01/09/2014

Obras de referência



Acaba de ser lançado pela Editora Briquet de Lemos, “Brasil: obras de referência, 1999-2013” [Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 2014. 366 p. ISBN 978-85-85637-55-2], de autoria de Ann Hartness.
 “Em 1999, esta mesma editora publicou Brasil: obras de referência, 1965-1998, de Ann Hartness, com referências e comentários de 2 913 publicações pertinentes ao estudo do Brasil, em seus aspectos históricos, econômicos e culturais, em sentido amplo. Essas publicações incluíam livros, folhetos, publicações seriadas, e capítulos de livros. Decorridos quase 15 anos, Ann Hartness nos oferece mais este resultado de seus esforços, constantes e competentes, para identificar materiais de apoio aos pesquisadores que se dedicam a temas brasileiros. Esta nova bibliografia comentada cobre o período de 1999 a 2013, dando continuidade à publicada em 1999. Com essas duas publicações, temos um levantamento quase exaustivo das fontes de informação sobre o Brasil durante os últimos 48 anos, num total de 4 814 obras. Além das fontes em formato impresso, que formam a maioria das que são aqui comentadas, este novo volume contempla vários recursos digitais, inclusive os que estão disponíveis na internet.



Este é um trabalho que se coloca ao lado de empreendimentos voltados para o registro de nossa brasiliana, como o Catálogo da Exposição de História do Brasil, de Ramiz Galvão, e o Manual bibliográfico de estudos brasileiros, de Rubens Borba de Moraes e William Berrien. Para realizá-lo, a autora, durante as viagens que fazia ao Brasil para aquisição de obras para a biblioteca latino-americana da University of Texas, garimpou, sistematicamente, em livrarias e editoras universitárias e oficiais de todo o país os materiais que foram selecionados para inclusão nesta bibliografia.” (Editora Briquet de Lemos).

Crise na USP faz historiador deixar Biblioteca Mindlin



Fonte: Agência Estado. Data: 29/08/2014.
O historiador Carlos Guilherme Mota pediu demissão nesta sexta-feira (29) do cargo de diretor da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin, que pertence à Universidade de São Paulo (USP). Segundo ele, o afastamento foi motivado pela crise da instituição, que tem professores e funcionários em greve há mais de três meses por reajuste salarial.
Mota, docente emérito da instituição, assumiu a direção da Brasiliana em abril deste ano e será substituído pela professora Sandra Vasconcelos, integrante do comitê acadêmico da biblioteca montado por ele. A unidade, inaugurada em março de 2013, reúne mais de 60 mil volumes, entre livros e documentos sobre o País, doados à USP oito anos antes pelo bibliófilo José Mindlin.
Em sua carta de despedida, distribuída a colegas ontem, Mota criticou a falta de condições causadas pela greve. Em um edifício com mais de 20 mil m² de área no Câmpus Butantã da USP, zona oeste da capital, a biblioteca teve o funcionamento prejudicado desde maio, quando começou a greve. Mota reclama, por exemplo, que não consegue entrar em seu gabinete há mais de um mês, por causa da paralisação e dos piquetes.
No texto, o ex-diretor critica severamente a postura radical dos movimentos sindicais e a inabilidade do atual reitor, Marco Antonio Zago, para articular esforços na solução da crise, além do rombo financeiro deixado por João Grandino Rodas, o último reitor. “E o governo do Estado está silente, como sempre”, completou.
“É um ato de protesto”, esclareceu Mota ao jornal O Estado de S. Paulo. O ex-reitor da USP José Goldemberg lamentou a perda. “Certamente não aconteceria se a situação fosse outra, sem greve com portas bloqueadas todos os dias.” A reitoria não comentou a saída.
Transição
O historiador foi convidado para o cargo com a tarefa de consolidar as atividades da Brasiliana, fortalecer os laços com bibliotecas nacionais e estrangeiras e também resolver problemas da gestão anterior. Na avaliação de Mota, a “missão foi cumprida”.
Para ele, a escassez de verbas na USP, que gasta mais do que recebe do Estado com salários desde 2013, também ameaça o avanço da biblioteca, apesar do apoio da reitoria à unidade. “Além da despesa de manutenção, comprar obras raras custa caro”, destacou. “Temos a vontade da biblioteca de Harvard, mas o bolso ainda (está) no terceiro mundo”, finalizou.

Acervos de bibliotecas da Russia estarão disponíveis para smarthphone e tablets



Fonte: Gazeta Russa. Data: 29/08/2014.
URL: http://br.rbth.com/ciencia/2014/08/29/acervos_das_principais_bibliotecas_da_russia_estarao_disponiveis_para_27145.html
Em 2015, os acervos das maiores bibliotecas russas estarão disponíveis para smartphones e tablets e poderão ser acessados gratuitamente. Para isso, será necessário apenas se registrar em um aplicativo móvel especial para plataformas iOS e Android.
O Ministério da Cultura russo planeja liberar o acesso a mais de 6 milhões de arquivos dos acervos da Biblioteca Eletrônica Nacional (NEB, na sigla em russo). A Biblioteca Estatal da Rússia, a Biblioteca Nacional da Rússia, a Biblioteca Presidencial B. N. Ieltsin e a Biblioteca Pública Técnico-Científica Estatal da Rússia  também participam do projeto da NEB.
Os usuários poderão não apenas ler, mas também salvar textos e imagens para visualização on-line gratuita. Em primeiro lugar, estarão disponíveis as obras dos clássicos russos, documentos históricos e teses.  Atualmente, muitos livros de arquivos e documentos dos tempos do Império Russo estão sendo vendidos em sites piratas.
O custo do desenvolvimento do aplicativo móvel será de pouco mais de 4 milhões de rublos (cerca de R$ 240 mil).

Roubados computadores da Biblioteca Estadual do Rio de Janeiro



Autor: Ancelmo Gois.
Fonte: O Globo. Data: - 28/08/2014.
Peças de seis computadores foram furtadas no térreo da Biblioteca Parque Estadual, no Centro do Rio, contou em sua coluna Ancelmo Gois. Trata-se daquele centro cultural de última geração com mais de 90 mil livros e 20 mil filmes, tudo de graça, inaugurado em março deste ano. O furto levou à interdição da área de autoformação, onde são oferecidos cursos. A Secretaria estadual de Cultura reconhece que o setor era descoberto pelas câmeras, mas prometeu que agora vai reforçar a vigilância. E não foi só isso. O acesso a internet foi interrompido ontem (a previsão é que volte a funcionar semana que vem) e outros 36 computadores estão desativados. É que dependem da implantação do sistema de automação do prédio, que está em andamento.

FEBAB passa a participar do Plano Nacional do Livro e Leitura



A FEBAB tem buscado ampliar a representação dos bibliotecários em diferentes esferas. Uma das conquistas da atual gestão o assento no Conselho Diretivo Do PNLL. A portaria interministerial designando os membros para compor o Conselho Diretivo do Plano Nacional do Livro e Leitura (PNLL),pelo período de dois anos foi publicada e a A FEBAB estará representando a cadeia mediadora. A primeira reunião já está agendada para o próximo mês de setembro. A federação trabalhará firme na defesa das Bibliotecas!
Fonte: FEBAB. Data: 28/08/2014.