16/09/2014

Dragão de 9 metros na biblioteca



Fonte: Campo Grande News. Data: 07/09/2014.

O despertar da imaginação aonde os olhos alcançam. O conceito de biblioteca foi substituído pelo de livraria, onde cada um se apropria do que lhe instigar sem ter de pedir a ninguém. Em forma circular, a estante em MDF branco acolhe livros e brinquedos que não obedecem outra ordem senão a da criatividade.
O projeto da biblioteca foi desenvolvido pelo arquiteto e design de interiores, Renato Arakaki, para a Casa de Ensaio, instituição que trabalha música, dança e teatro com 130 crianças e adolescentes de 8 a 14 anos, no bairro Amambaí, aqui em Campo Grande.
Com um gigante dragão no teto, para onde se olha, o lúdico está presente. A intenção, desde o começo, era de ser uma livraria e uma sala de estudo, não apenas uma mera biblioteca. "Biblioteca é aquela coisa de silêncio. Uma vez ouvi de um escritor, Fabrício Carpinejar, que é muito ruim um espaço ser para ficar em silêncio. Biblioteca tem que ter bagunça, este conceito de manusear, de manipular livros", explica.
Arquitetonicamente falando, Renato passou para o projeto a ideia de explorar o formato de uma livraria, onde os exemplares estão à mão, a postos, só esperando o resgate. "Trabalhamos neste sentido, de que os livros tem de despertar o nosso interesse", reforça.
O espaço todo é forma de círculo, com 10m de diâmetro. As estantes foram projetadas pelo arquiteto e desenvolvidas pelo projeto Escola Pau Brasil a GIRA Solidário. Os pés são de alumínio para facilitar a limpeza diária e evitar a absorção de umidade.
Nas prateleiras a disposição dos livros não obedece um padrão: ora deitados, ora em pé, abertos e fechados são eles que preenchem com liberdade os 25cm de altura.
Para cima, o que não passa despercebido é o dragão, feito em PVC expandido, é uma referência aos origamis de Renato Arakaki. "O dragão ele mexe com a imaginação das pessoas. É um animal mitológico seja qual for a cultura e o fato de eu nunca usar algo real ele estimula a criatividade, justamente por isso", explica
Dragão branco com detalhes vermelhos têm dobradiças propositais para dar movimento. (Foto: Marcos Ermínio)Dragão branco com detalhes vermelhos têm dobradiças propositais para dar movimento. (Foto: Marcos Ermínio).
Suspenso, preso em dois cabos que suportam até duas toneladas, o dragão é branco com detalhes vermelhos nos olhos, boca e rabo. As dobradiças junto ao corpo são propositais, para dar o movimento de um dragão.
O trabalho poderia ser feito, para outro ambiente, em papel. Mas a biblioteca exigia uma durabilidade maior. Nem muito alto a ponto de trabalhar a luminária e nem baixo ao alcance dos pequenos, o dragão foi feito a partir de 15 chapas do material de origem coreana, mas que também tem produção nacional.
Com 1,60m de altura, 9m de comprimento e aproximadamente 100 quilos, a peça-chave da biblioteca levou três meses para ficar pronta. Recortada a laser, o custo entre material, mão de obra e demais serviços, sai em média R$ 11 mil.
A biblioteca, ou melhor livraria comporta até 30 mil exemplares. No dia da inauguração, ocorrido no final de agosto, Arakaki pode ver de perto a reação das crianças, adolescentes e demais convidados. "Todos se aproximaram para ver, pegaram livros, recitaram".

