses.
Após esta visita, em outra data, as crianças farão o passeio de trem Curitiba-Morretes-Curitiba.
O Vagão da Cultura representará um pouco da trajetória de construção da estrada férrea que resultou numa das mais ousadas obras da engenharia mundial. Depois de cinco anos de obras que reuniram mais de 9 mil trabalhadores, a ferrovia foi inaugurada em 2 de fevereiro de 1885. Em seus cento e dez quilômetros de extensão, a ferrovia tem 13 túneis ativos e 1 desativado, 30 pontes e inúmeros viadutos.

14 de nov de 2011

Novo padrão para o livro eletrônico

Uma nova especificação foi aprovada e deve acelerar o progresso em direção do crescimento do livro eletrônico (e-book) e de outras publicações digitais. Em 11 de outubro de 2011, o International Digital Publishing Fórum (IDPF) anunciou a conclusão de uma grande revisão para o EPUB, que se tornou o padrão global de intercâmbio e formato de livros eletrônicos e outros documentos digitais.
Essa nova recomendação está amplamente disponível no URL: http://idpf.org/epub/30

13 de nov de 2011

Bibliotecário correrá maratona no Everest

Filipe Conceição, 45 anos, é bibliotecário na Biblioteca Municipal Sophia de Mello Breyner em Loulé.  Filipe Conceição, 45 anos, maratonista e atleta de triatlo, fez 13º lugar no Campeonato do Mundo, em Londres.
Os dois Filipes são uma e a mesma pessoa, embora nem sempre seja fácil conciliar a vida profissional, familiar e desportiva. "Eu estou habituado, porque tive uma educação rígida, os meus pais eram do campo e o meu pai obrigava-me a trabalhar primeiro, para poder jogar à bola depois", conta ao Expresso o atleta.

12 de nov de 2011

Livro diz que Google controla silenciosamente a internet

Fonte: Folha de S. Paulo. Data: 29/10/2011.
O que palavras aparentemente desconexas como Disney, cachorro e amendoim têm em comum? Para a maioria das pessoas, elas não revelam muito, mas, se digitadas no Google, apontam que a interessada nos temas é possivelmente uma mulher, mãe de filhos pequenos e que sofre de alergias específicas.
Pode ser ainda que, a partir da identificação de seu perfil, a internauta veja mais propagandas de produtos infantis, indicações imobiliárias e, dali a alguns anos, até sugestões de escolas para adolescentes. Não se trata de pura adivinhação, mas da era em que informações aparentemente simples viram material precioso para previsões de comportamentos. É o que relata Siva Vaidhyanathan, professor da Universidade da Virgínia em "A Googlelização de Tudo".
Mestre em criar conexões invisíveis baseadas nos interesses dos usuários pesquisados na ferramenta de busca, o Google é, na visão do professor, a principal ameaça à privacidade de dados pessoais nos dias de hoje. Isso porque não esclarece que tudo o que se coloca na rede pode ser monitorado por seus sistemas de identificação de navegação (os chamados cookies) nem informa com precisão como os usuários podem configurar seus critérios de busca para proteger suas informações.
A lógica perversa do Google, na avaliação de Vaidhyanathan, está ainda em transmitir ao mundo que o acesso a seus serviços é gratuito, enquanto o verdadeiro custo está na troca por detalhes da personalidade de cada um. São essas informações que renderão lucro à empresa, com a venda de anúncios direcionados a perfis específicos de usuários.
Dividida em seis capítulos, a primeira parte da narrativa se concentra em mostrar o triunfo da aceitação da "googlelização" -presença cada vez mais frequente do buscador em diversas áreas do conhecimento. Indica ainda a criação de uma geração superficial, que aceita ver o mundo por meio dos resultados de buscas no Google em detrimento de conhecimentos profundos.
Desliza, no entanto, ao considerar o buscador como o principal vilão da internet, reduzindo a importância de outras ferramentas concorrentes e das redes sociais, que hoje podem ser a maneira mais avançada para acumular informações sobre os internautas. Na segunda parte do livro, o autor apresenta elementos políticos, filosóficos e até psicológicos pelos quais tenta provar necessária a reação dos internautas às forças dominantes na rede.
O livro é para quem quer conhecer os bastidores dessa potência da internet mundial, mas não traz provas concretas -além do relato do autor- sobre se o Google é bom, mau ou se é apenas esperto ao aproveitar o espírito de "compartilhamento" dos internautas na rede. É o início da análise sobre a dinâmica do controle da informação virtual, mas está longe de ser uma resposta definitiva para a questão.
Nota do blog:
Autor: Siva Vaidhyanathan
Título: A googlelização de tudo
Editora/data: Cultrix, 2011. 272 p.
ISBN: 8531611415

Hospital Geral do Estado terá biblioteca móvel

Fonte: Primeira Edição. Data: 11/11/2011.
URL: http://primeiraedicao.com.br/noticia/2011/11/11/hge-tera-biblioteca-movel
Ainda está em fase de acabamento o espaço que abrigará uma biblioteca móvel do Hospital Geral do Estado (HGE), no Rio de Janeiro. O lugar será destinado para todos os pacientes e funcionários da unidade, mas especialmente para o público infantil.
Todas as pessoas podem fazer doação de livros literários, gibis e revistas dos últimos três meses. A assessoria de comunicação (ASCOM) do HGE explicou que as doações podem ser feitas de segunda a sexta das 8h às 17h no HGE ou na sede da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau).

Biblioteca de Timbuktu

A biblioteca da cidade islâmica registra séculos de história africana
Fonte original: National Geographic. Data: 11/11/2011.
Fonte: Portal IG. URL: http://ultimosegundo.ig.com.br/ciencia/foto-do-dia-timbuktu/n1597364683595.html
Timbuktu foi um centro de estudos islâmicos durante vários impérios africanos, e sediou uma universidade para 25 mil alunos e muitas outras madrassas que serviram como pontos de partida para a expansão do islamismo na África entre os séculos 13 e 16. Os grandes ensinamentos islâmicos, que iam desde astronomia e matemática a medicina e direito, foram coletados na cidade em centenas de milhares de manuscritos. Muitos deles sobrevivem até hoje, ainda que em condições precárias, formando um inestimável registro da história do continente.

11 de nov de 2011

Seleção de livros didáticos

Seleção de livros didáticos para 2014 incluirá conteúdos digitais
Fonte: FNDE. Data: 08/11/201.
Será aberto em 9/12 o período de pré-inscrição de obras didáticas para os anos finais do ensino fundamental referentes ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) para 2014. A entrega dos exemplares para avaliação está prevista para o período de 7 a 11/5 de 2012. A novidade é que os editores podem apresentar objetos educacionais digitais complementares aos livros impressos.

Curso: "A prática da indexação de imagens fotográficas

Curso: "A prática da indexação de imagens fotográficas: princípios de gestão da informação"
Essa é a quarta turma e já contamos com mais de 200 alunos em todo o país (veja no nosso blog: informacaoaudiovisual.blogspot.com, a opinião de dezenas de participantes sobre esse experiência inédita aprendizado e trabalho no indexação de fotografias).
Se você, por algum motivo, não puder fazer o curso, mas tem interesse nas aulas e no material completo disponível, basta entrar em contato e solicitar, pois disponibilizaremos todo o conteúdo, para que você possa fazer download, com textos teóricos, complementares, aulas-slides, atividades práticas, ilustrações e dezenas de imagens fotográficas para todo o processo de aprendizagem. O custo será de R$25,00.
Período de inscrição: 11 de novembro a 25 de novembro
Período de realização do curso: 01 de dezembro/2011 a 31 de janeiro/2012 (data máxima para conclusão)
Vagas: 15 vagas
Investimento: R$ 50,00
Dados bancários: Banco do Brasil / Agencia: 6501-3 /Conta Poupança: 28.353-3 /Variação: 01  Ronni Santos Oliveira
Inscrições: Enviar e-mail para: indexacaodeimagens@informacaoaudiovisual.com.br

10 de nov de 2011

Monitoramento da ciência da informação

IBICT lança o resultado da pesquisa Monitoramento internacional da ciência
da informação,cujo objetivo é apresentar as tendências na área no século
XXI, tomando por base a produção científica publicada nos números temáticos
e nos painéis de congressos, período 2005-2010 .
Apresentada em dois volumes: v1-Números temáticos. 256 p. e-ISBN
978-85-7013-088-4 e v.2 -Painéis de congressos. 230 p. e-ISBN
978-85-7013-089-1,espera-se que a pesquisa venha subsidiar estudos na área.

Versão 1-
http://www.ibict.br/anexos_noticias/Monitoramento_int_producao_cientifica_em_ci_v1.pdf

Versão 2-
http://www.ibict.br/anexos_noticias/Monitoramento_int_producao_cientifica_em_ci_v2.pdf

Webinar sobre Acervos Institucionais

Webinar sobre Acervos Institucionais: o que preservar, por quem e com quê finalidade.
Data: 17 de novembro de 2011. Horário: 9 horas
Duração: 70 minutos
Local: internet - ambiente de webconferência
Serão abordados os assuntos referentes ao tratamento dos documentos e a forma de atuação com seus diferentes suportes e objetivos de guarda. Será destacada a importância dos Arquivos como item fundamental na circulação e gestão da informação nos setores internos e externos à empresa e seu papel de otimização de tarefas.
A inscrição gratuita deve ser feita no endereço: http://www.animaensino.com.br/acervos

Seminário Redes sociais, conhecimento e ação coletiva

Data e horário: 22/11/2011, 9h às 13h
Local: Biblioteca de Manguinhos/Icict/Fiocruz
Av. Brasil, 4.365 – Pavilhão Haity Moussatché – Manguinhos
Rio de Janeiro, RJ
O objetivo do seminário é realizar um debate em torno do alcance teórico, metodológico e prático do conceito e da metodologia de redes sociais no estudo das ações coletivas globais e/ou locais, virtuais e/ou presenciais. Conta com a participação da pesquisadora Marta Pedro Varanda, socióloga, licenciada pela Eastern Michigan University (1989), Mestre pela University of South Carolina (1991) e Doutora pela Université des Sciences et Technologies de Lille (2003). É pesquisadora do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa (ICS/UL). O trabalho que desenvolve centra-se em dois eixos de pesquisa: 1) redes de compartilhamento e colaboração entre pesquisadores; 2) ações coletivas, políticas públicas e redes de cooperação entre organizações estatais, sociedade civil e indivíduos/organizações. O seminário conta ainda com a presença de pesquisadores das áreas de informação, comunicação, saúde e planejamento urbano.
Programação
9h às 10h – Palestra
Marta Pedro Varanda (Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Lisboa)
O conceito e o método de redes sociais: estudo de redes de pesquisadores e dos processos de ação coletiva”
11h – 12h30m - Mesa-redonda
“Redes sociais: configurações na saúde, na informação e na comunicação” Regina Marteleto (Laces/Icict/Fiocruz e Ibict/UFRJ) – moderadora, Carlos Eduardo Estellita-Lins (Labcities/Icict/Fiocruz); Gilda Olinto (Ibict/UFRJ); Tamara Egler (Ippur/UFRJ)