UFMT ganha espaço para obras raras



Autoria: Stefanie Medeiros.
Fonte: Olhar Direto. Data: 14/09/2014.
URL: www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?noticia=UFMT_ganha_novo_espaco_com_materiais_de_pesquisa_raros&edt=29&id=377771
A Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) agora conta com um novo acervo. Trata-se do  Centro de Documentação Alexander Koenig, que terá como diferencial a presença de materiais de pesquisa raros, como livros e revistas científicas, alguns que chegam a datar da primeira metade do século XX, e que não se encontram nem na internet.
“Essa biblioteca reflete um pouco da história do mundo também.” Foi assim que Karl Ludwig Schuchmann, pesquisador alemão, definiu a importância do novo espaço. Esse depoimento foi dado em uma breve cerimônia que marcou o inicio das atividades centro, localizado na sala 305 do Instituto de Biociências (IB) da UFMT.
O diretor do IB, Marcos André de Carvalho, ressaltou que a Zoologia, por exemplo, depende de publicações antigas, e que a existência desse espaço representa um marco para a Universidade e para ele, em particular, devido às dificuldades encontradas para tirar esse projeto do papel. Ele concluiu que essa será uma excelente oportunidade para os alunos dos dois programas de pós-graduação do IB (Zoologia e Ecologia e Conservação da Biodiversidade) terem fácil contato a um conhecimento tão notável.
Karl Schuchmann, que é ornitólogo, pesquisador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Áreas Úmidas (Inau), professor dos dois programas de pós-graduação do IB e do Museu de Pesquisas Zoológicas de Bonn, na Alemanha, instituição essa que cooperou com o nascimento do centro da UFMT, afirmou que a biblioteca é um exemplo de intercâmbio científico e explicou que ali estão presentes obras de vários países, em várias línguas. Finalizou afirmando que espera que esse seja um espaço transicional, projetando que no futuro o material disponível para consulta já não caiba naquela sala. Alguns dos materiais presentes no espaço foram doados diretamente da biblioteca pessoal do pesquisador alemão.
Marinez Isaac Marques, coordenadora do Programa de Pós-graduação em Zoologia e uma das facilitadoras da criação do espaço, elucidou que os livros do Centro serão apenas para consulta, e que os alunos não poderão sair com eles da sala. Ela explicou que o Centro de Documentação da UFMT surgiu de um convênio de cooperação científica com o Museu de Pesquisas Zoológicas Alexander Koenig, e como parte deste convênio, o instituto alemão realizou uma doação de 2600 títulos de áreas como a Ecologia, Entomologia, Biologia Molecular, entre outras. A frisou, ainda, que a parceria entre as instituições possibilitará o intercâmbio de professores e alunos, e que a UFMT também tem cooperado com o museu alemão através de envios de amostras da coleção zoológica da Universidade, que conta com quase seis bilhões de dados catalogados, sendo assim, uma das maiores do Brasil, segundo Marinez.
Thiago Borges Semedo, mestrando em Zoologia, afirmou que os alunos terão acesso facilitado a livros raros que não se encontram em qualquer biblioteca. “Eu trabalho com taxonomia, e preciso de publicações antigas, que na maioria das vezes você não encontra nem on-line”, pontuou Thiago. O mestrando, que estuda na área de Mastozoologia, contou que já visitou grandes institutos de pesquisa pelo Brasil e que torce para que o espaço na UFMT cresça e se torne referência.
Também presentes na cerimônia estavam o pró-reitor de Pesquisa, Joanis Tilemahos Zervoudakis, professores e alunos do IB. O Centro de Documentação ainda não está aberto aos pesquisadores, pois a catalogação do acervo ainda está em andamento.

Projeto de biblioteca de Arapiraca (AL) desperta interesse da Fundação Bill Gates



Autoria: Davi Salsa.

Fonte: Tribuna Hoje. Data: 14/09/2014.

URL: www.tribunahoje.com/noticia/117055/interior/2014/09/14/projeto-de-arapiraca-desperta-interesse-da-fundaco-bill-gates.html

Nesta segunda-feira (15), a coordenadora do Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP), Elisa Machado, e as representantes de instituto ligado à Fundação Bill e Melinda Gates, as técnicas Vanessa e Daniela Greib, desembarcam em Arapiraca para conhecer de perto os projetos de estímulo e incentivo à leitura.
A coordenadora do SNBP e as duas técnicas da Fundação Bill e Melinda Gates irão visitar as bibliotecas públicas digitais de bairros (Arapiraquinhas), implantadas entre os anos de 2008 e 2012, e que agora estão sendo mantidas e ampliadas na administração da prefeita Célia Rocha (PTB) e pela Secretaria Municipal de Educação juntamente com a Secretaria de Cultura.
Como parte da programação, Vanessa e Daniela Greib irão ministrar uma capacitação para todos os regentes das Arapiraquinhas e da Biblioteca Pública Municipal Pedro de França Reis.
De acordo com a bibliotecária Wilma Nóbrega, uma comitiva de educadores e bibliotecários do Estado de Sergipe, composta por bibliotecários, coordenadora do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de SE, secretários municipais de cultura dos seis municípios participantes do Programa Bibliotecas em Rede, também estarão em Arapiraca para conhecerem a experiência com o Sistema Municipal de Bibliotecas Públicas, cuja Lei foi sancionada em julho passado.
Seleção
Os projetos inovadores da rede de bibliotecas públicas de Arapiraca foram selecionados para participarem do Programa Global Libraries, que é uma iniciativa da Fundação Bill e Melinda Gates, em parceria com o Sistema Nacional de Bibliotecas Públicas (SNBP) e Fundação Biblioteca Nacional.
Em todo o Brasil foram selecionados apenas três projetos nos estados do Pará, São Paulo e Alagoas, onde se destacam os trabalhos desenvolvidos nas Arapiraquinhas.
Além das Arapiraquinhas, a Fundação Bill Gates também incluiu a Biblioteca Pública Municipal Professor Pedro Reis, em Arapiraca, a Biblioteca Pública do Pará e Biblioteca Pública de Taubaté, em São Paulo
O município de Arapiraca é o único em toda a Região Nordeste que foi contemplado com a participação nessa etapa do programa da Fundação Bill e Melinda Gates.
A instituição foi criada por Bill Gates, fundador e ex-presidente da Microsoft, e a sua mulher, Melinda Gates. Os fundos desta Organização sem fins lucrativos proveem de doações de privados, sendo as principais da parte de Bill e Melinda Gates e de Warren Buffet.
A fundação foi criada em janeiro de 2000 e tem a sua sede em Seatle, Washington, nos Estados Unidos, gerindo cerca de US$ 38 bilhões.
É dirigida por William H. Gates, pai de Bill Gates, e por Patty Stonesifer. Esta tem como objetivo central a melhoria das condições de vida, nomeadamente na saúde, e a luta contra a pobreza. Nos EUA a instituição pretende promover a educação e o acesso à tecnologia.

Bibliotecas criam atrações para jovens



Fonte: Portal G1. Data: 15/09/2014.
URL: http://g1.globo.com/sao-paulo/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2014/09/bibliotecas-criam-atracoes-jovens-procurarem-leitura-em-votuporanga.html
Para tentar aumentar o interesse dos estudantes pela leitura, bibliotecas especiais têm sido implantadas em Votuporanga (SP). Os espaços são atrativos e as crianças são estimuladas a contar, por meio do teatro ou da música, o que aprenderam nos livros. Depois que a ideia foi colocada em prática, tem muito mais gente querendo ler na cidade.
Tudo no local foi pensado para chamar atenção dos futuros leitores. Os brinquedos pedagógicos e os móveis coloridos ajudam a criar um ambiente lúdico. Os alunos de uma escola municipal de educação infantil têm entre 4 e 6 anos e visitam a biblioteca pelo menos uma vez por semana. Na hora da história, não há espaço para conversa. “Eles viajam com a imaginação e é esse o objetivo, de ampliar e
O espaço chamado de biblioteca da primeira infância é um projeto do Instituto Brasil Leitor, uma ONG que promove ações de incentivo à leitura, e foi implantado em duas, das 16 escolas municipais de educação infantil de Votuporanga. “Trabalha não só a leitura, mas os brinquedos pedagógicos e a parte lúdica da criança. Onde ela sai da sala de aula e vai para outro ambiente diferenciado onde aprende ainda mais”, diz a secretária de Educação, Sílvia Rodolfo.
Em outra escola, de ensino fundamental, de Simonsen, distrito de Votuporanga, a biblioteca também está de cara nova e o foco são os jovens. O ambiente é interativo e os livros dividem espaço com aparelhos multimídia e jogos educativos. Os alunos aprovaram. “Ficou muito interessante e agora tem mais coisas para fazer, atividades interessantes, dá vontade de vir para cá”, diz a estudante Laissara Larrone da Maia, de 14 anos.
A biblioteca está mudada, até aquela regra clássica de silêncio absoluto já não existe mais. Os alunos têm vários instrumentos musicais à disposição e fazem do contato com as palavras uma festa. A única norma no local é transformar o aprendizado numa atividade divertida.
As novidades são estratégias para atrair os estudantes para o espaço que antes não era muito frequentado. A proposta é apresentar a palavra em diversos formatos para que eles tomem gosto pelas histórias. “Com a biblioteca se criou outro ambiente, outra possibilidade de se interagir com alunos e com o livro”, afirma a professora Fabiana Parreira.

14/09/2014

Evento: Formação profissional e compromisso social

Com satisfação, convidamos os colegas a participarem conosco da celebração da Semana Nacional do Livro e da Biblioteca, através do evento que promoveremos em nossa Instituição, a Faculdade Frassinetti do Recife (FAFIRE), de 20 à 24 de Outubro de 2014, em Recife /PE.
Neste ano, abraçando nosso tema institucional "Formação Profissional e Compromisso Social", a Biblioteca FAFIRE propõe debate sobre a "Democratização da Informação e cidadania", reforçando o papel dos mediadores do conhecimento (Bibliotecários, Professores e Comunicadores) e das mídias / fontes de informação na construção de uma sociedade mais justa, igualitária; na promoção e exercício da cidadania. 
Nosso evento estará recebendo propostas de estudantes e profissionais que queiram participar como palestrantes até o dia 30 de Setembro. No início de outubro estaremos divulgando nossa programação completa. 
O acesso ao evento é gratuito,  bastando que seja realizada previamente a inscrição on-line através do link:

Informações sobre o evento estarão sendo postadas inicialmente em nossa Fanpage www.facebook.com/BibliotecaFAFIRE , e no link de nosso evento: www.facebook.com/events/283693498487819/ .  A partir de outubro, também contaremos com uma hotpage em nosso site: www.fafire.br

Grande abraço,

Érica Lucena
Bibliotecária
Faculdade Frassinetti do Recife
(81)2122-3641

UFSCAR fecha a sua biblioteca comunitária

Autoria: Isabela Palhares.
Fonte: ICNET. Data: 13/09/2014.
A Biblioteca Comunitária da UFSCar (Universidade Federal de São Carlos), no campus de São Carlos, foi fechada nesta sexta-feira (12) e só deve ser reaberta na próxima quarta (17), após o registro de furtos de livros do acervo.
De acordo com a instituição, nesta semana, funcionários da biblioteca teriam identificado "indícios" de furto, por isso, a unidade foi fechada de forma emergencial nesta sexta-feira.
Ainda de acordo com a universidade, os funcionários iniciaram um inventário dos livros e já identificaram a existência de um "procedimento sistemático de furto" na biblioteca.
A UFSCar disse que não poderia informar quais são os indícios encontrados e quantos livros já foram identificados como furtados para não prejudicar as investigações.
A biblioteca, que tem um acervo com cerca de 200 mil livros, é aberta a todo público e não apenas para a comunidade acadêmica.
Conforme a UFSCar, dos cerca de 18,4 mil usuários ativos, 2.000 não são alunos ou funcionários da universidade.

No ano passado, a biblioteca emprestou 145 mil obras. A universidade não informou quantas não foram devolvidas. O local possui câmeras e seguranças